Projetos de Apoio Direcionado e Apoios Pontuais

Apoios Direcionados

Projeto em parceria coma Ri Happy e a Estrela
A parceria entre Ri Happy e Estrela, resultou na produção de bonecas negras “Adunni” e foi decorrente de uma ação de marketing relacionado a causa em que foi desenvolvido a concepção de um produto conceitual e a captação de parcerias com empresas dispostas a investirem na ideia, a fim de promover a implantação mercadológica e fortalecer a luta pela equidade racial no Brasil.

Projeto em parceria com a Johnson&Johnson
A articulação foi promovida entre o Baobá, a Johnson&Johnson, a ACMUN (Associação Cultural de Mulheres Negras) e IMENA (Instituto de Mulheres Negras do Amapá) e obteve como resultado o projeto Abordando a mortalidade materna entre Comunidades Quilombolas do Estado do Amapá, que beneficiou três Comunidades Quilombolas: Curiaú, Tessalônica e Carmo de Maruanum.

Projetos em parceria com o Instituto Coca-Cola Brasil
Instituto Mídia Étnica
Fortalecimento institucional do Instituto com apoio técnico nas áreas administrativa e financeira.

Ong Voz da Comunidade
Fortalecimento institucional com apoio no processo de institucionalização do então grupo.

Projetos em parceria com a Coca-Cola Brasil
– A elaboração do edital Cultura Negra em Foco
– Apoio ao Instituto Feira Preta para realização do projeto Feira Preta nos anos de 2014 e 2015.

Projetos em parceria com o Instituto Arapyaú
– Lançamento da “Campanha pelo Fundo Nacional de Combate ao Racismo” em âmbito nacional.
– Fortalecimento  institucional do Instituto Feira Preta em 2015.

Apoios Pontuais

Iniciativas de curta duração com fins coletivos para a promoção da equidade racial.

2012
6ª edição do Prêmio “Educar para a igualdade Racial”
– Apoio ao prêmio e incentivo a ampla divulgação dos resultados entre os formadores de opinião e formuladores de políticas públicas.
– Conforme o termo celebrado entre o Fundo Baobá e o Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT) foram acordados: 1) A produção de uma publicação específica para a Região Nordeste com 10 cases para divulgação; 2) A produção de um documentário que reúna as experiências e os profissionais premiados; 3) A realização de um seminário virtual nacional “História e Cultura Africana e Afro-brasileira na Escola”.

2013
Comunicadoras Negras
– Apoio para cobertura da III CONAPIR, realizada de 05 a 07 de novembro, com foco na produção de conteúdos.
–  O Geledés – Instituto da Mulher Negra, a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial do Rio de Janeiro (Cojira-Rio) e o CEERT , todos eles integrantes do FOPIR, por ocasião da reunião: ‘Direito das Mulheres, Mídia e Políticas Públicas: Desafios e perspectivas para a 3ª Conferência Nacional de Promoção de Igualdade Racial’, integraram o processo de diálogos sobre Mídia e Direito à Comunicação, com enfoque em gênero e raça.
As Comunicadoras Negras surgiram desse processo , criaram um página no facebook, produziram 4 boletins, vídeos pílulas, fotografias, matérias, produção de textos e conteúdos, stream, entrevistas e material de rádio, que foram veiculados na própria página, no site do Geledés, no Instituto Patrícia Galvão e nas redes sociais.

Instituto AMMA Psique e Negritude
– Apoio para elaboração do Plano Estratégico do instituto, organização criada há quase duas décadas por um grupo de psicólogas com o objetivo de trabalhar as complexas relações inter-étnico-raciais e atuando na luta antirracista.

Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT)
– Apoio à reunião de análise de conjuntura promovida pelo CEERT, o encontro reuniu cerca de vinte lideranças com atuação destacada na política, na academia e nas lutas sociais para realizar e debater a conjuntura política brasileira a partir do protagonismo negro.

Centro de Informações das Nações Unidas (UNIC)
– Apoio ao evento “Encontro das Áfricas” produzido pela UNIC e pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, foi realizado em novembro e contou com a participação de 50 artistas nacionais e internacionais, reunindo um público de mais de 700 pessoas e celebrou a elaboração do manifesto pela aprovação da DÉCADA DA AFRODESCENDÊNCIA (2015-2025) e colaborou para o fortalecimento e visibilidade da marca Baobá.

2014
Festival Percurso
– Apoio para a produção cultural na montagem do palco do 2º festival que mobilizou cerca de 10 mil pessoas nas mais de 12 horas de duração. O festival fortaleceu o tema “Juventude periférica gerando renda, trabalho e desenvolvimento local” e é parte do processo de articulação do projeto REDES – Redes de Empreendimentos Culturais Solidários da Zona Sul de São Paulo.

2015
Marcha das Mulheres Negras
– Apoio a viabilização para a participação de 76 mulheres das regiões Norte e Nordeste e do estado de São Paulo para irem para Brasília participarem da Marcha que segundo as organizadoras, reuniu mais de 50 mil mulheres de todo o país.

2016
Feira Afreaka
– Apoio para a compra de 10 stands para a realização da feira e a contratação de uma coordenadora para a elaboração do processo seletivo de empreendedoras/es negras/es e produção do evento, que fomenta discussões sobre igualdade social e representatividade dentro do campo do desenvolvimento econômico.

2017
Festival Latinidades
– Apoio a viabilização da coordenação de Comunicação e Assessoria de Imprensa do festival que aconteceu ao longo de quatro dias de programação em Brasília e reuniu 35 conferencistas, palestrantes e oficineiras/os de diversos países (Nigéria, Cuba, Moçambique, Estados Unidos e Brasil) para celebrarem a diversidade das mulheres negras brasileiras, africanas e de outras regiões da diáspora africana, valorizando e aprendendo com suas experiências e saberes.

Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul – Brasil, África e Caribe/10 anos
–  Apoio a compra de passagens internacionais para viabilizar a participação de 4 cineastas africanos com o intuito de manter o intercâmbio internacional com os países da África e da Diáspora Negra.

II Encontro Negras Jovens Feministas
– Apoio para hospedagem de 40 jovens participantes da região Nordeste no encontro realizado em São Paulo que contou com a participação de 400 jovens negras para debater temas  como: O Bem Viver,  participação política, tecnologias, comunicação, identidades e feminismo negro com foco na relação intergeracional.