Foco na igualdade de oportunidades

Conheça os propósitos que norteiam a Citi Foundation no Brasil e no mundo

Trabalhar para promover o progresso econômico e melhorar a vida das pessoas em comunidades de baixa renda em todo o mundo. Com essa visão, a Citi Foundation, associação de investimento social do Citibank, apoia diversas causas filantrópicas e desenvolve parcerias com organizações comunitárias que buscam acelerar mudanças na sociedade, por meio de soluções inovadoras e eficientes.

Presente em diversos países, sua atuação é marcada também por grandes números. Entre 2017 e 2019, foram investidos US$ 194 milhões no combate ao desemprego juvenil. Para os próximos 10 anos serão alocados US$ 164 bilhões para apoiar frentes de Environmental, Social and Governance (ESG). No Brasil, a Citi Foundation atua desde 1999 e já investiu R$ 7 milhões em projetos no período de 2019 a 2020. Nesta edição, a história que faz diferença na vida de milhares de pessoas é contada por Katia Oliveira, head de Public Affairs do Citi Brasil

Boletim Desde quando você está à frente da área de Marketing e Relações Públicas da Citi Foundation no Brasil? No nosso país, qual o principal foco de atuação?

Katia Oliveira – Ingressei no Citi em novembro de 2018. O foco dos projetos da Citi Foundation são: inclusão financeira, oportunidades econômicas para jovens e transformação urbana. No momento, as instituições apoiadas são: o Fundo Baobá para Equidade Racial, o Instituto Reciclar, a Laboratória, a Organização dos Estados Americanos (OAS, na sigla em inglês) e a NESsT. Além disso, em meio à pandemia global, um projeto envolveu também o Citi e mais de US$ 65 milhões até o momento em apoio aos esforços de ajuda comunitária relacionados à Covid-19. O Citi continua a tomar medidas proativas para preservar o bem-estar dos funcionários em todo o mundo, incluindo prêmios de remuneração especial para 75 mil colegas, para ajudar a aliviar os encargos financeiros dessa situação. No Brasil, a associação doou R$ 1 milhão para o Hospital Santa Marcelina, localizado na zona leste da cidade de São Paulo. Esse valor ajudará na criação de uma Central de Orientação sobre a Covid-19, por meio da qual pacientes poderão receber informações e orientações médicas, mesmo de locais distantes, por meio da telemedicina. O projeto contará com 96 médicos(as), 30 técnicos(as) de enfermagem, 6 enfermeiros(as) e 30 computadores.  

Boletim Como são enfrentadas as questões de cunho racial nos Estados Unidos e no Brasil? Por que investir em projetos de fundações, ONGs, institutos e fundos que lutam pela equidade?

Katia Oliveira – Um dos pilares do Citi no mundo é contribuir para uma sociedade mais igualitária e justa. O banco anunciou a doação de US$ 10 milhões para ajudar organizações que trabalham para aumentar oportunidades e combater a desigualdade. Esse valor será dividido da seguinte forma: US$ 8 milhões serão doados para quatro instituições de direitos civis e justiça racial, abordando uma série de questões como direitos de voto, disparidades de renda e riqueza e discriminação habitacional. São elas:  NAACP Legal Defense FundLawyers’ Committee for Civil RightsNational Urban LeagueNational Fair Housing Alliance. Outros US$ 2 milhões serão destinados a uma campanha interna para incentivar os funcionários a ajudar organizações de suas escolhas, que lutem por igualdade racial e direitos humanos. A cada US$ 1 doado por funcionários (as), o Citi doará US$4 para UNCFManagement Leadership for Tomorrow.

Boletim Qual é o papel de fundações, como a do Citi, na busca por um mundo mais justo e igualitário?

Katia Oliveira – Somos uma organização que defende a diversidade e a inclusão e estamos dispostos a defender esses valores quando são ameaçados. Acreditamos que devemos apoiar as comunidades em que atuamos para diminuir as desigualdades sociais. Por isso, apoiamos projetos que contribuem para a formação de jovens e seu ingresso no mercado de trabalho, para as finanças inclusivas e para a melhoria urbana.

Katia Oliveira, head de Public Affairs do Citi Brasil

Boletim Além da parceria com o Fundo Baobá, em que tipo de iniciativa (ou áreas) a Citi Foundation investe?

Katia Oliveira – Apoiamos as quatro instituições já citadas. O Instituto Reciclar atua na formação e inserção de jovens de 15 a 19 anos da rede pública no mercado de trabalho, a Laboratoria tem um programa para recrutar, treinar e inserir mulheres jovens de baixa renda como desenvolvedoras web no Brasil, contribuindo para sua inclusão social, a OAS prepara prepara jovens urbanos de baixa renda do Brasil para carreiras em segurança cibernética, e a NESsT tem projetos que apoiam o empreendedorismo, a inclusão financeira e a criação de empregos no Brasil.

Boletim Para finalizar, que recado você gostaria de deixar?

Katia Oliveira Vivemos um dos períodos mais desafiadores da história recente com a pandemia da Covid-19. Sabemos que essa crise tem um impacto expressivo nas comunidades mais vulneráveis no mundo todo. Nos próximos anos, os bancos terão um papel importante para ajudar as pessoas e a sociedade a se recuperarem dessa pandemia. O Citi continuará focado em apoiar seus clientes e as comunidades nas quais está presente.