14 de maio e a sobrevivência do negro

“No dia 14 de maio, eu saí por aí
Não tinha trabalho, nem casa, nem pra onde ir
Levando a senzala na alma, eu subi a favela
Pensando em um dia descer, mas eu nunca desci

Zanzei zonzo em todas as zonas da grande agonia
Um dia com fome, no outro sem o que comer
Sem nome, sem identidade, sem fotografia
O mundo me olhava, mas ninguém queria me ver”

(14 de Maio – Lazzo Matumbi)

O trecho acima é da canção 14 de Maio, de autoria do cantor, compositor e ativista baiano Lazzo Matumbi. A letra traça um panorama do que aconteceu com a população negra um dia depois do 13 de maio de 1888, o dia em que foi assinada a Lei Áurea, que concedia a libertação dos escravos em território nacional.

Nessa data, em torno de 750 mil negros e negras foram mantidos fora da competência do Estado, sem qualquer tipo de amparo legal ou medida afirmativa por parte do Estado e das próprias pessoas que detinham o poder, esse sustentado pelo trabalho, até então imprescindível, desses negros e negras. Sendo assim, o dia 14 de maio se tornou um dia de reflexão para a população negra ex-escravizada, que não tinha o que comer, o que vestir e onde morar, como canta Lazzo Matumbi. A cultura negra continuou a ser marginalizada e leis foram criadas para proibir sua exibição em público. Dois anos depois de a  Lei Áurea entrar em vigor, a Lei dos Vadios e Capoeiragem, de 1890, determinava que pessoas maiores de 14 anos que não trabalhavam e ofendessem “a moral e os bons costumes”  poderiam ser detidas. Dentro da mesma lei havia um decreto que tornava crime a prática da capoeira e de rodas de samba em ruas e praças públicas, considerando as duas manifestações artísticas uma “perturbação social”. 

Se Lazzo Matumbi canta que no dia 14 de maio o negro “subiu a favela pensando em um dia descer”, realmente, como completa a letra, ele nunca desceu. Não desceu por falta de políticas públicas que reintegrassem o negro, já não escravizado,  à sociedade. Segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre o perfil da população das principais favelas do país, existe a predominância da população negra na periferia. O estudo mostra que 40,1% das casas são chefiadas por homens negros e 26% por mulheres negras, contra 21,3% por homens brancos e 11,7% por mulheres brancas. Os dados da Rede Nossa São Paulo, apresentados em 2019, mostram que 32% da população da cidade de São Paulo se identificam como negros, mas em bairros periféricos como o Jardim Ângela, na zona sul da cidade, a concentração dessa população chega a 60%. Em outros distritos da capital, como Capão Redondo, Parelheiros, Grajaú, Cidade Tiradentes e Itaim Paulista, a população negra chega a 56%. Na região considerada nobre da cidade, no bairro de Moema, por exemplo, apenas 5,82% se autodeclaram negros.

A não descida do negro também está relacionada com a política de segurança pública higienista que enxerga a população preta periférica como inimiga e pratica o extermínio sem culpa alguma, como aconteceu na favela do Jacarezinho no Rio de Janeiro, na última semana. Para a jornalista, escritora e doutoranda em direitos humanos Maíra Brito, a polícia agir dessa forma com a população negra periférica é herança do período escravagista: “O historiador Luiz Antonio Simas explicou a razão da polícia assassinar civis, considerando que a função da instituição era defender propriedade de terras e seus donos – algo que acontece ainda no século 21. Ou seja, o problema das polícias não é ter dado errado, mas, sim, ter dado certo até hoje”, afirma.

O Brasil foi o último país do ocidente a abolir a escravidão. Antes do dia 13 de maio, inúmeros protagonistas negros assumiram a luta abolicionista e atuaram pelo fim da escravidão do país, como Luís Gama (1830-1822), que nasceu livre e foi vendido como escravo pelo próprio pai. Ele foi alfabetizado aos 17 anos, conseguiu a sua própria alforria judicialmente, tornou-se advogado e passou a atuar como defensor dos próprios escravos. Ao lado de Gama, nomes como José do Patrocínio, André Rebouças, Joaquim Nabuco, entre outros, reforçaram a luta abolicionista, muito antes da assinatura da Lei Áurea. Mas um epistemicídio apagou esses nomes da história do nosso país, tirando qualquer tipo de protagonismo negro diante do feito da abolição da escravatura.

A historiadora Flaviane Ribeiro Nascimento, integrante da Rede de Historiadorxs Negrxs, em seu artigo O trânsito para a liberdade e a precarização do trabalho livre no final do século XIX, publicado pelo site do Instituto Geledés da Mulher Negra, explica a precarização que levou ao processo de abolição, muito diferente da suposta compaixão que a história nos fez acreditar que a Princesa Isabel teve dos negros escravizados por três séculos: “A abolição vai acontecer apenas no final do século XIX, respaldada por legisladores, depois de um conjunto de normas jurídicas que pretendiam uma ‘transição’ para o trabalho livre mediante a indenização das elites escravistas, do controle e da disciplina dessas trabalhadoras e trabalhadores que passariam a ter liberdade para negociar a força de trabalho”. Flaviane cita também outra historiadora, Wlamyra Albuquerque, para explicar o porquê da demora da abolição da escravatura em nosso país: “A resistência à abolição da escravidão foi justificada pela dependência do trabalho cativo e pela racialização do comportamento em liberdade dessas mulheres e desses homens, que seria marcada por insubordinação, desordens e perversão moral”.

É importante lembrar que antes da assinatura da Lei Áurea, o país teve outras duas leis abolicionistas assinadas: a Lei do Sexagenário, assinada no dia 28 de setembro de 1885, que libertava escravos com mais de 60 anos e considerada, por muitos, a grande “gargalhada nacional” pelo fato de praticamente nenhum escravo conseguir chegar vivo aos 60 anos. E antes, em 1871, houve a Lei do Ventre Livre, determinando que filhos de mães escravizadas fossem libertos – como se recém nascidos tivessem autonomia para seguirem suas vidas longe de suas mães escravizadas.

Completando 10 anos em 2021, o Fundo Baobá tem como missão promover a equidade racial em nosso país, investindo em iniciativas de organizações, grupos e coletivos negros, alinhados aos seus  eixos programáticos prioritários, entre eles o Viver com Dignidade. Se a escravidão retirou a dignidade do povo negro e, mesmo após a abolição, ele se viu sem trabalho, sem casa, sem saúde, sem direitos, levando a senzala na alma, como diz a canção de Lazzo Matumbi, o Fundo Baobá existe para transformar realidades, promover resistência, resiliência e reiterar que a sociedade brasileira não será uma sociedade justa, enquanto não houver liberdade e equidade racial para a população negra.

Jovens vêem cursinhos populares como oportunidades para diminuir desigualdade entre ensino público e privado

Para diversos alunos provenientes de escolas públicas, o cursinho popular é a possibilidade de aumentar as chances de cursar uma graduação

Por Tâmara Regina, do Perifaconnection, em colaboração com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Quando se fala em cursos pré-vestibulares não é difícil ouvir relatos como: “aprendi mais em um ano, do que em 11” ou “foi a partir dele que eu me senti preparado para prestar o vestibular”. Os conhecimentos cobrados em provas de universidades deveriam ser adquiridos ano após ano, durante toda a vida escolar do aluno. Porém, muitas vezes, a expectativa está longe da realidade, principalmente por parte dos alunos que são provenientes do ensino público.

Em 2017, após a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), apenas 650 escolas ficaram na categoria “melhor nota, com a média de 712,91,”. O que representa, 10% do total das escolas. Deste total de “melhor nota”, 82% são privadas e 18% são públicas. Sendo que as escolas públicas desse grupo são formadas por escolas federais ou estaduais de ensino técnico. Esses dados são de um levantamento da Folha de S. Paulo baseado em dados do Ministério da Educação e Cultura (MEC).

Este é o caso de Taynara Santos, 21, e de Ketlen Carvalho, 24, que buscam melhorar o conhecimento adquirido na escola para chegar bem preparadas para o vestibular. “Minha expectativa é conseguir uma nota boa no Enem para ganhar uma bolsa de estudos e aprender também”, afirma Ketlen, que estudou a vida toda em escola pública e que já teve a oportunidade de iniciar a faculdade através de uma bolsa de estudos.

Ketlen Leandra Carvalho, 24 anos

A jovem cursou Administração, mas teve que trancar por conta do valor da rematrícula. Ela relata ter abandonado um curso pré-vestibular para começar o curso de administração: “Eu fiz dois meses de curso pré-vestibular e quando eu peguei o material de estudos percebi que tinha muito conteúdo que eu nunca tinha visto”, explica.

Já a Taynara, destaca que um dos diferenciais de fazer curso pré-vestibular é estar com o conteúdo fresco na cabeça: “Quando estava no segundo ano, eu fiz o Enem pela primeira vez, como a minha mente estava fresca, eu fui bem. Se comparar aos outros anos que eu fiz, depois de terminar o ensino médio, fui bem melhor lá atrás”, conta a jovem.

Taynara Silva Santos, 21 anos

Para os adolescentes Rayane Santos, Eduardo de Souza e Nicholas Gonçalves, ambos de 17 anos, que atualmente estão no terceiro ano do ensino médio, o cursinho irá compensar o déficit do ano letivo de 2020/2021, agravado pelas dificuldades do ensino à distância. Em comum, vêem na possibilidade de fazer um curso pré-vestibular a oportunidade de suprir o que faltou no fundamental e no médio.

Correndo atrás do prejuízo

O terceiro ano será um desafio para esses jovens, que a princípio terão aulas híbridas – metade on-line e metade presencial.  Para Rayane, estudar em casa foi muito difícil porque a escola não chegou a ter aula remota. “Foi só conteúdo e apostila. [Em casa] era o pessoal falando alto e eu tentando me concentrar. Foi uma bagunça, muito difícil mesmo”, afirma a adolescente, que considera que de tudo que só conseguiu absorver 50% do conteúdo aprendido no ano passado.

Rayane Jesus Santos, 17 anos

Já o Eduardo relata que não conseguia reter todos os conteúdos das aulas. “Não conseguia aprender com as aulas on-line, mas quando era para fazer as atividades, eu estudava e conseguia entender as matérias”, explica. No entanto, ele pondera: “Foi melhor do que eu esperava”.

Eduardo Silva de Souza, 17 anos

Com Nicholas não foi diferente. Ele conta que, mesmo tendo estudado em colégio particular até a sexta série, a escola pública não foi ruim. Ainda assim, não é possível falar de bom aproveitamento. “Eu não estava esperando, mas o meu rendimento caiu no ensino médio. No primeiro ano não fui bem, no segundo foi difícil por conta da Covid-19 e agora temos o terceiro que está por vir”, explica o adolescente que acredita que de todo o conteúdo que deve levar para realizar uma prova de vestibular aprendeu cerca de  60%. Os motivos são distintos, mas todos os cinco jovens vão tentar compensar em um ano tudo que deveriam ter aprendido em mais de três.

Nicholas Welington Crisologo Gonçalves, 17 anos

Fundo Baobá na imprensa em Março

No mês de março tivemos a aula inaugural do Programa Já É: Educação e Equidade Racial, edital do Fundo Baobá para Equidade Racial, em parceria com o Citi Brasil, Demarest Advogados e Amadi Technology. E o evento foi destaque na Folha de São Paulo e nos principais portais de mídia negra como Portal Geledés, Portal Gongogi, Jornal Empoderado e Mundo Negro.

Também no mês de março em virtude do Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 8 de março, a diretora-executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira, foi homenageada na campanha “Toda Mulher é Uma Potência” da Fundação Lemann, com o objetivo de destacar a atuação das mulheres durante a pandemia do novo coronavírus. Com um poema escrito pela escritora e poetisa Ryane Leão, além de Selma Moreira, foram homenageadas, Kátia Helena Schweickardt (secretária municipal de Educação em Manaus), Sabine Righetti (diretora da Agência Bori), Patrícia Santos (professora-autora do projeto Skills for Prosperity), Isabel Opice (diretora e cofundadora da Impulso), Fernanda Roder (enfermeira e pesquisadora do Projeto Xingu) Priscila Cruz (presidente-executiva do Todos pela Educação) e a cientista carioca Sue Ann Costa Clemens.

No momento que a imagem de Selma Moreira aparece no vídeo, a poetisa Ryane Leão diz: “Mulheres que com seus projetos transformam vidas, mulheres que enxergam o que é dito invisível, mulheres que elevam comunidades inteiras, mulheres que habitam a resiliência”

A homenagem foi destaque no portal Catraca Livre, no Vida e Ação e no site da Fundação Lemann. O vídeo completo você pode assistir aqui.

Selma Moreira e a diretora de programa do Fundo Baobá, Fernanda Lopes, também foram homenageadas pela Imaginable Futures, organização filantrópica global, que tem como missão estimular o potencial humano através da aprendizagem. A entidade foi uma das apoiadoras do Edital Para Primeira Infância no Contexto da Covid-19.

Na ocasião do Dia Internacional da Mulher, a organização fez essa postagem, com a imagem de todas homenageadas, entre elas, Selma e Fernanda:

“Hoje, no #InternationalWomensDay, celebramos as líderes femininas visionárias que estão reformulando a educação e criando oportunidades equitativas para alunos e suas famílias. Junte-se a nós para destacar nossos parceiros incríveis ao longo do dia. # IWD2021”

A postagem original (em inglês), pode ser vista aqui.  

A participação de Selma Moreira no evento Expert XP, organizado pela XP Investimentos, sobre empreendedorismo e sustentabilidade, nos dias 2 a 5 de março, e que foi noticiado em nosso site, foi destaque de uma série de matérias. O próprio site do evento destacou a participação de Selma em duas matérias que podem ser lidas aqui e aqui. Já o portal EPBR fez questão de frisar a frase dita pela diretora-executiva “Diversidade de gênero e étnica podem ampliar lucros em até 35%”. Em outra matéria, o site dá ênfase às mulheres que participaram do evento e, mais uma vez, Selma é mencionada.

Selma Moreira também participou de uma reportagem especial do jornal Estado de São Paulo, sobre diversidade e mercado de trabalho, na ocasião, a diretora-executiva do Fundo Baobá falou da importância do gestor investir na diversidade racial no mercado de trabalho: “Para chegar às novas comunidades é necessário extrapolar as estratégias utilizadas anteriormente. Fazer as mesmas coisas leva aos mesmos resultados”. 

Outros dois membros da diretoria do Fundo Baobá para Equidade Racial foram citados na imprensa em março. O presidente do conselho deliberativo da organização, Giovanni Harvey, teve a sua participação no 11º Congresso GIFE – Fronteiras da Ação Coletiva citada no site do Instituto Unibanco, enquanto a diretora de programa, Fernanda Lopes, foi citada no site da Abrasco pelo o artigo de sua autoria “De Volta aos Primórdios: em defesa do SUS como uma política antirracista”, que foi publicado no boletim de Análise Político-Institucional do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). No texto, Fernanda traz um histórico do Sistema Único de Saúde no país, e mostra o quanto ainda são necessários avanços na incorporação da pautaracial para que os princípios e diretrizes que sustentam o SUS sejam plenos, inclusive, citando indicadores atuais: “Dados mostram que 55% dos pacientes negros, hospitalizados com Covid-19 em estado grave, morreram em comparação com 34% dos pacientes brancos. Este cenário reforça a tese de que o racismo institucional é manifesto na inação consciente das instituições públicas governamentais ante as necessidades da população negra”.

