Um raio-x da saúde da população negra no Brasil em meio à pandemia

Coronavírus expõe os perversos efeitos da desigualdade que penaliza quilombolas, ribeirinhos, pescadores e pessoas em situação de rua  

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde em abril mostram que 1 a cada 3 mortos por Covid-19 no Brasil é negro, embora pretos e pardos somem 1 a cada 4 brasileiros internados com a síndrome respiratória aguda grave. Embora assustadores, esses dados não representam a realidade e podem ser até mais impactantes, segundo Luís Eduardo Batista, coordenador do GT Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e pesquisador do Instituto de Saúde da Secretaria de Saúde de São Paulo. 

Luís Eduardo Batista
(Coordenador do GT Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e pesquisador do Instituto de Saúde da Secretaria de Saúde de São Paulo)

Ele explica que, embora existam dois instrumentos utilizados pela vigilância epidemiológica  para notificar doenças e agravos no Sistema Único de Saúde (SUS) – o e-SUS e o e-SUS VE (DATASUS) –  somente há poucos dias a variável raça/cor foi incluída. “O preenchimento desses campos é fundamental para se ter uma visão mais realista e fundamentada”, afirma o pesquisador.

Rita Helena Borret, médica da família e comunidade, membro do coletivo Negrex de estudantes de medicina e médicos negros e que também é coordenadora do GT Saúde da População Negra, na Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, concorda. “Há dificuldade de acesso para a população negra à saúde. E, quando olhamos a quantidade de óbitos, vemos que há mais gente morrendo do que em estado grave. Isso evidencia subnotificação”, destaca.  Ela ressalta ainda que um dos motivos para discutir os dados desagregados por raça/cor é reconhecer que no nosso país não existe equidade no acesso à saúde, porque o cuidado nessa área é ofertado de maneira desigual ainda que o SUS oriente a ofertar mais a quem mais precisa, ou seja, ofertar assistência e cuidado de acordo com as necessidades. 

Médica Rita Helena Borret

Segundo Rita, o racismo institucional no Brasil é histórico e, ao longo dos anos, não permitiu que fossem criadas políticas públicas para garantir acesso ao trabalho, à moradia digna, à terra. “O que vemos hoje é esse acesso desigual reforçando quem, neste país, está autorizado a morrer porque tem menos valor”, destaca a médica. Ela acredita que as disparidades e desigualdades vão fazer com que a letalidade seja muito diferente quando a sociedade olhar para a população negra e para a não negra.

O pior ainda está por vir  

Luís Eduardo acredita que, em breve a sociedade brasileira poderá assistir, sim, a uma nova onda de contágio. Muitos pesquisadores argumentam que houve duas ondas anteriores: a primeira atingiu a classe média, que teve contato com o vírus no exterior.  A segunda teve como foco as comunidades. A terceira, então, será cruel com as populações em situação de rua, marisqueiras, pescadores, quilombolas, as pessoas privadas de liberdade e as que vivem em assentamentos.

“Não estão olhando para as pessoas em situação de extrema pobreza, que dependem do lixo para sobreviver, os cuidadores de idosos e as que vivem em regiões sem acesso à água, esgoto e políticas públicas”, completa Luís. De acordo com ele, essa pandemia vai escancarar as diferenças da nossa sociedade principalmente porque “o Sistema Único de Saúde leva um tempo para chegar até essas pessoas”.

Rita Helena concorda e argumenta que a pandemia evidencia o acesso desigual à saúde, pois uma parte da população consegue acessar direitos básicos e outra parte não. Portanto, sem acesso também a saneamento,  medidas e insumos de prevenção, pode-se esperar um genocídio. Segundo ela, a pandemia chegou às comunidades mas não alcançou o pico nem chegou perto do que efetivamente será visto em breve. “Temos um cenário bastante complicado, com áreas em que há grande concentração de pessoas por metro quadrado e falta de saneamento básico”, alerta. 

Aliás, estudo recente realizado pela Fundação Oswaldo Cruz detectou presença do novo coronavírus em esgotos sanitários. Ou seja: existe um alto potencial de transmissão e pouco ou nenhum acesso a medidas de contenção da doença. “Outra questão que a gente não conhece é como o vírus vai se comportar ao cruzar com a tuberculose, que é extremamente comum na favelas e periferias do Rio de Janeiro”, lembra.

