Fundo Baobá participa de lives sobre luta antirracista e equidade racial no mercado de trabalho

A luta antirracista, o mercado de trabalho, a pandemia do novo coronavírus  e o impacto na população negra foram alguns dos temas das lives e webinars que contaram com a participação do Fundo Baobá para Equidade Racial, na figura das suas diretoras Selma Moreira e Fernanda Lopes, durante o mês de julho.

A primeira live do mês aconteceu no dia 1º de julho. Com o tema “Como as práticas integrativas e complementares podem ajudar no cuidado da saúde mental em tempos de isolamento social”, o evento virtual foi organizado e mediado por Evânia Maria, socióloga, ativista, educadora em saúde e apoiada pelo Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco, iniciativa do Fundo Baobá em parceria com Instituto Ibirapitanga, Fundação Ford, Open Society Foundations e Fundação Kellogg, e contou com as participações da diretora de programa do Fundo Baobá, Fernanda Lopes, bem como da médica da família e comunidade, Iracema Benevides. Em sua participação, Fernanda Lopes, falou sobre os objetivos e prioridades de investimentos do Fundo Baobá, sobre ações desenvolvidas para apoiar pessoas e comunidades no combate ao coronavírus. Comentou também sobre o Programa de Aceleração e Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco, e dos aspectos relacionados a saúde das mulheres negras no contexto da pandemia e sobre como o Fundo Baobá tem dado suporte para aquelas que estão sendo apoiadas atualmente.

No dia 3, foi a vez de Selma Moreira participar do bate-papo “Raça e Mercado – O Impacto do Racismo no Mercado”, uma iniciativa co-liderada por Afrobusiness, Diáspora Black, FGV EAESP e Preta Hub. Além da diretora-executiva do Fundo Baobá, participaram também Daniel Teixeira (CEERT – Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade), Marcelo Paixão (Professor – The University of Texas at Austin) e Marcio Macedo (Professor FGV EAESP). 

 

Fernanda Lopes foi uma das convidadas do programa Sala de Convidados do Canal Saúde, da Fiocruz, no dia 10, junto com a psicóloga e representante do Instituto Amma Psique Negritude Clélia Prestes e com o Sociólogo da Fundação Hermínio Ometto, Danilo Morais.  Com apresentação de Yasmine Saboya e com o tema “Racismo e Manifestações na Pandemia”, teve como ponto de partida o caso George Floyd nos Estados Unidos, que desencadeou uma série de protestos antirracistas no mundo, mesmo diante de uma pandemia mundial. Em sua fala, Fernanda frisou. “Nós precisamos falar em como construir uma sociedade justa, na qual todas as vidas importam e que a dignidade seja um valor real a ser experimentado por todas as pessoas. Quando o movimento chama a atenção para a necessidade de discutirmos justiça e de enfrentarmos o racismo, nós também reiteramos a certeza de que o racismo fere, desequilibra, adoece e mata. É isso que a gente precisa discutir todos os dias para construir caminhos de transformação e de mudança sustentável.” 

https://youtu.be/NwS4_iOVqeg

Na mesma semana (12) Fernanda Lopes também participou da live “Ação Catadoras”, uma iniciativa para ajudar as catadoras de materiais recicláveis a desenvolverem os seus projetos. O bate-papo foi conduzido pelo ator e produtor cultural Max Mu e contou com a participação da Presidenta da Cooperativa Granja Julieta, Mara Sobral. Na ocasião, Fernanda falou da importância dos editais lançados pelo Fundo Baobá neste mês – Edital Para Primeira Infância no Contexto da Covid-19 e o Programa Já É. “É essencial esse espaço de trabalhar as bases e de garantir que nós tenhamos voz e vezes, não apenas uma vez, mas vezes, para que a gente possa ser o que a gente quiser, e não o que acreditam que nós devamos ser”, ressaltou.  

https://youtu.be/mjMo58_XJlo

Já no dia 21, contamos com Selma Moreira em dose dupla. Às 15 horas, ela participou ao vivo do programa de Nice Lima na “Frei Caneca FM”, de Recife, também falando sobre os editais lançados em julho e do trabalho da organização na promoção da equidade racial. “O Fundo Baobá nasce na perspectiva de ofertar oportunidades de inclusão e desenvolvimento para a população negra”.

https://www.instagram.com/tv/CC6gy0OHFgE/?igshid=yeon5dzqtb66

E às 17 horas, foi a vez do bate-papo “O papel da comunicação na luta antirracista”, organizado pela Rede Narrativas, e que também contou com a participação de Cristina Fernandes (Podcast Ideias Negras e Instituto Vladimir Herzog), Fernanda Nobre (Fundação Tide Setubal), Mohara Valle (Instituto Ibirapitanga), e mediação de Andréia Coutinho (Instituto Clima e Sociedade). 

Sobre o tema principal, Selma disse: “As organizações sociais do movimento negro, em geral, a grande maioria, não tem orçamento para operar na sua essência e para desenvolver a sua atividade final. Portanto, a gente precisa encontrar os meios para garantir que mais recursos alcancem as instituições, para o seu fortalecimento e, por consequência, para o desenvolvimento de uma estratégia de comunicação adequada à finalidade da pauta de luta antirracista e da promoção da equidade racial”

Veja aqui

Selma Moreira participou de mais uma live, desta vez no dia 23, organizada pela Escola Social do Varejo, sobre “Raça Gênero e Mundo do Trabalho”. Na ocasião, ela divulgou o Edital Já É e falou das dificuldades de jovens negros para o acesso ao ensino superior: “No caso da população negra, as dificuldades são ainda maiores. Quando a gente fala de prestar um vestibular, todo mundo vai prestar a mesma prova, só que algumas pessoas tiveram a chance de se preparar para esse vestibular a vida toda. Enquanto, para outras pessoas, existe a realidade de conciliar a escola com o trabalho”.

Veja aqui  

E no dia 24, na véspera do Dia da Mulher Negra, o Fundo Baobá esteve em duas lives. Fernanda Lopes participou às 19h da 2ª edição do “Buyìn Dudu: Recontando Nossas Histórias”, organizado pela coletiva Abayomi Mulheres Negras – Paraíba. Na ocasião, foi concedida uma premiação para as mulheres negras que atuam na perspectiva da afirmação da identidade negra e do enfrentamento ao racismo na Paraíba, em diferentes espaços de atuação. Já Selma Moreira participou às 20h do Congresso “Mulheres Negras: Entre Dororidade e Potencialidade”, organizado pela Abayomi Juristas Negras e OAB – Pernambuco, no painel “Mulheres Negras em Espaços de Poder”.

2ª edição do “Buyìn Dudu: Recontando Nossas Histórias” – Abayomi Mulheres Negras – Paraíba