Apoiadas do Fundo Baobá 

A jornalista e apoiada do Programa de Aceleração e Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco, Midiã Noelle, participou de uma live organizada pelo Observatório do Terceiro Setor, no dia 4 de março, ao lado da repórter Isabela Alves, com o tema: “O que o BBB mostra sobre o ódio da sociedade brasileira”. A live na íntegra pode ser vista aqui.

O site da Prefeitura de Curitiba divulgou o evento “Afroempreender & Crescer”, que aconteceu no dia 4 de março e tinha a premissa de conectar e integrar os afroempreendedores da cidade usando a tecnologia. O evento virtual foi organizado pela iniciativa ConectAfro, que é formada pelas empreendedoras, Carolina Lopes, Olenka Borba e Roberta Kisy, todas selecionadas no edital Recuperação Econômica de Pequenos Negócios de Empreendedores (as) Negros (as), uma iniciativa do  Fundo Baobá, cujas atividades foram recentemente iniciadas  e que conta  com o apoio da Coca-Cola Foundation, Instituto Coca-Cola Brasil, Banco BV e Instituto Votorantim.

A ativista e apoiada do Programa Marielle Franco, Jéssica Vanessa, foi entrevistada pelo portal Alma Preta, na matéria que denuncia o fato de Recife ainda não contar com uma Comissão de Igualdade Racial na Câmara dos Vereadores do município. Na matéria, Jéssica acredita que a criação da comissão vai funcionar como importante ferramenta de diálogo. “A política de inclusão racial está acima de qualquer bandeira partidária e ideológica e é uma das mais importantes para que se possa haver formulação de leis para o enfrentamento efetivo ao racismo e às discriminações contra as populações negra”. A matéria completa você pode conferir aqui

No mês de março, o Instituto Geledés da Mulher Negra, trouxe de volta ao seu portal a coluna “Coletiva Negras que Movem”, com artigos escritos pelas integrantes do Programa de Aceleração e Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco. A reinauguração aconteceu no dia 6, com o texto Desafios das mulheres negras no mercado de trabalho, de autoria de Clara Marinho, servidora da carreira de planejamento e orçamento federal. No dia 13, foi a vez da advogada Mayara Silva de Souza escrever o artigo As últimas depois de ninguém: meninas em privação de liberdade. No dia 20, a coreógrafa e oloya Leandra Silva assinou o texto Que Oxum nos dê olhos de ver Vênus. É ano novo no céu. E no dia 27, a marketeira digital e fundadora do LAB the Creator, Vitorí da Silva, escreveu o artigo Internet como ferramenta revolucionária.

04/03/2021 – Expert XP – Sustentabilidade integrada à governanç estratégia e transparência são as chaves do sucesso, dizem empresários:
https://conteudos.xpi.com.br/expert-esg/sustentabilidade-integrada-a-governanca-estrategia-e-transparencia/   

04/03/2021 – Expert XP – Governança fecha ‘ciclo sustentável’ no terceiro dia da Expert ESG:
https://conteudos.xpi.com.br/expert-esg/governanca-fecha-ciclo-sustentavel-no-terceiro-dia-da-expert-esg/ 

05/03/2021 – Catraca Livre – Conheça histórias femininas inspiradoras na campanha ‘Toda Mulher é Uma Potência’:
https://catracalivre.com.br/cidadania/historias-femininas-inspiradoras-campanha-toda-mulher-e-uma-potencia/  

05/03/2021 – EPBR – Diversidade de gênero e étnica podem ampliar lucros em até 35%:
https://epbr.com.br/diversidade-de-genero-e-etnica-podem-ampliar-lucros-em-ate-35/ 

08/03/2021 – Vida e Ação – Agenda Positiva Mês da Mulher:
https://www.vidaeacao.com.br/agenda-positiva-mes-da-mulher/ 

08/03/2021 – Fundação Lemann – Fundação Lemann homenageia mulheres selecionadas em campanha:
https://fundacaolemann.org.br/releases/fundacao-lemann-homenageia-mulheres-selecionadas-em-campanha 

09/03/2021 – EPBR – Oito entrevistas que mostram que as mulheres podem (e devem) ser fontes o ano inteiro:
https://epbr.com.br/8-entrevistas-que-mostram-que-mulheres-podem-e-devem-ser-fontes-o-ano-inteiro/ 

09/03/2021 – Abrasco – Fernanda Lopes é uma das autoras de edição temática do Boletim do IPEA:
https://www.abrasco.org.br/site/gtracismoesaude/2021/03/09/fernanda-lopes-e-uma-das-autoras-de-edicao-tematica-do-boletim-do-ipea/ 

16/03/2021 – Instituto Unibanco – Ricardo Henrique participa de evento de encerramento do 11º Congresso GIFE:
https://www.institutounibanco.org.br/conteudo/ricardo-henriques-participa-de-evento-de-encerramento-do-11o-congresso-gife/ 

18/03/2021 – Folha de São Paulo – Fundo Baobá realiza aula inaugural do Programa Já É – Educação e Equidade Racial:
https://www1.folha.uol.com.br/empreendedorsocial/2021/03/fundo-baoba-realiza-aula-inaugural-do-programa-ja-e-educacao-e-equidade-racial.shtml 

18/03/2021 – Portal Geledés – Fundo Baobá realiza aula inaugural do Programa Já É – Educação e Equidade Racial:
https://www.geledes.org.br/fundo-baoba-realiza-aula-inaugural-do-programa-ja-e-educacao-e-equidade-racial/  

18/03/2021 – Portal Gongogi – Fundo Baobá realiza aula inaugural do Programa Já É – Educação e Equidade Racial:
https://portalgongogi.com/fundo-baoba-realiza-aula-inaugural-do-programa-ja-e-educacao-e-equidade-racial/portalgongogi/ 

18/03/2021 – Ponto E – Fundo Baobá realiza aula inaugural do Programa Já É – Educação e Equidade Racial:
https://pontoe.org/blogs/geledes/fundo-baoba-realiza-aula-inaugural-do-programa-ja-e-educacao-e-equidade-racial/

18/03/2021 – Jornal Empoderado – Em meio à pandemia, programa de apoio a estudantes negros começa em formato virtual:
https://jornalempoderado.com.br/em-meio-a-pandemia-programa-de-apoio-a-estudantes-negros-comeca-em-formato-virtual/   

19/03/2021 – Site Mundo Negro – “Já É – Educação e Equidade Racial”, programa de apoio a estudantes negros começa em formato virtual:
https://mundonegro.inf.br/ja-e-educacao-e-equidade-racial-programa-de-apoio-a-estudantes-negros-comeca-em-formato-virtual/ 

24/03/2021 – Estado de São Paulo – Carreira: Gestor de diversidade e inclusão começa a aparecer no alto escalão:
https://www.estadao.com.br/infograficos/economia,carreira-gestor-de-diversidade-e-inclusao-comeca-a-aparecer-no-alto-escalao-das-empresas,1158548 

Matéria de Apoiados dos Fundo Baobá:

01/03/2021 – Observatório do Terceiro Setor – Observatório do Terceiro Setor promove lives sobre direitos humanos – Apoiada Midiã Noelle:
https://observatorio3setor.org.br/noticias/observatorio-do-terceiro-setor-promove-lives-sobre-direitos-humanos/ 

12/03/2021 – Prefeitura de Curitiba – ConectAfro usa a tecnologia para integrar afroempreendedores de Curitiba – Apoiados ConectAfro:
https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/conectafro-usa-a-tecnologia-para-integrar-afroempreendedores-de-curitiba/58249 

16/03/2021 – Alma Preta – Recife ainda não conta com Comissão de Igualdade Racial na Câmara dos Vereadores – Apoiada Jéssica Vanessa:
https://almapreta.com/sessao/cotidiano/com-populacao-de-maioria-negra-recife-ainda-nao-conta-com-comissao-de-igualdade-racial-na-camara-dos-vereadores

Coluna Coletiva Negras que Movem – Portal Geledés

06/03/2021 – Desafios das mulheres negras no mercado de trabalho – Por Clara Marinho Pereira:
https://www.geledes.org.br/desafios-das-mulheres-negras-no-mercado-de-trabalho/ 

13/03/2021 – As últimas depois de ninguém: meninas em privação de liberdade – Por Mayara Silva de Souza:
https://www.geledes.org.br/as-ultimas-depois-de-ninguem-meninas-em-privacao-de-liberdade/ 

20/03/2021 – Que Oxum nos dê olhos de ver Vênus. É ano novo no céu – Por Leandra Silva:
https://www.geledes.org.br/que-oxum-nos-de-olhos-de-ver-venus-e-ano-novo-no-ceu/ 

27/03/2021 – Internet como ferramenta revolucionária – Por Vitorí da Silva:
https://www.geledes.org.br/internet-como-ferramenta-revolucionaria/

Estudantes que possuem apenas celular encontram dificuldades para estudar na pandemia

Sem acesso à computadores ou tablets, estudantes focam estudos nas pequenas telas do celular

Por Pedro Ribeiro, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá pela Igualdade Racial

Com a pandemia, estudantes do estado de São Paulo se viram obrigados a aprender a estudar em casa. Sem as telas de computadores, notebooks ou tablets, esse aprendizado pode ser desconfortável.

No Brasil, apenas 39% dos domicílios possuem computador, como aponta a pesquisa TIC Domicílios de 2019. Ainda segundo o levantamento, 99% da população possui aparelho celular e 58% acessa a internet somente por ele (85% das pessoas de classe D e E).

A pesquisa mostra ainda que as pessoas da classe D e E que têm somente o aparelho móvel para se conectar têm cor. Indígenas, pretos e pardos lideram o recorte de raça quando o assunto é uso apenas do celular.

Dos que possuem computador (de mesa, notebook ou tablete), a classe social também revela uma discrepância na inclusão digital brasileira. Nas classes D e E, somente 14% dos domicílios possuem computador; na classe C, 44%; enquanto na classe B esse índice é de 85% e, na A, 95%.

Trabalho e maternidade

Laiza Catarine Ferreira Diniz tem 25 anos, é mãe e mora com os pais no bairro do Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. Ela está em dúvida sobre cursar administração ou recursos humanos, mas gostaria de trabalhar como recrutadora de diversidade.

Para conquistar esse sonho, Laiza estuda em casa, usando apenas o celular. Ela diz que conversa com conhecidos para tirar dúvidas e usa um aplicativo que a ajuda nos estudos. A irmã dela possui um notebook, mas por estar trabalhando com ele em casa, Laiza não consegue usá-lo para estudar. Além disso, ela diz que consegue se concentrar nos estudos sem muitos problemas, mas muitas vezes o obstáculo é a falta de tempo que o trabalho, cuidados com a filha e a casa demandam.

Laiza Catarine Ferreira Diniz, 25 anos

A jovem chegou a iniciar a graduação no curso de hotelaria, mas trancou por questões financeiras e não conseguiu retomar os estudos. Hoje, ela entende que essa não era a melhor carreira para ela e por isso optou por uma área que a interessa mais.

“Às vezes a gente escolhe uma coisa, mas a vida vai levando a gente para outro lugar. Eu também era muito nova quando comecei nessa parte de hotelaria e de turismo. Aí eu acabei entrando nisso e me deixei levar”, explica a jovem que acumulou dívidas com o financiamento do antigo curso.

Por esses motivos, ela buscou a bolsa do Programa Já É, oferecida pelo Fundo Baobá. O objetivo dela é ser aprovada em uma universidade pública para não precisar se preocupar com as mensalidades. “Eu ainda tenho valores do Fies da outra faculdade para pagar, não tenho como arcar com uma nova”.

Muitos cursos, pouco tempo

Leandro Gomes de Oliveira, de 18 anos, sonha em se tornar cantor profissional e pretende se estabilizar na carreira de recursos humanos para bancar os estudos na música. Leandro mora com sua mãe adotiva no Jardim Guarani, na Zona Leste de São Paulo, e vai ser o primeiro entre os seus amigos a ingressar no ensino superior.

A lista de cursos que ele pretende fazer é bem longa. Leandro quer cursar primeiro Rh, depois administração ou produção musical e por fim psicologia. “Eu vou fazer Rh primeiro porque é a faculdade base para a gente entrar no mercado de trabalho. Em seguida, eu quero fazer música, mas eu acho que vou fazer administração primeiro. Se tiver como fazer as duas ao mesmo tempo, farei”, explica o jovem.

Leandro é ajudante de envidraçamento e passa boa parte do dia instalando placas de vidro em sacadas. Além do pouco tempo para os estudos, o jovem conta que concluiu o ensino médio em 2020, durante a pandemia. Estudante do período noturno, ele diz que teve pouquíssimo conteúdo e não precisou estudar para provas, o que prejudicou seu ingresso imediato no ensino superior.

Leandro Gomes de Oliveira, 18 anos

Juntos a esses problemas está a falta de estrutura para um aprendizado mais eficiente. O notebook que ele possui em casa está com defeito e ele tem somente o celular para estudar no pouco tempo que lhe sobra.

Celular virou rotina

Maria Eduarda da Silva Souza, de 20 anos, mora com os pais e a irmã no bairro do Jaraguá, na Zona Norte da cidade de São Paulo. Ela quer cursar relações públicas para ajudar ainda mais um coletivo pan-africanista do qual faz parte.

A ligação da jovem com o movimento é forte até mesmo na hora dos estudos. Maria Eduarda explica que o coletivo pan-africanista possui redes sociais e promove grupos de estudos frequentemente, por isso ela sempre está estudando matérias de ciências humanas como história e geografia. Tudo pelo celular.

“Meu notebook infelizmente queimou na pandemia. Eu estava utilizando o computador da empresa enquanto estava em home office, mas por enquanto é só o celular mesmo”, conta Maria.

Maria Eduarda da Silva Souza, 20 anos

Entretanto, o uso contínuo do celular fez com que ela se habituasse cada vez mais ao aparelho. “Tudo o que eu faço é pelo celular. Trabalho, coletivo, comunicação com as pessoas… Então eu sou bem tranquila em relação a isso. Só que eu pretendo arrumar o meu notebook, pois para estudo eu acho bem melhor”.

Por causa disso, a jovem tem grandes expectativas para a bolsa do Programa Já É, pois, além das aulas híbridas, ela terá mais acompanhamentos em matérias de ciências exatas, nas quais diz ter dificuldades.

Google e Fundo Baobá vão apoiar com R$ 1 milhão ONGs com foco em equidade racial e justiça

Edital de iniciativa voltada a enfrentamento ao racismo, à violência e às injustiças criminais contra população negra no Brasil abre inscrições no dia 5 de maio

O Fundo Baobá para Equidade Racial, com apoio do Google.org, braço filantrópico do Google, lança no dia 5 de maio um edital para apoiar entidades negras que atuam no enfrentamento do racismo, da violência racial e incorreções que ocorrem dentro do sistema de Justiça Criminal no Brasil. 

Por meio do edital Vidas Negras: Dignidade e Justiça, a iniciativa vai selecionar 10 entidades brasileiras e apoiá-las com R$ 100 mil para cada e, assim, garantir a execução de projetos que viabilizem ações de enfrentamento a esses problemas. 

Além do aporte financeiro, cada uma das 10 entidades receberá suporte técnico para o fortalecimento institucional e todas participarão de jornadas formativas. As lideranças das entidades selecionadas receberão, de forma virtual, capacitação e ferramentas de planejamento, gestão, monitoramento e avaliação de projetos, captação de recursos, entre outros temas importantes para o fortalecimento institucional.   

