Mães que choram

Hipertensão, infarto e depressão são algumas das doenças que atingem as mulheres que perdem os filhos para a violência

Maio é considerado simbolicamente o “mês das mães”, em virtude da festividade celebrada na segunda semana. Entretanto, no Brasil, nem todas as mães têm motivos para comemorar. A morte do jovem João Pedro Mattos Pinto, no dia 18 de maio de 2020, enquanto brincava dentro de sua casa no bairro de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, é apenas mais um caso de um fenômeno que já começa a ser estudado: as maternidades interrompidas pela violência. 

Jornalista e mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília (UnB), Maíra Brito lançou em 2018 o livro “Não. Ele Não Está” (Appris Editora), que denuncia justamente o extermínio da juventude negra no Brasil. “Este livro nasce da angústia e da indignação. Em 2015, 31.264 jovens entre 15 e 29 anos foram vítimas de homicídios no Brasil. Se contabilizarmos o número de mortos entre 2005 e 2015, encontramos o assustador dado de 318 mil jovens assassinados. Os números ficam ainda mais preocupantes quando desagregados por sexo, idade e  raça. Em 2015, 47,8% dos mortos foram homens jovens e, em um intervalo de 10 anos, a taxa de homicídio de negros (pretos e pardos) cresceu 18,2%, enquanto a taxa entre não negros caiu 12,2%.” 

Maíra Brito, Jornalista e mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília

Todos esses números apresentados por Maíra são do Mapa da Violência. Porém, o livro traz a sensibilidade de apresentar esses dados e contar essas histórias sob a ótica de quem ficou. “Interessa saber quem são as mães que estão vendo as vidas de seus filhos abreviadas precocemente e de maneira tão violenta, e quais são as percepções delas sobre a influência da raça, do gênero e da classe nessas mortes”. O título do livro, “Não. Ele Não Está”, segundo a autora, “é uma nítida referência à ausência desses jovens em casa, em suas famílias, em suas redes de amigos, no mercado de trabalho e na produção de cultura e de conhecimento.”

Para produzir o livro, Maíra deixou Brasília, sua cidade, rumo ao Rio de Janeiro para encontrá-las. “O primeiro contato com as mães entrevistadas aconteceu por meio da internet. Eu expliquei a pesquisa, elas toparam falar”. A autora também afirma a importância de ouvir essas mulheres, dentro desse contexto. “Acho importante destacar que essas mães aceitaram falar comigo porque acreditaram que meu trabalho seria uma espécie de alto-falante para a luta delas por memória e justiça. Em nenhum momento, eu ‘dou voz’ a essas mulheres. Minha dissertação e meu livro propagam o que elas estão dizendo, mas que nem sempre chega a todos ambientes, como o mundo acadêmico.”

Outra obra que relata o sofrimento das mães que perderam os seus filhos jovens é o documentário “Nossos Mortos Têm Voz”, com a direção de Fernando Souza e Gabriel Barbosa. Lançado em 2018, o filme traz o cotidiano e a luta de mães da Baixada Fluminense (RJ), que sentem saudades dos filhos que foram precocemente arrancados de seus braços. É o caso de Luciene Silva, que teve o seu filho Rafael Silva assassinado na chacina na Baixada Fluminense, ocorrida em 2005, vitimando 29 pessoas. 

Cena do Filme “Os Nossos Mortos Têm Voz” (2018)

“Quando eu enterrei o Rafael, eu fiz a promessa pra ele que eu nunca iria deixar que ninguém esquecesse o que tinha acontecido naquele dia”. A fala de Luciene demonstra nitidamente a sede de justiça e o sentimento de indignação que move essas mulheres. É também o caso de Nívia do Carmo Raposo, outra entrevistada do filme, que teve o filho morto com um tiro nas costas em Nova Iguaçu. “As pessoas acham que eu sou forte, é horrível o que eu vou dizer, mas tem dias que o ódio é mais forte que a minha dor.”

Mortes pelo país Em São Paulo, a letalidade de jovens negros assusta. Segundos dados do portal Dados do Portal da Transparência da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP), referente ao ano de 2018, a cada 10 pessoas mortas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo, seis eram negras (pretas ou pardas). No ano de 2017, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou um estudo referente a idade dos mortos pela PM em São Paulo e concluiu que pessoas com faixa etária entre 19 e 24 anos representavam a maioria das mortes com 40,3%, seguido de jovens entre 14 a 18 anos com 24,9%. 

As mortes surpreendem também em outras áreas do país, como nas regiões Norte e Nordeste. O estudo feito pelo Atlas da Violência, em 2019, mostra que entre 2016 e 2017 a taxa de homicídio de negros tinha aumentado 333% no estado do Rio Grande do Norte e 277% no Acre. Entretanto, o recorde de desigualdade fica para o estado de Alagoas, local que outrora foi fundado o Quilombo de Palmares, no período da escravidão. Lá a taxa de homicídio de negros é mais de 18 vezes maior que a de não negros. O tema violência contra juventude negra, integra o eixo Viver com Dignidade, uma das prioridades de investimento para o Fundo Baobá.

Mais do que números, essas mortes têm reflexo direto nas mães desses jovens, segundo explica Clélia Prestes, doutora em Psicologia Social, integrante do Instituto AMMA Psique e Negritude, de São Paulo. “Quando não são diretamente atingidas pelas estratégias de extermínio que alcançam homens negros e jovens negros, além de mulheres negligenciadas pelo Estado – elas têm sequelas”, afirma. “Mesmo quando sobrevive, a mãe de um jovem negro assassinado pode chegar a óbito por pressão alta, infarto e depressão”, diz. É a possibilidade de uma morte em vida, que ocorre “quando a possibilidade de viver e viver dignamente é atingida.” 

Clélia Prestes, Psicóloga doutora em Psicologia Social, integrante do Instituto AMMA Psique e Negritude, de São Paulo