Parando o ciclo 

O pesquisador Luís Eduardo Batista explica que é possível interromper esse quadro antes que realmente seja assustador e que se repita por aqui o que foi visto em outros países e, sobretudo nos Estados Unidos. Em Chicago, por exemplo, 68% das mortes pelo vírus foram de afro-americanos. Vale lembrar que, nessa cidade, a expectativa de vida dos negros é 8,8 menor que a de brancos por diferenças históricas estruturais. Percentuais próximos a esse se repetiram no Alabama (44%) e Louisiana (70).

Uma das medidas para interromper o ciclo, de acordo com ele, é olhar para as necessidades da população. “Os hospitais de campanha estão localizados em que regiões?”, indaga. “Um suporte importante poderia ser dado pelos agentes de saúde”: como conhecem as comunidades em que atuam, esses profissionais têm condições de mapear quem está mais exposto e faz parte dos grupos de risco, como idosos, hipertensos, diabéticos, portadores de doenças falciformes e com doenças pulmonares obstrutivas. “Os agentes comunitários têm condições de identificar e ter cuidado com essas pessoas, evitando que se transformem em doentes e, depois, em estatísticas”.

A médica Rita Borret vai além. Diz que é necessário radicalizar a quarentena, garantindo não apenas que as pessoas fiquem em casa, mas que, permanecendo em isolamento, tenham condições financeiras de se sustentar. “Obrigar as pessoas a escolher entre ficar em casa para se preservar ou sair para trabalhar e conseguir dinheiro para comer, é muito cruel”. É essencial exigir que os governantes cumpram o papel que cabe ao Estado em prover condições para o exercício dos direitos básicos. “Somente dessa forma vamos garantir que essa pandemia não vai se transformar em um genocídio, especialmente da população preta e periférica”, confirma ela. Para isso, Rita defende que sejam exigidas do Estado mais ações estratégicas que garantam a equidade da saúde, mais leitos de internação e de CTI, além de respiradores – a fim de que não se reproduzam aqui os números alarmantes da Itália, China e Espanha.

“Vou parafrasear a médica Jurema Werneck. Ela sempre diz que a vida vai ser melhor para a população brasileira quando for melhor para a população negra”, sintetiza. Na verdade, uma sociedade nunca será realmente igualitária se uma parcela tiver todos os direitos garantidos e a outra parte simplesmente morrer sem acesso a nada.

Iniciativas capricham na divulgação sobre a doença para combater avanço nas periferias

Para tentar frear a letalidade do vírus nas comunidades, várias campanhas de divulgação foram criadas para disseminar informações verdadeiras e orientar os moradores. Uma delas foi lançada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz Rio) no início de abril: “Se liga no Corona!”.  A iniciativa contou com parceria da Redes da Maré e outras organizações de Manguinhos e tem o objetivo de prevenir a disseminação da Covid-19 nas favelas, falando de forma objetiva e bem direta com essas comunidades.  

A Fiocruz havia identificado que a maioria dos materiais de divulgação contra o doença era voltada para a classe média, sugerindo isolamento no quarto, uso de álcool em gel e evitar aglomerações – situações que fogem da realidade da maioria dos moradores das periferias. Por isso, foram criados spots para carros de som, rádionovelas, peças e vídeos para mídias sociais, além de cartazes para expor em locais como pontos de ônibus, táxi e áreas de grande circulação de pessoas – todos em linguagem didática e acessível.  Esses materiais estão disponíveis no portal da Fiocruz e no Maré online para serem baixados.

A campanha também tem o selo “Fiocruz tá junto”, criado para ser usado nos materiais enviados por organizações parceiras e validados pela fundação. O portal conta ainda com outros materiais sobre a doença e uma área com perguntas e respostas. A seção “fale conosco” responde  dúvidas da população sobre a doença. Para divulgar os materiais, a Fiocruz também promoveu uma coletiva para falar com especialistas em comunicação popular.

Para quem quer ajudar

O Fundo Baobá abriu edital para apoiar ações de prevenção em comunidades mais vulneráveis. Para saber mais, clique aqui. Para apoiar esta iniciativa, clique aqui.