As organizações interessadas devem apresentar suas propostas para um dos temas a seguir: a) Enfrentamento à violência racial sistêmica; b) Proteção comunitária e promoção da equidade racial; c) Enfrentamento ao encarceramento em massa entre adultos e jovens negros e redução da idade penal para adolescentes; d) Reparação para vítimas e sobreviventes de injustiças criminais com viés racial. 

As inscrições poderão ser feitas a partir de 05 de maio até 06 de junho, às 23h59 (horário de Brasília) no site do Fundo Baobá para Equidade Racial.

 

Enfrentamento ao racismo

“No ano em que o Fundo Baobá celebra 10 anos de existência, o lançamento do  edital Vidas Negras: Dignidade e Justiça é estratégico. Apenas as ações de políticas públicas não têm sido suficientes para conter a crescente escalada de violências e outras violações de direitos que assolam a população negra brasileira”, diz Selma Moreira, diretora executiva do Fundo Baobá. 

A iniciativa financiada por Google.org e liderada pelo Fundo Baobá é resultado de um esforço coletivo para o enfrentamento ao racismo e promoção da equidade racial.  O edital Vidas Negras: Dignidade e Justiça será mais uma oportunidade para organizações negras fortalecerem estratégias de ativismo e resistência  frente às injustiças raciais recorrentes, envolvendo e engajando comunidades, vítimas, sobreviventes e aliados. 

“Injustiças raciais provocam marcas e traumas que estarão sempre presentes na vida das vítimas, de seus familiares, de suas comunidades. Isso jamais poderá ser completamente reparado. Mas, em muitos casos, poderá ser evitado”, completa a diretora executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira.

Em 2020, o CEO do Google e da Alphabet, Sundar Pichai, reafirmou a importância de se reconhecer o racismo como um problema global e reforçou o compromisso de colaborar com o trabalho de organizações atuantes no combate ao racismo e à desigualdade em países como o Brasil. O Google.org anunciou então a destinação de US$ 500 mil (cerca de R$ 2,5 milhões) em doações para organizações sem fins lucrativos que trabalham para promover a justiça racial no país. 

O Fundo Baobá foi uma das entidades contempladas pelo Google.org no Brasil por meio de recurso que seria utilizado para a seleção e apoio continuado a organizações de todos os estados brasileiros com foco no enfrentamento ao racismo em suas regiões de atuação. 

“Temos um compromisso global por equidade racial e inclusão que no Google se traduz em ações internas e externas, seja adotando medidas para aumentar a representatividade negra em cargos de liderança em nossa empresa, seja apoiando o trabalho de organizações que lutam contra o racismo e a desigualdade”, diz Flavia Garcia, head de Diversidade, Igualdade e Inclusão no Google para América Latina e Canadá. “Com esse apoio, queremos promover mudanças que sejam significativas e duradouras pela equidade racial no Brasil, ampliando o alcance do legado de transformação social das organizações negras a serem financiadas por meio do Fundo Baobá”.

Além do Fundo Baobá, o Google.org destinou US$ 100 mil para o Núcleo de Pesquisa em Justiça Racial e Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV), liderado pelos professores Thiago Amparo e Marta Machado, com o objetivo de melhorar a coleta de informações sobre o estado da justiça racial no Brasil, a partir da análise de estudos de caso, dados e visualização das dimensões raciais da violência policial no Brasil.

 

Sobre o Fundo Baobá

O Fundo Baobá para Equidade Racial é o primeiro e único fundo dedicado exclusivamente à promoção da equidade racial para a população negra no Brasil. Criado em 2011, o Fundo Baobá é uma organização sem fins lucrativos que tem por objetivo mobilizar pessoas e recursos, no Brasil e no exterior, para o apoio a projetos e ações pró-equidade racial para a população negra. O Fundo Baobá prioriza apoio a iniciativas negras alinhadas a quatro eixos programáticos: viver com dignidade; educação; desenvolvimento econômico; comunicação e memória. A missão do Baobá é o desenvolvimento de uma agenda filantrópica para a promoção da equidade racial para a população negra calcada em valores como ética, efetividade na gestão e transparência. O Baobá faz parte da Rede de Filantropia para Justiça Social.  

 

Sobre o Google.org

O braço filantrópico do Google apoia organizações sem fins lucrativos voltadas a questões humanitárias e aplicam inovação escalável e orientada por dados para solucionar os maiores desafios do mundo. Aceleramos seus progressos conectando-as a uma combinação única de apoio que inclui financiamento, produtos e conhecimentos técnicos de voluntários do Google. Buscamos nos envolver com as pessoas que fazem acontecer, causando impacto positivo para as comunidades que representam, e cujo trabalho tem potencial de produzir mudanças significativas. Queremos um mundo que funcione para todos – e acreditamos que tecnologia e inovação são peças fundamentais para este objetivo.

Leia aqui a matéria com o doutor em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB) Felipe Freitas, um dos idealizadores do edital Vidas Negras: Dignidade e Justiça.

Número de brasileiros que moram sozinhos cresce no país

Muitos deles são jovens que precisam conciliar os cuidados com a casa e os estudos

Por Mônica Moreira do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Em 2019, cerca de 11,7 milhões de pessoas viviam sozinhas no país, o que corresponde a 16,2% dos lares brasileiros, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua) mostram o maior número de domicílios com apenas um morador desde 2016.

Ingressante do curso pré-vestibular Já É, do Fundo Baobá, Antônio Gustavo Ribeiro da Silva, de 19 anos, mora sozinho desde que saiu da cidade natal, Mombaça, no interior do Ceará, para morar na capital de São Paulo. “Fui criado pelos meus avós, depois que perdi eles, me mudei para São Paulo e comecei a morar com a minha mãe. Não deu muito certo, então passei a morar sozinho”, comenta.

Natalini conta que a experiência de morar só foi fundamental para que ela se conhecesse, tivesse mais segurança e adquirisse mais maturidade. “Você percebe que não precisa de mais ninguém, só você. Já passei por muitas coisas, então agora ficar sozinha é melhor. […] Fui me conhecendo, sabendo até onde posso ir, as inseguranças e me sentir mais forte. Tudo isso se aprende morando sozinho”, conta.

Responsabilidades da casa e estudos

A rotina de quem vive sozinho exige disciplina e organização, mas se torna um desafio ainda maior ao conciliar as responsabilidades de casa e os estudos pré-vestibular do programa Já É.

Para isso, Natalini Santos de Jesus, de 23 anos, conta com ajuda da irmã mais nova, Janaína, de 14 anos. “Minha irmã me ajuda bastante quando preciso trabalhar ou sair para resolver alguma coisa, ela é a minha principal rede de apoio. […] Ela também vai me auxiliar quando começar os estudos do curso do Fundo Baobá”, relata.

Já Antônio, que tem se preparado desde muito cedo para os vestibulares, desenvolveu uma rotina para que conseguisse ter um tempo dedicado aos estudos e também aos cuidados da casa.

“Normalmente acordo, faço algumas coisas da casa e começo a estudar. Paro no horário do almoço para conseguir fazer minha comida, descanso e depois volto para os estudos. O período da tarde é o momento que mais estudo, costumo parar só no início da noite. Depois disso volto a fazer o serviço de casa, lavo roupa ou coloco comida para o cachorro. Apesar disso, eu considero uma rotina bem tranquila e gosto bastante”, conclui.

Driblando a solidão

Como uma forma de não se sentir tão sozinho, Antônio Gustavo adotou um animal de estimação para lhe fazer companhia no dia a dia. “Eu tenho o Luís Eduardo, o apelido dele é Dudu, meu cachorro de estimação que me faz companhia nas horas que me sinto sozinho, é ele quem traz alegria para casa. Sinto que minha família é eu e ele”, diz.

Natalini Santos, também considera a solidão com um aspecto negativo de estar sozinha, mas não se vê morando com outra pessoa no futuro, além dos dois filhos, Arthur, de 7 anos, e Ezequiel, de 11 meses. “Quando eu morava com meus pais achava que seria muito bom não dar satisfação para ninguém, mas agora é muito ruim. Porém, já me acostumei e só quero ficar morando com os meus filhos mesmo”, brinca.

Dia da Trabalhadora Doméstica, celebrar a classe e reinvidicar melhorias

No dia 27 de abril é celebrado o Dia da trabalhadora Doméstica. No Brasil, um grande símbolo histórico da classe é Laudelina de Campos Melo. Nascida no dia 12 de outubro de 1904, na cidade mineira de Poços de Caldas, começou a trabalhar aos sete anos de idade como empregada doméstica. Ao longo de sua trajetória ela combateu a discriminação da sociedade em relação às empregadas domésticas, sempre exigindo melhor remuneração e igualdade de direitos sociais. Com 20 anos de idade, Laudelina chegou na cidade de Santos (SP), entrando para a Frente Negra Brasileira e criando, no ano de 1936, a Associação das Empregadas Domésticas do Brasil, que foi fechada pelo Estado Novo em 1942. Em 1961, ela fundou a Associação das Empregadas Domésticas, na cidade de Campinas (SP), a sua nova morada. A sua luta inspira a criação de associações em apoio às trabalhadoras domésticas no Rio de Janeiro e em São Paulo. A atuação de Laudelina foi fundamental na década de 1970 para a categoria conquistar o direito à carteira de trabalho e à previdência social. Em 1982, ela auxiliou a reestruturação da associação de Campinas, possibilitando a transformação da associação em sindicato, no dia 20 de novembro de 1988, dia da Consciência Negra. Laudelina de Campos Melo faleceu no dia 12 de maio de 1991, aos 86 anos, deixando sua casa para o Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de Campinas.

Laudelina de Campos Melo

A data de hoje é um sinal de resistência e luta para todos trabalhadores domésticos no país, considerando as situações nos quais muitos se encontram. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), no Brasil tem 6.158 milhões de trabalhadores domésticos, dos quais 92% são mulheres e 3,9 milhões são negras. No ano de 2015 foi sancionada a lei complementar que regula a PEC das domésticas, que apresentaria benefícios para a categoria, como o recolhimento obrigatório do FGTS por parte do empregador, seguro-desemprego, seguro contra acidentes de trabalho e indenização em caso de dispensa sem justa causa. Além de salário mínimo, jornada de trabalho, horário de almoço, férias e carteira assinada.

Porém, após seis anos da medida ser sancionada, os dados do IBGE mostram pouquíssimos avanços em termos de efetivação de direitos para a categoria. Neste período, apenas 32% das trabalhadoras domésticas possuem carteira de trabalho assinada. No Brasil ainda lidamos com a realidade do trabalho doméstico infantil. Em 2015, foram contabilizadas 156 mil crianças nessas condições, e trazendo esses números para o recorte de gênero e raça, a questão torna-se ainda mais desigual, considerando que 88,7% das trabalhadoras domésticas eram meninas e 71% eram negras.

No contexto da pandemia da covid-19, a categoria das empregadas domésticas foi uma das que não teve direito a um isolamento remunerado, não por acaso o primeiro caso de morte por covid-19 confirmado pelo Ministério da Saúde foi de uma diarista. No início da pandemia, a Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (FENATRAD) promoveu a campanha “Cuida de Quem te Cuida”. A ação consistia em estimular os empregadores a deixarem as domésticas nas casas das famílias delas, com salários. E em casos onde não seria possível, como quando os empregadores trabalham no setor de saúde, por exemplo, a federação estimulou o transporte via aplicativos custeado pelo empregador. No dia 10 de abril, uma reportagem do jornal Correio 24 Horas, revelou que o  Sindicato de Empregadas Domésticas da Bahia recebeu pedido de socorro de 28 trabalhadoras que seguem por um ano em isolamento obrigatório, na casa dos patrões, vistas como ameaça de contaminação. Desses pedidos, 92% são de mulheres negras, moradoras de periferias e chefes de família. Diante desse fato, a presidente da FENATRAD, Luiza Batista, emitiu uma nota em nome da federação, protestando contra a ilegalidade do confinamento obrigatório de trabalhadoras domésticas, afirmando: “Se a trabalhadora não fez um contrato, onde essa assinou aceitando pernoitar no local de trabalho, ela não é obrigada a ficar. O empregador não pode determinar tal conduta”.

Em 2020, o Brasil ficou abalado com a trajetória de Mirtes Souza, a empregada doméstica de Pernambuco, que saiu para levar os cachorros dos patrões para passear e deixou o filho, Miguel, no apartamento sob os cuidados da  patroa e primeira-dama da cidade de Tamandaré (PE), Sari Corte Real. A criança foi direcionada por Sari até o elevador para que, sozinho, fosse ao encontro da mãe. A patroa, que mora no 5o andar, acionou a tecla do elevador que dá acesso à cobertura. Miguel parou no 9º andar, escalou um vão e alcançou uma unidade condensadora de ar, se desequilibrou e caiu do prédio, morrendo instantaneamente, aos olhos da mãe. A chocante história de Mirtes Souza foi contada pelas jornalistas Brenda Gomes e Thaís Vieira na matéria “Mirtes Souza e Danúbia Silva: Mães entre a saudade e a revolta”, que compõe o eBook “Narrativas Afirmativas em Tempos de Pandemia”, organizado pela Revista Afirmativa, em parceria com o Lab Afirmativa de Jornalismo, que narra as histórias e as dificuldades de outras trabalhadoras domésticas negras, e de trabalhadores de outras categorias, durante o período pandêmico.

Hoje, a FENATRAD reivindica prioridade para as trabalhadoras domésticas no Plano Nacional de Vacinação. O PL 1011/2020, tramita na Câmara dos Deputados e incluiu a categoria ao lado de outras 16 profissões consideradas essenciais e que podem ser consideradas no grupo prioritário, como caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário e metroviário, profissionais de limpeza pública, entre outros. 

Que possamos sempre lembrar dos dois pilares que sustaram a luta de Laudelina de Campos Melo: Um projeto voltado para a alfabetização das trabalhadoras domésticas, pois ela considerava que seria o primeiro passo para conscientização e entendimento da legislação trabalhista e consequentemente reivindicação dos direitos da classe; e a realização de atividades que tinham como objetivo estimular a solidariedade entre as trabalhadoras. Que essa data seja de luta, memória, resistência e solidariedade para todas as trabalhadoras domésticas do nosso país.

Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: conquistas coletivas e pessoais marcam o cotidiano de apoiadas no Norte do Brasil

A criação e implantação do Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco tem feito emergir importantes lideranças femininas por todo o país. Na região norte do Brasil o fortalecimento dessas lideranças tem sido fundamental  na batalha pela conquista e proteção dos direitos das mulheres. A integração entre elas no campo das práticas e das ideias, na disseminação de informações nos territórios urbanos e no campo têm sido fundamentais para a difusão do conhecimento. 

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estado do Pará tem 7,8 milhões de habitantes. A população negra, que identifica os autodeclarados pardos e pretos, equivale a 76,5% do total, o correspondente a 5,9 milhões de pessoas.

Olhando pelo recorte do acesso aos cursos superiores, 156 mil pessoas têm ou estão fazendo um curso superior. Dessas, 95 mil são mulheres. Negras, 82 mil. Daí a importância de um programa como esse, que apoia o acesso à formação e  à boa qualificação.   

Conversamos com duas apoiadas pelo Programa para saber como a participação tem impactado suas vidas e impactado as vidas de muitas outras mulheres que estão ao redor delas. 

