Dia Mundial da Saúde: Pouco a celebrar, muito a reivindicar

Hoje, 07 de abril, é celebrado o Dia Mundial da Saúde. A data foi criada no ano de 1948, durante a primeira Assembléia Mundial da Saúde, no qual também foi criada a Organização Mundial da Saúde (OMS). A primeira celebração ocorreu em 1950.

O objetivo da data é garantir o melhor nível de saúde para as pessoas em todo o mundo, através da divulgação de temas importantes para a sociedade e que possam contribuir com a melhoria da qualidade de vida.

Hoje, 71 anos depois da primeira celebração, não há muito o que comemorar. Com a pandemia do novo coronavírus em curso, há um ano, na última terça-feira (6), o Brasil bateu o recorde de morte diárias pela covid-19, foram, ao todo, 4.195 vidas perdidas em 24 horas. Até o momento, já perdemos 337 mil vidas.

No dia 17 de janeiro, a esperança parecia renascer quando Mônica Calazans, uma enfermeira negra, foi a primeira pessoa a ser vacinada no país, no mesmo dia que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o uso emergencial de duas vacinas contra a covid-19 no Brasil: a CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan (SP), e a vacina da Universidade de Oxford/AstraZeneca, que será produzida no Brasil pela Fiocruz (RJ). Porém, dois meses depois, os dados de pessoas vacinadas não avançam com a velocidade que deveriam, os últimos dados revelam que apenas 2,78% da população brasileira foi imunizada com a segunda dose da vacina

Mônica Calazans, a primeira pessoa a ser vacina contra a Covid-19 no Brasil (Foto: Divulgação)

Quando o plano nacional de imunização foi apresentado, populações quilombolas e ribeirinhas foram incluídas no grupo prioritário de vacinação. Entretanto, a realidade é outra. Uma reportagem feita pela Agência Pública, confirma que 28% dos brasileiros vacinados até agora são negros, enquanto brancos representam mais de 52% dos imunizados. Esse número mostra a desigualdade racial em nosso país considerando que 56% da população brasileira se autodeclara negra, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). O  estudo Raça e Saúde Pública, coordenado pela Vital Strategies, mostra que homens negros são maioria no índice de mortalidade por Covid-19 no país, sendo que este grupo representa o dobro do que é formado por mulheres brancas.

De acordo com a Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil, feita pela Fiocruz em parceria com o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), entre os profissionais de enfermagem brasileiros, 42,3% são brancos, enquanto 53% são negros, portanto, é ainda maior o número de profissionais negros na linha de frente do combate ao coronavírus.

Ainda sobre os profissionais da saúde, em especial as enfermeiras negras,  uma pesquisa feita pela Fiocruz Minas e a Rede Covid-19 Humanidades, da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (Easp/FGV), sobre a situação dos profissionais da saúde no combate à Covid-19, mostra que as mulheres negras foram as que mais declararam sensação de despreparo (58,7%) e ocorrência de assédio moral no trabalho (38%). Elas também sentiram medo (54%), desconfiança (28%) e tristeza (53%) em maior proporção do que outros grupos. Por outro lado, homens brancos que afirmaram sentir despreparo para lidar com a crise estão em 33,5%, enquanto aqueles que sofreram assédio moral, 25%.

A Covid-19 jogou luz sobre as desigualdades raciais e sociais existentes em nosso país. Caso não sejam implementadas políticas e ações pró-equidade eficazes, o SUS não se consolida como mecanismo de justiça social e não haverá possibilidades de contribuir com a principal premissa do Dia Mundial da Saúde: a garantia de saúde para todas as pessoas do mundo.