Dandara Rudsan Sousa de Oliveira é mulher trans. Com formação em Direito e especialização em Diálogos e Mediação de Conflitos, ela atua politicamente na formação e defesa de direitos para a Rede de Mulheres Negras Amazônicas, além de ser a coordenadora do Núcleo de Mobilização de Recursos dos Movimentos Negros e LGBTQI+ unificados em Altamira, cidade do estado do Pará. 

Dandara Rudsan Sousa de Oliveira, formada em Direito e com especialização em Diálogos e Mediação de Conflitos, atua na Rede de Mulheres Negras Amazônicas e no Núcleo de Mobilização de Recursos dos Movimentos Negros e LGBTQI+ unificados em Altamira, no Pará

Girlian Silva de Sousa tem graduação em Ciências Econômicas, doutorado em Desenvolvimento Socioambiental e pós-graduação em Influência Digital, curso que foi financiado pelo Fundo Baobá através do Programa de Aceleração. 

As conquistas pessoais de ambas impactam a vida de um grande número de mulheres no norte do país. “Ao longo de nosso trabalho conjunto, temos conseguido grandes avanços nas articulações com órgãos de Defesa de Direitos, como o Ministério Público e a Defensoria Pública. Conseguimos trazer para a luta mulheres negras e LGBTQIA+ que sobrevivem em regiões isoladas ao longo do rio Xingu e da rodovia Transamazônica, assim como articular nossas pautas com as lutas regionais e nacionais. O nosso principal ganho tem sido a união entre mulheres cisgêneras e transgêneras na luta pela defesa da terra e do território, contra o racismo ambiental e todos os tipos de violência”, afirma Dandara Rudsan. 

Já Girlian, baiana da cidade de Itabuna, vivendo no Pará há oito anos e trabalhando em Santarém. Sua atuação fez com que a luta autônoma de algumas mulheres pela reivindicação de direitos ganhasse mais poder com a união de forças. “Sou integrante do Movimento das Mulheres Negras de Santarém. Trata-se de um grupo de mulheres que já exercia o ativismo, só que de forma autônoma. Após cruzarmos nossos caminhos em algumas ações, decidimos nos juntar. São mulheres  com diferentes tipos de formação e que atuam em várias áreas. Temos Promotoras Públicas, Pedagogas, Psicólogas, Antropólogas e Quilombolas”, diz. 

Girlian Silva de Sousa, graduada em Ciências Econômicas, doutorado em Desenvolvimento Socioambiental e pós-graduação em Influência Digital

A pandemia da Covid-19 e os percalços impostos às populações de todo o Brasil têm dificultado um pouco a realização de algumas metas. Mas dificultar não é impedir. Elas são resilientes. “Antes da pandemia, realizamos várias ações de combate ao racismo, em parceria com o Ministério Público e junto a escolas de cidades da região do Baixo Amazonas. Atualmente, com o financiamento do Fundo Baobá, estamos organizando a publicação de um livro sobre mulheres negras, escrito por mulheres negras cis e trans da Amazônia”, afirma a economista Girlian Sousa. 

Girlian Sousa passou por problemas de ordem pessoal. O pai dela sofreu um infarto e o fato de estar sendo financiada pelo Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco propiciou a ela se deslocar de Santarém até Itabuna, na Bahia, e permanecer com ele. “O financiamento tem sido fundamental durante esse período muito difícil, que tem sido a pandemia. Me permitiu socorrer a minha família, me permitiu conquistar mais uma formação, que será importantíssima para a minha carreira profissional. Além disso, também tem sido fundamental para o aperfeiçoamento da minha prática ativista. Tenho aprendido muito. O projeto me promoveu um suporte multidimensional que tem me permitido enfrentar esse momento”, declara. 

Para Dandara Rudsan estar no Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco abriu importantes portas.  “Passei a integrar o Grupo de Trabalho Interinstitucional de Enfrentamento ao Racismo Ambiental da Defensoria Pública do Estado do Pará. O mandato é de 4 anos. Estou professora convidada da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) no curso de especialização em Relações Étnico-Raciais e Gênero. Também sou finalista no IX Prêmio República do Ministério Público Federal (MPF) na categoria Responsabilidade Social. Fui indicada para o processo seletivo de Bolsistas 2021 da Fundação Ford (que está em curso). Se tudo der certo, em breve estarei em mais este espaço”, afirma.

O Programa de Aceleração de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco é uma iniciativa do Fundo Baobá para Equidade Racial em parceria com a Fundação Kellogg, Instituto Ibirapitanga, Fundação Ford e Open Society Foundations, cujo objetivo é ampliar a presença e participação de mulheres negras em espaços de poder e tomada de decisão. .

10 Anos do Baobá: Antes de ser batizado oficialmente, fundo dedicado à equidade racial era chamado de “Mecanismo”

Neste ano de 2021, mais precisamente no mês de outubro, o Fundo Baobá para Equidade Racial completa 10 anos de existência. Nesse período, constitui-se no único  fundo exclusivo para promoção da equidade racial para a população negra no Brasil. O Baobá trabalha com captação de recursos oriundos da filantropia e, através de seus editais, destina esses recursos para organizações, grupos, coletivos e lideranças negras que lutam contra o racismo e promovem a justiça social. 

Apesar da concentração de riqueza e dos impactos negativos acumulados, expressos em alguns dos piores indicadores socioeconômicos do país, a potencialidade criativa e a capacidade de superação, conferem à região grande potencialidade. Se os investimentos corretos forem feitos nos estados do nordeste, a equidade racial para a população negra poderá deixar de ser uma utopia. 

E é do nordeste a dupla que abre essa série que irá até outubro mostrando quem trabalhou e trabalha pela consolidação do Fundo Baobá para Equidade Racial como um dos protagonistas na luta contra o racismo e pela busca da equidade racial no Brasil. São eles a mestranda em Gestão Social e Desenvolvimento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Tricia Calmon, e o historiador com pós-graduação em Política e Gestão Cultural, Lindivaldo Leite Júnior. 

Tricia Calmon é baiana e Lindivaldo Júnior, pernambucano. Ambos se lembram do forte envolvimento com a ideia de que algo fosse constituído para que o povo preto nordestino fosse apoiado. “Fui convidado a fazer um trabalho de identificação de lideranças negras em Pernambuco que pudessem contribuir com um debate sobre a criação de algo que fosse para o enfrentamento ao racismo no Brasil. Não havia um nome, então, chamávamos de  mecanismo”, afirma Lindivaldo. “Eu era membro do núcleo de estudantes negros da Bahia e militante do Movimento Negro. O ano era 2008. O board da Fundação Kellogg estava visitando o Brasil, pois já organizavam a saída do país e eram muito questionados sobre temas relativos  à equidade racial”, diz Tricia. 

Lindivaldo Leite Júnior, historiador com pós-graduação em Política e Gestão Cultural

A questão de como organizar o mecanismo foi ganhando corpo. Mas Bahia e Pernambuco não poderiam ser apenas os dois estados envolvidos, entre os nove que compõem a região nordeste. “Fizemos uma caravana. Durou um mês e meio e acontecia nos finais de semana. Visitamos vários estados do Nordeste, com figuras muito representativas como Luiza Bairros, Sueli Carneiro, Magno Cruz, Lurdinha Siqueira, Luiz Alberto, todas as nossas lideranças. Acho que isso ocorreu em 2009”, relembra Tricia Calmon. Para Lindivaldo Júnior, a lembrança é da riqueza na troca de experiências: “Participei de um conjunto de diálogos sobre uma metodologia específica a ser utilizada para conversar com lideranças. Assim, realizamos encontros com grupos diferentes de lideranças negras: jovens,  veteranos, acadêmicos, gestores, quilombolas e grupos culturais”, afirma. 

O trabalho coordenado pelo pessoal do Centro de Estudos Afro-Orientais (Ceafro), da UFBA, foi ganhando corpo. Mas, como qualquer projeto envolvendo pessoas, com cada um tendo seu tipo de pensamento formador a respeito de um tema, as disputas acabaram aparecendo. “A proposta de surgimento do Baobá era vista como uma concorrência e não como colaboradora da agenda que havia sido proposta pela Fundação Kellogg. E isso não era dito de forma muito clara. Construir esse lugar de um fundo novo, com pauta específica e inédita, contar com todos esses parceiros e construir uma imagem de colaboração, e não de concorrência interna, foi um dos grandes desafios”, revela Calmon. No entender de Lindivaldo Júnior, a construção das relações internacionais foi o principal entrave do começo. “Havia uma dificuldade para compreender como se relacionar com órgãos internacionais de financiamento”, diz. A questão do trabalho com filantropia, incipiente no Brasil, também criava dificuldades: “Foi necessária a composição de um grupo de confiança para tratar de um tema ainda delicado junto ao movimento negro”, afirma Júnior. 

Tricia Calmon, cientista social e mestranda em Gestão Social e Desenvolvimento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

As dificuldades foram sendo vencidas com muitos quilômetros rodados pelo nordeste,  muita conversa e a prática de estratégias de convencimento. “São 10 anos de Baobá constituído. O Baobá se tornou e é uma organização única. O único fundo do Brasil de financiamento exclusivo de projetos e causas raciais. Sem subterfúgios. Isso se tornou realidade a partir de uma carteira de projetos interessantes, muito importantes, com boa flexibilidade e diálogo com organizações do Brasil inteiro”, declara Tricia Calmon. Lindivaldo Júnior enxerga o Baobá como projeto vitorioso: O Baobá ampliou sua relação com instituições financiadoras; manteve-se articulado com outros fundos de apoio, estruturou uma equipe e cumpriu com os compromissos assumidos com a Fundação Kellogg”, diz. 

Ainda há mais a conquistar, segundo Tricia Calmon: “O nosso sonho é que o Baobá alcance o que outras organizações negras não conseguem alcançar. Esteja onde outras organizações negras não conseguem estar. Financie autonomamente as pautas. E que o Baobá esteja na boca e nas mentes de todas as organizações negras brasileiras como um catalisador político forte e importante. O Baobá não é isso ainda. As pessoas não conhecem o Baobá como deveriam, ainda! Mas o Baobá está num caminho muito bom nesse sentido”.

As culturas no cenário dos exames seletivos

Para se sair bem em um exame vestibular é importante entender que os conteúdos importantes também estão fora dos livros

Por Eduarda Nunes, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Dentre as dicas implacáveis para fazer uma boa prova de vestibular essa está sempre lá: ler muito, e sobre tudo. Em se tratando do Brasil, um país que tem perdido leitores e que tem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como principal processo seletivo de ingresso nas  universidades públicas e privadas, esse não poderia ser um conselho melhor.

Segundo a pesquisa Retratos do Brasil, a única que faz uma avaliação à nível nacional dos hábitos de leituras dos brasileiros, entre 2015 e 2019 o País perdeu 4,6 milhões de leitores, ou seja,  pessoas que não conseguiram terminar de ler um livro por ano. A cultura da leitura tem sido enfraquecida, e por mais que ela seja uma peça chave para obtenção de um bom resultado nos exames, existem outras culturas que também preparam o vestibulando para a prova.

Sociologicamente, o conceito de cultura é muito amplo. É o que determinados grupos vão comer, vestir, criar e consumir. “A cultura é tudo”, como afirma Lívia Estanislau, uma das selecionadas do “Já É”.

Por meio dela são tecidos padrões comportamentais e imaginários sociais diversos. E é baseado em muitas das culturas existentes que é elaborada uma prova como o Enem. As 90 questões objetivas são embaladas em contextos às vezes inimagináveis.

Como em 2018, quando fez brilhar em uma das questões o Pajubá. A linguagem desenvolvida e utilizada pela população LGBTQIA+ foi apresentada a milhões de jovens que ainda não faziam ideia da  existência do dialeto. O Enem é uma prova que demonstra o quanto é importante estar atento também ao que está fora dos livros didáticos.

Lívia Estanislau, 19 anos

A escolha de Lívia pelo curso da faculdade, por exemplo, não veio dos assuntos tratados na escola, mas do que aprendeu e viveu dentro de casa. A jovem vem de uma família que tem elo no cuidado e na proteção uns com os outros.

Foi assim que surgiu seu interesse por estudar a mente humana. Desde criança ela convive com a mãe e o irmão que lidam com a depressão. Psicologia é sua primeira opção.

Erick dos Santos, de 18 anos, que cresceu bebendo da cultura do hip-hop através de sua mãe – uma artista da cena -, além de estar dando início à sua jornada de artista, também integra conquistas coletivas que levaram ao seus objetivos de vida.

“As culturas em que a gente cresce que faz a gente se interessar por determinadas coisas sim e outras não”, conta o jovem.

Tanto Lívia quanto Érick são estudantes que não tiveram grandes entraves nos estudos. São alunos medianos, que cultivaram boas relações com os professores e outros alunos durante toda a trajetória escolar.

Erick dos Santos, 18 anos

E mesmo assim, algumas das principais escolhas que estão prestes a fazer tiveram as suas bases criadas quase que independente desse contexto, dentro de museus e outros eventos culturais. Também devido ao contexto familiar em que os jovens estão inseridos. É importante estar atento à bagagem cultural para compreender quais são os caminhos, decisões e interpretações que ela pode induzir.

 

Dia do Índio, o ressignificar de uma data

O dia 19 de abril é conhecido no Brasil todo como o “Dia do Índio”, entretanto a origem dessa celebração remete a um protesto realizado pelos povos indígenas do continente americano na década de 1940, quando um congresso organizado no México se propôs a debater medidas para proteger os índios no território. O “1º Congresso Indigenista Interamericano”, realizado em Patzcuaro, no México, aconteceu entre os dias 14 e 24 de abril de 1940. Na ocasião, os representantes indígenas haviam se negado a participar do evento, achando que não teriam voz e representatividade nas reuniões, sendo estas comandadas por líderes políticos dos países participantes. Os índios, então, fizeram um boicote nos primeiros dias, mas, justamente no dia 19 de abril, decidiram aparecer no congresso para tomar parte nas discussões. Foi por conta disso que a data escolhida para celebrar o dia do índio acabou sendo essa.

No Brasil, o Dia do Índio entrou no calendário oficial nacional no ano de 1943. Atualmente encontramos no território brasileiro 256 povos indígenas, falantes de mais de 150 línguas diferentes. A população indígena no Brasil soma, segundo o Censo IBGE 2010, 896.917 pessoas. Destes, 324.834 vivem em cidades e 572.083 em áreas rurais, o que corresponde aproximadamente a 0,47% da população total do país. Especificamente sobre questão territorial indígena, há no país 7 mil localidades distribuídas em 827 municípios, desse total, 632 são terras oficialmente delimitadas. Há ainda 5.494 agrupamentos indígenas, 4.648 dentro de terras indígenas e 846 fora desses territórios.

Os problemas enfrentados pelos povos indígenas ainda reverberam nos tempos atuais. De acordo com o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) a principal violação está  relacionada à invasão de terras. O relatório Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil, traz dados alarmantes que demonstram que a intensificação das expropriações de terras indígenas, forjadas na invasão, na grilagem e no loteamento, consolida-se de forma rápida e agressiva em todo o território nacional, causando uma destruição inestimável.

Entre os dados apresentados no relatório, em relação ao aumento de casos de violências sistematizadas contra os povos indígenas, a categoria “invasões possessórias, exploração ilegal de recursos e danos ao patrimônio” que no ano de 2018 teve 109 casos registrados, saltou para 256 casos em 2019. Nessa categoria entram as queimadas que devastaram a Amazônia e o Cerrado em 2019, com ampla repercussão internacional. 

Infelizmente, os conflitos territoriais não são os únicos fatores que aumentam a vulnerabilidade desta parte da população. Em um ano o registro de  ameaças de morte, aumentaram de 8 para 33 e quando o assunto é lesões corporais dolosas, o número  quase triplicou, passando de 5 para 13.

No ano de 2021, a luta indígena por sobrevivência ganha novos contornos. Com a pandemia da Covid-19 em curso, as comunidades indígenas estão ainda mais expostas ao vírus e vulneráveis ao adoecimento e morte por menos acesso à informações corretas e em linguagem adequada, aos insumos de proteção individual, ao teste diagnóstico, aos serviços e tratamento em tempo adequado. Segundo dados apresentados pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), em um ano de pandemia, foram 45.858 casos confirmados da doença. Já a estatística apresentada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), mostra que houve 1.023 óbitos, considerando também os óbitos de indígenas no contexto urbano.

Povos indígenas, assim como a população quilombola e ribeirinha, foram incluídos no grupo prioritário do plano nacional de vacinação contra a Covid-19. O ministério da saúde divulgou dados de que dos 247 mil indígenas vacinados, 86,8 mil já tomaram a segunda dose. Entretanto, a informação divulgada não vale para todos os estados do país e há contestações da população indígena referente a isso.  

O Fundo Baobá para Equidade Racial lançou no ano passado o edital Doações Emergenciais no contexto da Covid-19, financiando ações de prevenção ao novo coronavírus junto a grupos e comunidades vulneráveis. Na ocasião, iniciativas voltadas para povos indígenas, migrantes, refugiados, além de população negra, em situação de rua, periférica, eram priorizadas.  

Que o Dia do Índio não seja uma data para estereotipar as culturas e as tradições diversas dos muitos povos indígenas presentes no Brasil, mas que seja uma data de reflexão de como tem sido a nossa atuação pela defesa e preservação dos povos originários desse país. 

Desemprego, informalidade, estudos e pandemia

Como os jovens fizeram para driblar o atípico ano de 2020 para alcançar suas metas

Uma geração que cresceu incentivada a ter carteira de trabalho muito jovem vem enfrentando desde 2015 uma profunda crise em suas rendas, mas viu em 2020 o cenário se agravar pela crise sanitária. São Paulo, cidade que é referência nacional em empregos, têm seus jovens empurrados para o desemprego ou informalidade. Com a pandemia da Covid-19 e o fechamento de escolas e cursos, os estudos também ficaram comprometidos.

O coronavírus chegou de forma avassaladora e fez com que milhões de pessoas perdessem os seus empregos. Esse foi o caso de Karine Lopes dos Santos, 21, e moradora da Vila Brasilina, que até o início de 2020 trabalhava na empresa Clearsale Antifraude e se viu na busca por emprego em um dos piores momentos do mercado nos últimos anos. “Foi bastante complicado, porque as empresas estavam demitindo mais que contratando. A gente manda e-mail e não tem resposta, fazia entrevista e não tinha resposta”, desabafa.

Os jovens são os mais afetados pela crise. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada pelo IBGE pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD, no terceiro trimestre de 2020 a taxa de desemprego no país era de 14%, mas entre os jovens de 18 a 24 anos esse número mais que dobrou, chegando a 31%. Essa é a maior taxa de desemprego desde que os indicadores começaram a ser medidos em 2012.

O desemprego é historicamente maior entre os jovens, e muitos já vinham enfrentando dificuldades para conseguir entrar no mercado de trabalho. Além dessa dificuldade, outro fato que os jovens observam são os setores que contratam. Segundo a moradora da Vila das Belezas, Ana Julia Melo de Lucas, 18, o mercado de telemarketing segue como um dos poucos que contrata jovens com pouca ou nenhuma experiência.

“Estou em busca do primeiro emprego, o que mais me desanimou nessa busca são os empregos oferecidos para primeira oportunidade. Só oferecem cargos de telemarketing. Isso é muito errado, não deve ser o único setor que abre portas. Tantas vagas deveriam ser abertas para essa primeira oportunidade em outros setores. Ninguém nasce sabendo, precisamos de oportunidade para ter experiência”, diz

Ana Julia Melo de Lucas, 18 anos

Julia também observa que, por conta da pandemia, viu ainda o mercado de telemarketing se inchar de pessoas com experiências anteriores e que perderam seus empregos e cita como problema a questão salarial da função: “Também é muito ruim a pessoa trabalhar o dia inteiro para ganhar mil e pouco, um salário.” O setor de telemarketing cresceu 67% em 2020, segundo relatório do Linkedin.

Todos esses jovens mantinham a rotina de busca de emprego e estudos, mas Joyce Cristina Nogueira, 20, fez um movimento contrário. Após algum tempo fora do mercado, trabalhou como personal shopper na empresa de delivery Rappi, porém decidiu pedir demissão para  focar apenas nos estudos. “Antes eu trabalhava e estudava, mas tinha problema em focar nos estudos, cansaço por conta do trabalho  não conseguia me dedicar a nenhum”, relata.

Joyce Cristina Nogueira, 20 anos

João Pedro Araújo da Silva, 23, mora no Grajaú, onde de vez em quando trabalha com a sua mãe, Margarida Araújo, no brechó que ela tem na comunidade. Por conta da pandemia, o jovem passou a buscar emprego apenas de forma online. “Eu tenho buscado emprego, mas a pandemia dificultou demais e entreguei muito currículo pela internet. Tem uns sites muito bons, tipo o infojob, vagas, linkedin, mas ainda não rolou.”

João Pedro Araújo da Silva, 23 anos

Além das dificuldades na busca por emprego, Karine, Julia, Joyce e João também enfrentaram problemas com os estudos. Em uma realidade em que muitos cursos foram interrompidos e as aulas remotas apresentaram problemas.

Surgiu então para os esses jovens o edital Já É do Fundo Baobá como um grande impulsionador rumo ao sonho da graduação. “Depois que eu vi o meu nome na lista de selecionados no Baobá eu fiquei bem esperançosa e feliz”, comenta Karine.

O Programa Já É dará uma bolsa de estudos em um curso pré-vestibular e custeará as despesas dos jovens contemplados, além de oferecer outras atividades psicossociais e de mentoria com uma pegada antirracista. Um grande passo para ajudar na formação desses jovens e assim ampliar as suas chances no mercado de trabalho.

Diretora-executiva do Fundo Baobá é destaque em evento virtual sobre empreendedorismo e sustentabilidade

ESG é uma sigla em inglês que, para quem não é do ramo corporativo, não diz muita coisa. Mas trata-se de um conceito empresarial fundamental nos nossos tempos: Environmental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança). A primeira vez que ele foi utilizado foi no ano de 2005, em um relatório intitulado “Who Cares Wins” (Ganha quem se importa), sendo um resultado de uma iniciativa liderada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Na ocasião, 20 instituições financeiras de nove países diferentes, incluindo o Brasil, se reuniram para desenvolver diretrizes e recomendações sobre como incluir questões ambientais, sociais e de governança na gestão empresarial. 

Foi sobre o tema ESG que a XP Investimentos realizou, entre os dias 2 a 5 de março, um evento virtual reunindo os principais experts do mercado financeiro para debater investimentos sustentáveis. Em quatro dias de debates virtuais, participaram Guilherme Benchimol (CEO e fundador do Grupo XP), o cientista Prof. Carlos Nobre, Denise Hills (Diretora Global de Sustentabilidade na Natura), José Alexandre Vasco (Superintendente da CVM), Liz Davidson (Ministra Conselheira do Governo Britânico no Brasil), Oskar Metsavaht (Fundador da Osklen e embaixador UNESCO para Sustentabilidade), o autor do livro “Cisnes Verdes”, John Elkington, Luiza Helena Trajano (Presidente do Conselho da Magazine Luiza), Liliane Rocha (Fundadora e CEO da Gestão Kairós), Rachel Maia (Fundadora RM Consulting e Presidente do Conselho Consultivo do UNICEF), DJ Bola (Fundador e Diretor da A Banca, produtora social cultural) e a diretora-executiva do Fundo Baobá para Equidade Racial, Selma Moreira, entre outros.

Selma Moreira participou do painel “Sustentabilidade Integrada à Governança: Estratégia e Transparência”, no dia 4 de março. Mediado pela analista de pesquisa ESG da XP Investimentos, Marcela Ungaretti, ele contou também com o fundador da Blockc/ZCO2, membro do comitê de sustentabilidade da Duratex e da Marfrig, presidente do conselho da D.R.I Brasil e membro da Conecta Direitos Humanos, Marcelo Furtado, e com a diretora ESG e relações com investidores do Grupo Cosan, Paula Kovarsky, que na ocasião substituiu o CEO da Cosan,  Luis Henrique Guimarães.

Painel “Sustentabilidade Integrada à Governança: Estratégia e Transparência”

Selma Moreira fez uma análise sobre o histórico de discussão envolvendo o conceito ESG: “É uma discussão que não é nova, a gente tem uma nova forma de se dirigir ao ESG.  A gente falava de Triple Bottom Line (que é o chamado tripé da sustentabilidade) há um tempo atrás, e já havia uma preocupação em se pensar muito além de compliance, em fazer o que é certo, da forma correta. Hoje quando eu observo a forma de operação das empresas privadas e dos fundos que propõe fazer investimentos nessas empresas para promoção de desenvolvimento, eu acho que a gente olha e consegue ter nitidez de uma consolidação de termos econômicos, de estratégias de gestão e de compliance, muito adequadas. A gente está começando a melhorar, mas ainda me parece que há que se desenvolver formas, métodos e ações, que permita que a parte do “S” e do “E” do ambiental, sejam avaliadas de uma maneira mais estratégica”. Ainda com a palavra, Selma fez uma importante análise contextual do Brasil contemporâneo: “Pensando no nosso contexto de país, a gente está aqui hoje em um dia de muita emoção, mas a gente olha para o nosso país em um dia de luto, um dia muito triste, e não dá para dissociar a empresa do contexto ao qual ela pertence. A gente está vivendo um contexto de tristeza e as empresas são formadas por pessoas, então, no fim do dia, quando a gente conecta tudo isso, conseguir colocar um olhar mais direcionado para que as decisões promovidas pelas empresas sejam éticas e justas, vai muito além da lei. No momento que a gente está pensando que as decisões são promovidas pelos conselhos, executadas pelos executivos, elas se coloquem, sejam passíveis de dúvidas. Quando a gente começa a repensar as nossas certezas, a gente começa a repactuar nosso pacto de gestão, com o ambiente no qual a gente pertence e com o planeta. Acho que é fundamental começar por aí”.   

Selma Moreira durante o painel “Sustentabilidade Integrada à Governança: Estratégia e Transparência”

Paula Kovarsky complementou o raciocínio: “Eu concordo muito com o que a Selma falou, que precisa ser uma coisa que está imbuída em todo o seu processo de tomada de decisão e, essencialmente, porque o mundo está caminhando nessa direção, então isso tem que ser por definição círculo virtuoso, eu preciso como companhia olhar para as tendências de mudanças climáticas, por exemplo, porque isso vai definir o portfólio de produtos que vai ter sucesso num horizonte de cinco a dez anos. Eu preciso ter uma empresa que é reconhecida e que tem, de verdade, um compromisso com a diversidade, porque se eu não tiver isso, eu não vou ser capaz de atrair os talentos que eu preciso para ter sucesso no futuro”.

Questionada sobre qual é a importância de ter a diversidade em diferentes níveis de governança, quais são os desafios dessa jornada e o que precisa ser feito de fato para atingir esse patamar, Selma Moreira fez questão de frisar a importância do diálogo em diferentes esferas: “A gente vive um momento onde o mundo está mais aberto para o diálogo. O que era uma barreira antes, e trazia aquela dificuldade de se expor e de estar em um ‘terreno difícil’, hoje há mais abertura e disposição para dialogar. O que é fundamental, se a gente não dialogar, estará alimentando um processo que é da construção da nossa sociedade desigual. Precisamos também qualificar esse diálogo. Hoje nós temos pesquisas que mostram que, com igualdade de gênero, a produtividade melhora em 15%, e que, quando é trabalhado questões raciais e étnicas, a produtividade melhora 35%.

Com esses dados apresentados, Selma Moreira aprofunda o debate do diálogo da diversidade, principalmente, nos níveis executivos: “Nós precisamos entender que diversidade é lucrativo, então a gente tem que pensar isso para todas as etapas, para todos os estágios de gestão de uma organização, na base, mas também no topo, também nos níveis executivos e nos conselhos. E justamente nos níveis executivos que a gente vai perceber os gargalos, no qual 4,9% é o número de executivos negros que participam de conselhos de administração e 4,7% é o número de executivos na gestão”. 

Selma Moreira (Fundo Baobá), Paula Kovarsky (Grupo Cosan) e Marcelo Furtado (Duratex, D.R.I Brasil e Conecta Direitos Humanos)  

Para Selma, é necessário reflexão e auto análise quando o assunto é diversidade de gênero e étnica: “A gente precisa refletir sobre todo o processo de desigualdade e gargalo acumulado no processo escolar e nas questões de acesso ao mundo do trabalho. Então precisamos criar processos que sejam de fato mais inclusivos e afirmativos também, até porque considerando o ritmo que a sociedade resolve os seus problemas, precisamos ser mais evidentes e mais convictos no que a gente quer fazer. O fato de, no Brasil a gente observar essas desigualdades todas, ter nitidez de tudo isso, é um momento de fazer auto análise, do viés inconsciente, de como a gente gosta de ficar com os nossos iguais, como é bacana falar com alguém em que as ideias e valores conectam com os nossos, mas isso nos leva a construir as mesmas soluções de sempre, baseado em seu mindset. A gente precisa se permitir diversificar, como fazemos com os investimentos, com os portfólios, é o que a gente faz com os produtos, mas a gente não vai conseguir diversificar se ficar procurando um currículo igualzinho ao nosso”.

Hoje, a população negra no Brasil, segundo dados do IBGE, equivale a 56%. Mesmo assim, pessoas negras são minorias em cargos de chefia. Selma aproveitou a oportunidade para compartilhar a sua própria experiência profissional: “Eu sou uma mulher negra de origem periférica e que trabalha com equidade racial, trata-se de um tema que não está longe do meu dia-a-dia, ele está no meu coração, é o que corre na minha veia, mas é um tema que é de muita resistência em muitos espaços. Então, o questionamento que eu trago é: como é que a gente se abre para o diálogo e como é que a gente constitui mais potência a partir das nossas diferenças? Esse é o caminho que vai fazer com que se constituam empresas e uma sociedade cada vez mais forte, diversa, brilhante, potente e respeitando as diferenças. A gente não inova se não olhar a partir de um outro ponto”.

Dentro do mesmo contexto, Selma Moreira falou sobre a importância da equidade: “Tem um ponto que a gente pouco usa nos diálogos no Brasil que é falar de equidade, que se trata de justiça. Quando a gente fala de olhar as populações, há que se pensar o quanto as empresas refletem, de maneira justa, a população das regiões onde elas estão inseridas. E nós estamos olhando para isso? A gente tem feito alguma ação que nos tira do lugar de conforto para produzir essa diversidade? Pode ser que tenhamos uma trilha de aprendizagem e aprender faz parte”. 

Para assistir a participação completa da Selma Moreira no painel “Sustentabilidade Integrada à Governança: Estratégia e Transparência”, basta se cadastrar gratuitamente aqui e acompanhar esse e outros painéis ocorridos no evento Expert ESG.

Com uma “Bike Sonora”, o Movimento Social Fome levou informações em tempos de fake news

Imagine um sistema de som ligado em uma bicicleta levando informações corretas  sobre a covid-19 e como se prevenir. Pois essa bicicleta existiu – e percorreu várias ruas de Sobral, no Ceará com o apoio do “Edital Apoio Emergencial para Ações de Prevenção ao Coronavírus” – uma iniciativa do Fundo Baobá em parceria com a Fundação Ford, para apoiar projetos de regiões e povos vulneráveis mais afetados pela pandemia da Covid-10 no Brasil.

“Projeto Bike Sonora” do Movimento Social Fome – Sobral (CE) – (Foto: arquivo pessoal)

Lançado no dia 5 de abril de 2020, em apenas 12 dias, o edital recebeu 1.037 inscritos de todas as regiões do país. Nesse total, 387 eram iniciativas de organizações sociais e 650, de indivíduos. Após uma análise minuciosa da organização, o Fundo Baobá divulgou em três listas um total de 350 projetos selecionados, sendo 215 de indivíduos e 135 de organizações. Cada iniciativa recebeu R$ 2,5 mil para ações de prevenção em comunidades periféricas ou de difícil acesso.

Entre essas iniciativas selecionadas estava o Movimento Social Fome, de Sobral (CE), com o seu ousado projeto da Bike Sonora: “A ideia surgiu como uma força de construir uma comunicação não violenta, onde não assustasse as pessoas num momento tão delicado que estamos passando. Era fundamental colocarmos nas ruas informações necessárias e cuidadosas a fim de atingir um público exclusivo que era a periferia”, diz a fundadora, produtora cultural e articuladora social do Movimento Social Fome, Raiana Souza.

“Projeto Bike Sonora” do Movimento Social Fome – Sobral (CE) – (Foto: arquivo pessoal)

Em tempos de fake news e desinformação, o trabalho do Movimento Social Fome na proliferação de informações sobre o novo coronavírus na comunidade carrega a alcunha de serviço essencial para a população: “Tivemos o cuidado de fazer frente a uma desconstrução de informações falsas advindas da produção de Fake News que se espalhavam nas mídias sociais e tomavam proporções de abrangências exorbitantes, desse modo, pensar uma estratégia de comunicação no combate e enfrentamento a covid-19 foi uma tarefa de luta coletiva que está simbolizando, até hoje, um marco na nossa trajetória enquanto moradores e militantes sociais”.

Muito antes da covid-19 ser decretada pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Bike Sonora ser uma realidade em meio à crise da saúde pública, o Movimento Social Fome já fazia a diferença para a população vulnerável de Sobral. Fundado no ano de 2013, trata-se de um coletivo de jovens moradores da periferia sobralense, surgido nas calçadas, nas ruas e nas associações comunitárias do bairro Terrenos Novos, periferia da cidade de Sobral: “O surgimento do Movimento Social Fome se deu em meio aos ensaios de um grupo de teatro de rua que ensaiava durante a semana no período noturno ao lado da capela da igreja católica, hoje paróquia São Paulo Apóstolo. Foram quase três anos acompanhando as movimentações de amigos, conhecidos e colegas que faziam parte do grupo de teatro denominado ‘Amigos da Paixão’. O grupo só produzia e encenava no período da quaresma cristã, passando assim, o restante do ano, sem organizar ou produzir qualquer outro trabalho teatral”. E foi durante esse longo intervalo sem produzir, que Raiana e os seus amigos enxergaram a necessidade de criar algo que movimentasse a cultura entre os jovens daquele local, e assim nasceu o Movimento Social Fome: “A pretensão inicial do FOME era construir uma agenda de atividades artísticas e culturais como forma de ocupação direta do espaço público da periferia, tornando essas atividades uma maneira mais direta de chegarmos nas pessoas do bairro a fim de convidá-las para fazerem parte do coletivo, ou mesmo apoiar as ações que eram executadas”.

Raiana Souza, fundadora, produtora cultural e articuladora social do Movimento Social Fome – (Foto: arquivo pessoal)

Além de Raiana Souza, fundaram o Movimento Social Fome o educador social e produtor cultural Renan Dias, o artista e grafiteiro Thiago Tavares, o rapper e músico Frank Soares, os produtores culturais e Mc’s Leandro Guimarães e Wisley Nascimento, assim como a produtora cultural e social mídia Fran Nascimento: “Nossa primeira atividade na rua foi exatamente com a proposta de uma intervenção audiovisual com exibições de filmes e videoclipes de artistas locais. O Cine Comunitário foi uma atividade bem direta com a finalidade de explorar a reação das pessoas que até então não sabiam exatamente do que se tratava aquela intervenção audiovisual”, relembra Raiana. No ano de 2018, o Cine Comunitário se tornou Cine Mucambim em alusão ao açude histórico que fica localizado dentro do bairro Terrenos Novos: “para nós moradores do bairro, o Mucambinho tem um valor imaterial que se estende desde sua historicidade até mesmo o valor econômico e social que o mesmo traz para famílias de pescadores que tiram do açude a única renda para por em casa”.

Sessão do Cine Mucambim no bairro Terrenos Novos (Foto: arquivo pessoal)

Outras atividades artísticas e culturais foram organizadas pelo Movimento, como o Som na Praça, com o propósito de levar para as praças e calçadas dos bairros Terrenos Novos e Vila União, ações voltadas à música e leitura. Assim como aulas de música, o Sarau Força e Resistência na praça da juventude no bairro Vila União e o Miss Perifa, que consiste na formação, produção e desfile de mulheres cis, trans e travestis da periferia: “O Miss Perifa é um evento de desfile auto-organzado pelo núcleo feminista do Movimento Social Fome que se chama “Mulheres do Gueto que Lutam sem Medo”.

O Miss Perifa é um evento de desfile auto-organzado pelo núcleo feminista do Movimento Social Fome que se chama “Mulheres do Gueto que Lutam sem Medo” – (Foto: arquivo pessoal)

Em 2014, o grupo participou de duas ações integradas dos moradores da região, o Sopão Comunitário e o Natal Comunitário: “Eram atividades organizadas com o apoio dos moradores do bairro que contavam com o apoio do Fome para realizar outras ações integradas como levar oficinas de graffiti, oficinas de artesanato, oficina de desenho, exibição de filmes com o cine comunitário e organização de mutirões de limpezas nas áreas adjacentes onde ocorriam os eventos especiais”.

Com a chegada da covid-19, com as medidas de isolamento social para conter o avanço da doença e evitar um colapso no sistema de saúde, o Fundo Baobá lançou o edital Doações Emergenciais, e o Movimento Social Fome inscreveu o seu projeto Bike Sonora, sendo uma das 350 iniciativas selecionadas: “A relação do cuidado em tempos de pandemia também ressoou diretamente na renda básica familiar de moradores da periferia. Notamos que, com a pandemia, houve um crescente número de desempregados a nível nacional, e com nossa realidade aqui da periferia da cidade de Sobral/CE não foi diferente. Muitas famílias e jovens enfrentam as duras dificuldades para manter-se vivos e sobreviver ao vírus e a crise financeira que assola ainda hoje muitas pessoas”, e com o apoio dado pelo Fundo Baobá, houve uma transformação na realidade daquela região: “A partir do incentivo gerado pelo edital do Fundo Baobá, que nós do Movimento Social Fome pensamos estratégias de redistribuição da grana para um número maior de pessoas, fazendo assim circular um dinheiro dentro do próprio bairro”, afirma Raiana. “Conseguimos pagar um incentivo fixo para três jovens dos bairros onde o projeto Bike Sonora foi executado: Terrenos Novos, Vila União e Nova Caiçara, além é claro de distribuição de cesta básica de alimentos e produtos de higiene pessoal para famílias e crianças que participam da Biblioteca Comunitária Adalberto Mendes”. A biblioteca é um espaço em Terrenos Novos, onde o Movimento Social Fome executa atividades pedagógicas voltadas às crianças. O espaço se encontra fechado desde o início da quarentena em março de 2020.

Ao relembrar os momentos marcantes vivenciados com o projeto Bike Sonora, Raiana cita a experiência vivida pelo jovem Emanuel Nascimento, que “pilotou” a Bike Sonora pelas ruas de Sobral, e que se no começo ele despertou o estranhamento da população, que não estava acostumada com aquele tipo de novidade, no meses seguintes ele ganhou o carinho e consideração dos moradores locais: “No começo as pessoas estranhavam aquela ação e não entendiam ao certo o objetivo ou do que se tratava, causando assim pouca adesão por parte dos moradores. Com um tempo, Emanuel nos contou que os mesmos moradores agora já paravam ele para elogiar a iniciativa parabenizando-o pela coragem, pela luta e pelo cuidado coletivo. E a partir daquele momento muitos moradores já o esperavam no horário marcado que a Bike Sonora passava para lhe oferecer água, merenda e um cafezinho da tarde”. Raiana revela que depois que as ações do Bike Sonora chegaram ao fim, Emanuel relatou para a equipe do Movimento Social Fome que muitas pessoas do seu bairro tem perguntado porque parou e quando o Bike Sonora irá voltar.

“Projeto Bike Sonora” do Movimento Social Fome – Sobral (CE) – (Foto: arquivo pessoal)

Um ano depois de decretada pandemia de covid-19, hoje no Brasil nós vivemos o pior momento da doença, com média móvel de 71.739 novos casos e com 57 dias seguidos com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil. Mais de 300 mil vidas perdidas. Raiana Souza, destaca a importância do trabalho do Fundo Baobá com edital Doações Emergenciais e o impacto que ele causou na comunidade: “Os impactos centrais que podemos citar aqui se destacam entre duas linhas de campo principais que são: A informação e o cuidado coletivo dentro da periferia, e a distribuição de renda que foi ofertado pelo edital”.

Mesmo sem o trabalho da Bike Sonora, o Movimento Social Fome continua ativo no combate à covid-19 e colocando em prática as lições aprendidas com apoio do edital Doações Emergenciais: “Acredito que os vínculos que foram criados a partir do projeto apoiado pelo Fundo Baobá, o Bike Sonora, foram fortemente estabelecidos nos desejos de sempre insistir, resistir e não se entregar. Temos fome e ela não espera, quem tem fome tem pressa”.

Veja o vídeo da Bike Sonora em ação aqui

Entre expedientes longos e livros: a vida dos estudantes que trabalham e estudam

Atrás da tão sonhada vaga no Ensino Superior, alguns estudantes enfrentam jornadas longas de serviço

Das barreiras sociais à frente dos jovens que pretendem ingressar no Ensino Superior, a mais visível delas reflete sobre a dificuldade da conciliação das horas de expediente e a rotina de estudos. Para Beatriz Moreira Passos da Silva, de 22 anos e moradora do bairro Santana, na Zona Norte de São Paulo, os contratempos para enfrentar esses obstáculos são vários. Entre jornadas de trabalho longas, trajetos de ônibus, cadernos, livros e anotações, a jovem encara uma rotina agitada que exige uma determinação rígida para realizar suas metas.

“Nesse momento, eu trabalho 9h por dia como anfitriã de hospitalidade. Como é uma área que eu já tenho conhecimento e gosto bastante, pretendo estudar no campo da Gestão Hospitalar para contribuir mais e mais no meu trabalho. Por isso, a rotina de estudos acaba sendo divertida”, explica.

Beatriz Moreira Passos da Silva, 22 anos

Demonstrando determinação para suas metas, Beatriz revela que, além dessas barreiras sociais, ela também fez parte das estatísticas dos jovens negros que abandonaram os estudos por complicações com familiares ou outros motivos. O olhar atencioso para as questões que envolvem a saúde de uma pessoa tem relação com um pouco do seu passado: a mãe teve um câncer de mama.

“Infelizmente, eu parei de estudar por questões que vão muito além de mim. Minha mãe teve um câncer de mama e essa doença, com certeza, influenciou nas minhas decisões. Porém, mesmo longe da escola, eu não perdi a paixão e a curiosidade que todo estudante possui. Fico muito feliz pelo meu retorno”, desabafa.

Também da Zona Norte de São Paulo, Bianca Paixão da Silva, de 24 anos e moradora do bairro Jardim Princesa, comenta que a rotina agitada de trabalhos e estudos combina com o seu perfil que visa a constante mudança pessoal. De uma forma leve e divertida, a jovem, que trabalha como Auxiliar de SAC, brinca ao dizer que nem recorda da última vez que não precisou trabalhar enquanto estudava.

“É da minha personalidade mesmo (risos). Eu não consigo ficar parada, eu preciso estar sempre fazendo alguma coisa ou aprendendo algo novo”, afirma.

Bianca Paixão da Silva, 24 anos

Para ela, essa realidade coincide com a população negra e periférica no Brasil que desde cedo tem que realizar tarefas múltiplas e enxerga essa rotina como algo comum. Atualmente, Bianca trabalha cerca de 8 horas por dia. A estudante sonha com a vaga no Ensino Superior para estudar a área de comunicação social e se especializar em Publicidade e Propaganda.

“Ser uma garota de periferia mostra como o mundo é diferente em outras partes da cidade e em outras áreas, como no mercado de trabalho. Desde cedo, eu sempre lidei com a situação de ser a única negra nos ambientes que frequento”, analisa.

Da Zona Leste do mapa de São Paulo, Micheli Karoline da Silva Santos, de 24 anos e moradora da Vila Nhocune, também enxerga essa situação como corriqueira, pois ela trabalha e estuda há muito tempo. De acordo com a jovem, as jornadas de expediente acompanham os horários de estudos desde os 16 anos e, agora que trabalha 8h por dia na área comercial de uma empresa, ela não acredita que seja  um empecilho, mas sim, uma motivação extra para dar o melhor de si.

“Para mim, não é uma novidade trabalhar e estudar ao mesmo tempo. Faço isso há muito tempo. Atualmente, eu trabalho na área comercial de uma empresa, de segunda a sábado, 8h por dia. Mas, como eu sempre fui ensinada a pensar como ’adulta’, eu lido bem com a situação. E o meu jeito curioso e focado sempre me faz querer estudar mais, saber mais”, detalha.

O norte de incentivo de Micheli aponta para o sonho de estudar Direito e abrir o seu próprio escritório de advocacia, que será especializado em consultoria cidadã. Ela explica que os serviços consistem na introdução dos direitos, as normas de relacionamento e obrigações legais do judiciário frente ao cidadão.

“Eu sempre gostei da ideia de cursar Direito. A minha expectativa com o Programa Já É, do Fundo Baobá, é me tornar uma referência dentro da área para auxiliar as causas femininas. Meu sonho é abrir um escritório de advocacia para mulheres, com consultas gratuitas sobre processos e questões burocráticas”, explica.

Programa de Recuperação Econômica apoia empreendedores negros em meio à pandemia

O Programa de Recuperação Econômica do Fundo Baobá para Equidade Racial, foi lançado no dia 11 de novembro de 2020 em uma iniciativa que contou com a parceria com a Coca-Cola Foundation, Instituto Coca-Cola Brasil, Banco BV e Instituto Votorantim.  O objetivo era apoiar pequenos empreendimentos liderados por pessoas negras em comunidades periféricas ou territórios em contexto de vulnerabilidade socioeconômica no país, que tenham pequenos negócios com faturamento de até R$ 6.750,00.

Em 39 dias de inscrições abertas, a organização recebeu 700 propostas de pequenos empreendedores. Na primeira fase de triagem, 598 inscrições foram validadas, passando para a fase de avaliação das propostas em si. Dessas, 273 seguiram para a etapa de entrevistas virtuais. Elas foram realizadas pela organização FA.VELA, parceira operadora do Fundo Baobá para este projeto. Segundo Ludmila Correa, representante da FA.VELA, as conversas foram fundamentais para seleção de iniciativas empreendedoras para o programa. “Durante as entrevistas pudemos conhecer diversas realidades, ramos e formas de empreender desenvolvidas nas diferentes regiões do Brasil, variando de entrevistas com empreendedores quilombolas, ribeirinhos, da zona rural e do meio urbano. Acreditamos que muitas iniciativas têm perspectiva de expansão, promovendo impacto territorial por meio da geração de renda, desenvolvimento sócio econômico, fortalecimento da atuação em rede, entre outros benefícios. O processo de entrevistas foi fundamental para o diálogo e entendimento da realidade de cada empreendedor, possibilitando verificar a adequação da iniciativa proposta para o programa, assim, colaboramos recomendando os participantes de forma mais assertiva e coerente”.

Ludmila Correa, gerente de projetos e programas do Fa.Vela

Após o processo de entrevistas, 141 iniciativas  foram recomendados ao comitê selecionador, que elegeu as 47, cujos nomes foram divulgados no dia 26 de fevereiro e serão contempladas com os recursos financeiros e de formação do programa. Uma das integrantes do comitê selecionador foi a consultora de negócios de diversidade e inclusão, Caroline Conceição Moreira: “Acredito que, por eu trabalhar com empreendedorismo, consegui contribuir com meu olhar de eterna captadora de talentos. Foi uma experiência incrível poder acessar tantos projetos potentes e saber que estas pessoas terão uma oportunidade incrível de potencializar seus empreendimentos”. 

Quem também utilizou a profissão ao seu favor, durante a sua participação no comitê selecionador, foi a psicóloga e diretora da Teçá Impacto, Marcela Bacchin: “Fiquei muito honrada de poder fazer parte do comitê de seleção do edital e trouxe meu conhecimento de 15 anos no apoio de empreendedores da base da pirâmide como estratégia de combate à pobreza, à serviço da definição de critérios para avaliação de maturidade das propostas e de um olhar propositivo de equilibrar a seleção com recorte de gênero, e territorialidade”. Marcela acredita que esse equilíbrio durante a seleção das iniciativas fez justiça aos selecionados: “Dessa forma, o grupo participante do comitê teve uma atuação de garantir o equilíbrio territorial dos investimentos e a prioridade para projetos do nordeste, liderados majoritariamente por mulheres e pessoas LGBTQI+”.

Marcela Bacchin, psicóloga e diretora da Teçá Impacto

Foi esse entendimento e processo coletivo entre os membros do comitê que ganhou elogios do diretor da Techsocial, conselheiro do Anjos do Brasil – um grupo de investidores anjo – e também conselheiro fiscal do Fundo Baobá para Equidade Racial, Marco Fujihara: “Eu gostei muito porque, principalmente, foi um processo coletivo, não foi a minha opinião sozinha que influenciou na escolha, mas todo processo coletivo é muito rico, porque você ouve a opinião das pessoas, elas ouvem a sua opinião, e você acaba achando um caminho do meio sempre, não tem aquele melhor ou pior”. Assim como também elogiou as iniciativas apoiadas: “Eu gostei muito das iniciativas empreendedoras inscritas pelo vínculo comunitário que elas tinham, o que tornou tudo bastante criativo e produtivo”. 

Marco Fujihara, diretor da Techsocial e conselheiro fiscal do Fundo Baobá

Para a psicóloga e coordenadora de projetos de impacto em inclusão produtiva, Crisfanny Souza Soares, integrar o comitê foi um privilégio: “Estar em contato com ideias e iniciativas empreendedoras que virão a ser respostas efetivas na recuperação da economia e no desenvolvimento de modelos de negócios inovadores, trouxe para roda a visão de quem conhece, reconhece e apoia quem movimenta a economia brasileira: os 99% micro e pequenos empreendedores, e investiu no desenvolvimento de metodologias de apoio, parcerias de acesso para inclusão produtiva”. 

Outro membro do comitê foi Marcelo Rocha, mais conhecido como DJ Bola, um dos articuladores do coletivo A Banca. Para ele, integrar o comitê selecionador foi um grande aprendizado, além de uma imensa felicidade também: “Quando a Selma Moreira (diretora-executiva do Fundo Baobá) me disse que havia mais de 700 inscritos buscando apoio para tocar as suas iniciativas no Brasil todo, eu me senti muito feliz, porque isso é uma evidência do quanto o povo negro é potente e o quanto de mudança tem as quebradas”. Na visão do produtor cultural, a periferia tem uma enorme potência e bagagem, e iniciativas como o programa de Recuperação Econômica do Fundo Baobá, potencializa ainda mais os talentos existentes nesse meio: “A gente tem que sair dessa ótica da escassez, porque a periferia tem muito conteúdo, tem muito produto e tem muito serviço. Então, o Fundo Baobá conseguiu evidenciar mais uma vez a luta do povo preto, do pessoal LGBTQ+ e das mulheres, elas que sempre tiveram à frente iniciativas que trouxeram transformações dentro de casa, e agora elas estão à frente de iniciativas empreendedoras”.

Marcelo Rocha, DJ Bola, um dos articuladores do coletivo cultural A Banca

A pandemia da covid-19 ainda não chegou ao fim, pelo contrário: mesmo com a vacina aprovada em território nacional e com um plano de imunização que pretende vacinar toda a população ainda esse ano, apenas uma fatia minúscula da população recebeu a segunda dose da vacina até o momento, enquanto a média móvel diária de novos casos da doença atingiu patamares surpreendentes, com expectativa de chegarmos a meio milhão de mortes em breve. Com os governos estaduais implementando medidas sutis de isolamento para conter o avanço da doença e o colapso hospitalar, que acarreta  falta de leitos, estresse e exaustão de profissionais, os comércios e os pequenos empreendimentos voltam a fechar, o que resulta também em uma crise financeira. Entretanto, é preciso afirmar que os pequenos empreendimentos negros são de sobrevivência e existem, desde antes da crise sanitária, num contexto de desigualdade e racismo estrutural. Justamente dentro desse contexto que considera a relevância de ações como o Programa de Recuperação Econômica, considerando que a população negra, independente do cenário, é mais penalizada com as desigualdades: “A proposta do edital de recuperação econômica para empreendedores negros, busca atender uma demanda de pessoas vulnerabilizadas, de forma a fortalecer a sinergia entre empreendedores e ainda trazendo impacto positivos para os territórios ao qual eles fazem parte”, afirma Marcela Bacchin. “Sendo assim, essa é uma iniciativa que promove a dinamização econômica dos territórios, o desenvolvimento de novos negócios e a geração de renda através de atividades produtivas em diferentes setores. Serão produtos e serviços oferecidos por empreendedores negros para seus territórios, gerando o desenvolvimento local e valorização da comunidade negra”, completa.

Caroline Moreira frisa a importância de ações como essa, considerando o quadro desigual que o negro se encontra na sociedade brasileira: “É de extrema importância pensar nas questões raciais como foco, tendo em vista que os empreendedores negros são os que mais se prejudicam independente do cenário e falando em pandemia com certeza o fundo é uma possibilidade incrível de criar oportunidades para empreendedoras”.

Caroline Conceição Moreira, consultora de negócios de diversidade e inclusão

Crisfanny Soares afirma que o Programa de Recuperação Econômica movimenta dois pontos cruciais para a sustentabilidade das iniciativas: “O primeiro é o acesso ao capital financeiro e o segundo é a capacitação empreendedora que apoiará a estruturação e adaptação a dos negócios neste novo contexto que exige novas habilidades”, a gerente de projetos ainda confirma que o que mais lhe chamou a atenção neste edital foi a proposta de convergir negócios e suas propostas de valor para atuação em um mesmo território: “Além de inovadora, a proposta potencializa a visão de parcerias estratégicas comunitárias que podem fortalecer a economia local e mobilizar o surgimento de novos negócios ampliando o impacto”.

Crisfanny Souza Soares, psicóloga e coordenadora de projetos de impacto em inclusão produtiva

Ainda sobre a vacinação no Brasil, mas trazendo um inédito recorte racial, uma pesquisa feita pela Agência Pública, a partir dos dados de 8,5 milhões de pessoas que receberam a primeira dose da vacina, mostra que a cada duas pessoas brancas, apenas uma pessoa negra recebeu a vacina, o que equivale a 1,48% da população negra vacinada, contra 3,66% da população branca vacinada. Para Marco Fujihara, o racismo está enraizado em toda estrutura do país e medidas como essa do Fundo Baobá, ajudam a promover a equidade racial: “A questão da equidade racial tem que ser colocada na pauta do dia sempre. O racismo é uma coisa que existe, e a primeira maneira de combater o racismo é acreditar que ele existe. Portanto, esse trabalho do Fundo Baobá é necessário e tem que ser ampliado”.

Programa Já É, do Fundo Baobá, aproxima jovens pretos e periféricos da universidade

Com mais de 200 inscritos, o edital custeará não só os gastos em curso pré-vestibular, mas também despesas com transporte e alimentação

O Fundo Baobá para Equidade Racial busca a promoção da equidade racial para a população negra. No front desde 2011, a instituição não possui fins lucrativos e vem mobilizando recursos pelo Brasil e mundo afora, para apoiar organizações que atuam no enfrentamento ao racismo e promoção da equidade racial.

Na prática, o Fundo Baobá investe em ações por meio de editais, organizações e lideranças pretas, que se comprometem com o combate ao racismo e às desigualdades. Um dos grandes exemplos desse trabalho é o Programa Já É: Educação para Equidade Racial.

O edital foi criado a fim de impulsionar o ingresso de jovens pretos e periféricos nas universidades, através do custeamento dos gastos em um curso pré-vestibular, e também transporte e alimentação. Além de tudo, o edital prevê também atividades voltadas para o enfrentamento dos efeitos psicossociais do racismo e para a ampliação das habilidades socioemocionais e vocacionais, bem como mentoria com profissionais de diferentes formações acadêmicas e vivências.

Foram 245 inscritos no total, com a segunda etapa de seleção sendo uma entrevista com 120 desses candidatos. Ao total, 100 jovens foram aprovados para ingressar no programa e, entre eles, estavam Julia Camile Santos, 17, Julia Firmino, 18, e Carlos Eduardo Cerqueira, 19.

Julia Camile encontrou no Fundo Baobá uma oportunidade para conquistar sua independência profissional. A estudante teve uma infância curta, adquirindo responsabilidades já aos 8 anos de idade por conta de problemas familiares. Ela descobriu o edital enquanto navegava na internet em busca de cursos pré-vestibular.

Hoje, com os conflitos familiares já resolvidos,  Camile continua sendo independente e agora já pensa em se tornar universitária. A jovem sonha em ser bióloga por influência de seu ex-professor do ensino fundamental, e enxerga no Programa Já É a porta aberta para o mercado de trabalho. “O edital me abriu portas e hoje enxergo o potencial que antes eu achava que não tinha. Hoje vejo novas perspectivas”, conta.

Julia Camile Santos, 17 anos

Há muitos jovens que almejam ingressar na universidade, mas ainda não decidiram em qual curso pretendem se inscrever. Contudo, isso não é um impeditivo para já começar a se preparar para as provas. Carlos Eduardo é um exemplo. “Eu quero me especializar na área financeira, que é onde me dou bem”, explica. Carlos descobriu o edital através de um amigo, que sabia de sua procura por cursos preparatórios para vestibulares.

Ele acredita que a iniciativa do Fundo Baobá é uma oportunidade para chegar mais perto do seu sonho. “Apesar da pandemia ter atrapalhado os meus planos, pois é muito ruim estudar de casa, o caminho para chegar onde eu quero continua sendo através da educação”, afirma.

Carlos Eduardo Cerqueira, 19 anos

Os efeitos do racismo na vida de jovens negros

O racismo é um projeto genocida que funciona sem grandes falhas e o Fundo Baobá trabalha diariamente para a erradicação dessa estrutura. Apesar dos esforços, muitos jovens pretos ainda não estão livres de vivenciar situações racistas. É o caso de Julia Firmino, de 18 anos.

Julia concluiu o ensino médio em 2020, com formação técnica em Edificações. Apesar de gostar da área e querer cursar Arquitetura, a estudante recebeu pouco apoio dos colegas da escola. “Diziam que o curso técnico não era para mim, e que eu deveria procurar algo mais fácil”, desabafa.

Julia Firmino, 18 anos

Apesar disso, Julia não se abateu, porque vem de uma estrutura familiar fortalecida. “Nossa situação é apertada, pois minha mãe criou eu e meus 5 irmãos sozinha. Mas eu sempre soube que sofria racismo e aprendi a lidar. Fui bem instruída”.

Tais situações só fizeram a jovem ter ainda mais certeza de que poderia conquistar o que quisesse, e o Fundo Baobá colaborou para isso. O edital Já É foi importante para eu entender que, independentemente da minha cor, sou capaz de qualquer coisa”, diz.

Fundo Baobá apresenta as 47 iniciativas empresariais escolhidas para serem apoiadas pelo seu edital de Recuperação Econômica

Em evento virtual ocorrido no dia 24 de março, o Fundo Baobá para Equidade Racial reuniu os selecionados para serem apoiados pelo edital de Recuperação Econômica, lançado em novembro de 2020. Estiveram presentes na live de lançamento membros das 47 iniciativas apoiadas, além de representantes da Coca Cola Foundation, do Instituto Coca Cola Brasil, Banco BV e Instituto Votorantim. 

A situação de pandemia que acontece em todo mundo levou o Fundo Baobá a lançar em 11 de novembro de 2020 o edital de Recuperação Econômica para Micro e Pequenos Empreendedores (as) Negros (as). Um rigoroso processo de seleção foi iniciado e concluído no dia 25 de fevereiro, com a divulgação da lista dos escolhidos. O edital teve 700 inscrições, 598 foram validadas, 273 foram para a entrevista, 141 receberam a recomendação para avaliação e, como determinavam as regras, 47 iniciativas foram selecionadas para  receber aporte de R$ 30 mil. As iniciativas teriam que ter composição societária de três empreendedores negros ou negras. 

Na abertura do evento, a diretora de Programas do Fundo Baobá, Fernanda Lopes, destacou a importância do programa de Recuperação Econômica. “Esse programa é parte da resposta do Fundo Baobá, frente aos impactos da emergência sanitária na vida da população negra. Sabemos que a pandemia do coronavírus acentuou as desigualdades socioraciais no nosso país. Sabemos como o empreendedorismo negro foi afetado, que a saúde financeira dessas empreendedoras e empreendedores foi afetada. Esse programa tem o objetivo de fortalecer o ecossistema de apoio ao emprendedor negro, envolvendo diversos atores que atuam nesse campo, Esse programa se insere dentro de um eixo prioritário de investimento do Fundo Baobá,  que é o desenvolvimento econômico”, disse. 

O presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá, Giovanni Harvey, enalteceu o espírito das pessoas empreendedoras e chamou a atenção para o incentivo que elas precisam ter. “De forma geral as pessoas acham que aqueles que empreendem não precisam de investimento. E é com muita alegria que vejo instituições como Coca Cola e BV se juntarem a esse tipo de iniciativa. Mais do que ter tido coragem de apoiar essa pauta está a coragem de apoiar uma pauta para os invisíveis. São os mais invisibilizados com o discurso ilusório de que quem empreende não precisa de investimento. A ação de empreendedores negros e negras acontece desde antes da abolição”, concluiu. . 

Giovanni Harvey, presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá

Membro do Conselho Fiscal do Baobá, Marco Antônio Fujihara usou uma analogia para se referir ao espírito empreendedor dos apoiados pelo Programa de Recuperação Econômica. 

“Empreender é como soltar uma pipa. A gente vai soltando corda e ela vai voando. E se a gente tiver muita corda, ela vai voando sempre. Façam essa sua pipa voar muito alto. Mas tenham os pés no chão. Só pelo fato de terem participado desse processo vocês já são liderança”, afirmou

Marco Antônio Fujihara, membro do Conselho Fiscal do Baobá

Heloisa Binello, gerente de Comunicação do Instituto Coca Cola Brasil, e Tiago Silva Soares, gerente de Marketing e Sustentabilidade do Banco BV, falaram respectivamente sobre o que motivou a ideia do edital e a determinação que os apoiados terão que ter. “Nós tínhamos que olhar para o que viria com a pandemia, que era a necessidade de recuperação econômica. Então, espero que essa jornada seja tão importante para vocês como está sendo pra gente”, afirmou.

Heloisa Binello, gerente de Comunicação do Instituto Coca Cola Brasil

Tiago Soares, abordando a determinação, lembrou a trajetória de seus pais como empreendedores. “Minha mãe teve uma banca de jornal, uma pequena livraria e vendeu roupa.  Meu pai foi dono de farmácia. Então, cresci vendo os prazeres e as dificuldades que o empreendedor tem. Parabéns por continuarem em um momento tão difícil pelo qual o Brasil e o mundo estão passando. Espero que seja um caminho muito positivo para todo mundo”, afirmou Tiago Soares. 

Tiago Silva Soares, gerente de Marketing e Sustentabilidade do Banco BV

Representando o FA.Vela, parceiro operacional do Fundo Baobá, estavam presentes João Souza, diretor de Futuros Inclusivos, e  Ludmilla Correa, diretora de Projetos e Programas. “Tivemos a oportunidade de conhecer muitas histórias de resiliência. Particularmente, li, vi e ouvi mais de 200 histórias. Conseguimos desenhar várias experiências e necessidades a partir das escutas que realizamos. Agora, começamos uma jornada incrível para o desenvolvimento de vocês”, disse Ludmilla.

Ludmilla Correa, diretora de Projetos e Programas do FA.Vela

A voz das pessoas apoiadas

Entre as histórias de resiliência vistas  por Ludmilla Correa está a de Ana Verônica Isidorio, do Ceará, da iniciativa Atitudes & Negritudes Cariri, juntamente com Luziana Souza e Antonio Carlos Dias de Oliveira. Mulher lésbica, ela falou da satisfação em ter sido selecionada pelo edital de Recuperação Econômica. “Sou preta, pobre, lésbica e moro longe. A sensação de participar desse projeto é inexplicável. Acreditávamos que seríamos escolhidas. Confiávamos muito no nosso trabalho. Somos de uma região que tem o maior índice de feminicídio do Ceará. Estar aqui é uma grande vitória”, disse Ana Verônica.

Ana Verônica Isidorio, da iniciativa Atitudes & Negritudes Cariri (CE)

Tayná Maysa Passos, do Afroitas – Arte,  estética e gastronomia preta, de Pernambuco, falou da sua esperança de vencer com seu próprio negócio, ao lado de Lucilene Ferreira e Maíra de Melo. “É difícil viver de empreendedorismo. Viver do seu próprio negócio. Mas eu tinha muita esperança de vencer. Agradeço Iansã, que jogou um vento para que a gente ganhasse”, agradeceu.

Tayná Maysa Passos, do Afroitas (PE)

Do Amapá, Rejane Soares e suas parceiras Alcimar Guedes e Nadia Correa formaram o Afrolab Virtual. “É gratificante mostrar que o Norte tem população preta. Que tem mulher preta à frente dos negócios. Que tem gente na nossa luta”, disse Rejane Soares. 

Rejane Soares, Afrolab Virtual (AP)

Encerramento

Coube à diretora executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira, encerrar o evento com uma exaltação aos parceiros do Baobá e um pedido para que incentivem novos parceiros. “O que estamos vendo aqui é o resultado de uma história com muitas intersecções. Esses parceiros têm histórico de trabalho e investem na temática do empreendedorismo há longa data. Quero agradecer a eles, que acreditaram e investiram. Peço que busquem outros parceiros para que a gente possa fazer esse tipo de projeto acontecer. Vamos fazer as placas tectônicas se moverem. Quando a gente fala em empreender trata-se de como vamos mover nossa teia. Trata-se de justiça também. Acreditamos muito na potência desses conjuntos. No poder desses trios de empreendedores e empreendedoras”, afirmou.

Dia Mundial da Saúde: Pouco a celebrar, muito a reivindicar

Hoje, 07 de abril, é celebrado o Dia Mundial da Saúde. A data foi criada no ano de 1948, durante a primeira Assembléia Mundial da Saúde, no qual também foi criada a Organização Mundial da Saúde (OMS). A primeira celebração ocorreu em 1950.

O objetivo da data é garantir o melhor nível de saúde para as pessoas em todo o mundo, através da divulgação de temas importantes para a sociedade e que possam contribuir com a melhoria da qualidade de vida.

Hoje, 71 anos depois da primeira celebração, não há muito o que comemorar. Com a pandemia do novo coronavírus em curso, há um ano, na última terça-feira (6), o Brasil bateu o recorde de morte diárias pela covid-19, foram, ao todo, 4.195 vidas perdidas em 24 horas. Até o momento, já perdemos 337 mil vidas.

No dia 17 de janeiro, a esperança parecia renascer quando Mônica Calazans, uma enfermeira negra, foi a primeira pessoa a ser vacinada no país, no mesmo dia que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o uso emergencial de duas vacinas contra a covid-19 no Brasil: a CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan (SP), e a vacina da Universidade de Oxford/AstraZeneca, que será produzida no Brasil pela Fiocruz (RJ). Porém, dois meses depois, os dados de pessoas vacinadas não avançam com a velocidade que deveriam, os últimos dados revelam que apenas 2,78% da população brasileira foi imunizada com a segunda dose da vacina

Mônica Calazans, a primeira pessoa a ser vacina contra a Covid-19 no Brasil (Foto: Divulgação)

Quando o plano nacional de imunização foi apresentado, populações quilombolas e ribeirinhas foram incluídas no grupo prioritário de vacinação. Entretanto, a realidade é outra. Uma reportagem feita pela Agência Pública, confirma que 28% dos brasileiros vacinados até agora são negros, enquanto brancos representam mais de 52% dos imunizados. Esse número mostra a desigualdade racial em nosso país considerando que 56% da população brasileira se autodeclara negra, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). O  estudo Raça e Saúde Pública, coordenado pela Vital Strategies, mostra que homens negros são maioria no índice de mortalidade por Covid-19 no país, sendo que este grupo representa o dobro do que é formado por mulheres brancas.

De acordo com a Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil, feita pela Fiocruz em parceria com o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), entre os profissionais de enfermagem brasileiros, 42,3% são brancos, enquanto 53% são negros, portanto, é ainda maior o número de profissionais negros na linha de frente do combate ao coronavírus.

Ainda sobre os profissionais da saúde, em especial as enfermeiras negras,  uma pesquisa feita pela Fiocruz Minas e a Rede Covid-19 Humanidades, da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (Easp/FGV), sobre a situação dos profissionais da saúde no combate à Covid-19, mostra que as mulheres negras foram as que mais declararam sensação de despreparo (58,7%) e ocorrência de assédio moral no trabalho (38%). Elas também sentiram medo (54%), desconfiança (28%) e tristeza (53%) em maior proporção do que outros grupos. Por outro lado, homens brancos que afirmaram sentir despreparo para lidar com a crise estão em 33,5%, enquanto aqueles que sofreram assédio moral, 25%.

A Covid-19 jogou luz sobre as desigualdades raciais e sociais existentes em nosso país. Caso não sejam implementadas políticas e ações pró-equidade eficazes, o SUS não se consolida como mecanismo de justiça social e não haverá possibilidades de contribuir com a principal premissa do Dia Mundial da Saúde: a garantia de saúde para todas as pessoas do mundo.

Resgate da ancestralidade no passado, corre pela equidade racial no hoje em busca da colheita no futuro

Por Vitória Macedo e Weslley Galzo, do Perifaconnection

Em um cenário de crise aguda nas áreas social, sanitária e econômica, a educação continua sendo alvo de vilipêndio, como mostra a proposta enviada pelo governo federal ao Congresso Nacional – que pede a retirada de 1,4 bilhão de reais do orçamento do Ministério da Educação em 2021 para o enfrentamento da pandemia do coronavírus. 

Ao mesmo tempo, jovens de baixa renda, em sua maioria negros, sofrem com a falta de equipamento adequado e apoio no desenvolvimento dos estudos em meio à pandemia de Covid-19. Tais problemas dificultam ainda mais a inserção da juventude negra e periférica no ambiente acadêmico.

É nesse contexto de descalabro que surge uma iniciativa corajosa e potente, o programa “Já É: Educação e Equidade Racial”. Seu intuito é oferecer bolsas em cursos preparatórios para o vestibular, disponibilizar notebooks, apoio psicopedagógico e benefícios de permanência – como auxílio transporte e alimentação – para que jovens afetados pela erosão das bases da educação não sejam desamparados na busca pelos seus sonhos.

A iniciativa do Fundo Baobá para Equidade Racial em parceria com a Fundação Citi, Demarest Advogados e Amadi Technology, ocorre no ano seguinte ao de maior abstenção na história do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As taxas variaram entre 55% e 72% de não comparecimento.

Dentre os vários propósitos, o programa foi pensado como estratégia de enfrentamento da realidade apresentada pelos números. Nesse contexto, o Já É surge para que 100 jovens negros selecionados, das periferias da capital paulista e da Região Metropolitana de São Paulo, não desistam dos seus sonhos – por conta da impossibilidade de se preparar adequadamente.

Após a seleção das e dos estudantes — que se mostraram potenciais lideranças, ativistas ou empreendedores a serem lançados em suas carreiras profissionais por algumas das instituições mais prestigiadas do país –, o Fundo Baobá convidou o Perifaconnection para contar as histórias dessa molecada.

Uma equipe formada por jovens jornalistas pretxs contando a trajetória de uma juventude que compartilha dos mesmos anseios em relação ao futuro.

O Perifaconnection, então, uniu as potências do jornalismo brasileiro presentes nas quebradas de três regiões do país (Sul, Sudeste e Nordeste), na missão de rememorar o passado da garotada do Já É e prestar escuta atenta aos seus desejos em relação ao futuro. 

Parceria Fundo Baobá e Perifa Connection para a divulgação do Programa Já É

Os 14 profissionais de comunicação envolvidos nessa empreitada, em sua maioria mulheres, experimentaram a potencialidade dos seus respectivos trabalhos e gozaram da possibilidade de explorar a subjetividade da sua negritude em grupo. 

O bonde está espalhado em Guaianazes, São Miguel Paulista, Cidade Tiradentes e Grajaú, em São Paulo, no Pantanal em Duque de Caxias, também no Engenho Novo, Santa Tereza e Jacarezinho no Rio de Janeiro até a Casa Amarela, em Recife. Além de um olhar atento à Região Metropolitana com uma representantes no Planalto, em São Bernardo do Campo, e em Franco da Rocha.

Entre as e os jovens selecionados, a maioria é mais nova do que o grupo de repórteres, e isso fez com que uma relação mútua de espelho fosse criada. Tanto entrevistades se inspiravam em quem estava ali para ouvir suas histórias, quanto entrevistadores relembravam a fase que viveram para entrar na universidade. 

Ainda que muitos tenham saído agora do ensino médio e estejam vivenciando o início da vida adulta, é perceptível que essa juventude tem um vasto conhecimento de mundo.

Esses jovens que participam do Programa Já É são crias das periferias e sabem o significado de entrarem no ensino superior. Seja pelo desejo de mudar a realidade em que foram criados, transformar e inspirar a vida de outros semelhantes, ou por fazer a diferença na família. 

O apoio familiar é algo que se destaca em grande parte das conversas que compuseram a obra. Quando reconhecemos a luta ancestral e todo o caminho percorrido pelos que vieram antes de nós, a valorização pelo que acontece hoje é praticamente instantânea, além da garra para conquistar um futuro melhor, e isso esses jovens têm de sobra. Muitos vieram de famílias cujos pais não tiveram acesso ao sistema de ensino, talvez por isso se desdobram tanto ao apoiarem os filhos na conquista de um sonho que é coletivo.  

Nesta seleção, temos jovens negros diversos, cada um com sua subjetividade. Diante de narrativas que sempre colocam o negro no lugar do “outro”, retirando qualquer resquício de sua humanidade, as e os 100 jovens selecionados, dentre eles mães, transexuais, cisgêneros, héteros, homossexuais, são conscientes de suas particularidades e capacidades que definem o seu lugar no mundo. 

Alguns têm o sonho de empreender, enquanto outros querem ser artistas, ou funcionários públicos. Entretanto, todos têm o mesmo objetivo: entrar em uma universidade.  

Para colocar no papel tantas histórias potentes e complexas em sua subjetividade foi necessário um corpo de repórteres que se envolveu emocionalmente com cada fala, até mesmo por já terem vivido na pele alguns dos relatos. 

Contar o passado e a visão de futuro desses jovens foi um trabalho de fé baseado em dedicação, por acreditarmos nas mudanças concretas que serão promovidas pelo projeto. 

Em 2 meses de trabalho, foram realizadas 25 reportagens, 100 perfis, mais de 15 reuniões de pauta e acompanhamento, cerca de 1.500 minutos de captação de áudio, mais de 150 páginas de texto e uma síntese grandiosa em 7 minutos de vídeo. Esse é o fruto do trabalho de uma juventude que acreditou no chamado para fazer parte de uma iniciativa emancipadora de mentes e construtora de realidades que gozam do bem viver. 

Por fim, com a bolsa na mão, os 100 jovens negros terão acesso a conteúdos preparatórios para o vestibular e vão assumir compromissos com a entidade e os seus próprios futuros. Desse modo, o Programa Já É vai monitorar alguns indicadores importantes durante esse percurso. 

Dentre eles, a frequência dos alunos nas atividades que integram e iniciativa, a evolução de nota nas provas simuladas aplicadas pelo cursinho pré-vestibular, os alunos que ingressam na universidade via Sisu ou Prouni, também aqueles que tiveram pontuação igual ou maior a 450 no Enem, bem como a evasão durante os 12 meses do projeto. 

Um programa como esse nos faz pensar: o que queremos para o futuro dos nossos jovens? Diante da criticidade da situação que o país enfrenta, em que a educação não é valorizada e o genocídio dos jovens negros é vigente, o Programa Já É vem com o objetivo de subverter realidades e garantir possibilidades de mudanças concretas. É a partir de ações coletivas, em comunidade, que faremos um mundo melhor. 

Nas histórias de cada um desses jovens, conscientes do mundo onde vivem e cheios de gás para ir atrás dos sonhos, vemos como as relações humanas são interdependentes e que sempre precisaremos dos nossos para seguir.