Educação como passaporte para o resgate das origens

Givânia Maria da Silva, 54 anos, é doutoranda do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), graduada em Letras, mestre em Políticas Públicas e Gestão da Educação, também pela UnB, e autora do livro “Educação e Luta política no quilombo de Conceição das Crioulas” (Ed. Appris). Nascida nesse quilombo, no interior de Pernambuco – comunidade que surgiu no início do século XIX a partir da organização de um grupo de mulheres, – ela foi a primeira a se formar como professora. Longe de ser motivo de orgulho, esse é um fator de inquietação porque mostra as dificuldades de acesso a tudo, principalmente ao ensino, direito básico e fundamental de qualquer pessoa. Acompanhe sua entrevista.

Boletim Você nasceu no quilombo. Como foi ultrapassar tantas barreiras e se tornar professora?

Givânia – Fui a primeira na comunidade a me formar professora. Formei-me cedo, tendo o compromisso de olhar para o lado e ver que as da minha idade e as mais velhas não chegaram onde cheguei. Foi um processo complexo porque até aquela época, os homens completavam o Fundamental e tinham como destino ir para São Paulo. As terras já tinham sido invadidas e a agricultura se desvalorizava. Então, o destino era ir para São Paulo se tornar a força braçal dessa metrópole que, embora tenha sido construída com a mão de todos, reconhece poucos. Mulheres se tornavam empregadas domésticas ou permaneciam na agricultura com os problemas que já citei. Sou um pouco o desnível dessa curva de trajetória daquele momento. Saio do lugar onde ninguém estudou porque não teve oportunidade para ser professora desse lugar e, por meio da educação, alcançar outras possibilidades. Não conto com alegria o fato de ter sido a primeira a me graduar no território. Significa que o direito à educação nos foi negado.

Boletim Quando você olha a sua trajetória, o que foi mais impactante nessa caminhada e quais os principais desafios?

Givânia – Tornando-me professora e tomando  consciência dessa comunidade (foi um processo de reconstrução, pois não aprendemos sobre isso na escola, mas nas articulações com o movimento negro e na pastoral da juventude), faço desses aprendizados um lugar de inquietação. Em 89, passei a querer saber quem éramos, de onde tínhamos vindo. Então, fomos construir a história das Crioulas. Em 95, com a mudança de gestão do município, elegemos uma professora e pleiteamos a construção de uma escola na comunidade. Foi difícil, mas conseguimos e eu me tornei a primeira diretora. Implantamos a proposta de pensar a educação a partir do território. Aos poucos, esse projeto foi se consolidando e, este ano, completou 25 anos. Foi essa proposta que inspirou a construção das diretrizes curriculares para a educação escolar quilombola. Hoje, é possível completar até o ensino médio ali e isso tudo é fruto da luta e mobilização dessa comunidade.

Givânia Maria da Silva, doutoranda do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB)

Boletim – Qual o saldo desses esforços?

Givânia – Temos  na comunidade um projeto politico-pedagógico que orienta quatro escolas do território. Existe uma lei municipal determinando que essas escolas realizem concurso público para admitir professores quilombolas. Sim, existe o professor quilombola e isso é assegurado por lei. Todos os professores têm curso superior e alguns possuem mestrado. Tudo foi construído a partir de uma pessoa que se formou e entrou na universidade privada. Nada é mérito meu, mas da construção coletiva. Há pessoas com 70, 74 anos que voltaram a estudar. Minha tia, Maria Antônia, se formou aos 60 anos em magistério (que depois virou Normal médio). Para nós, a educação precisa ser compreendida como direito e instrumento de luta política. Continuo acreditando que a educação é um dos fenômenos importantes para a mudança na vida das pessoas, desde que esteja relacionada à vida delas. 

Boletim – O que ainda falta para construirmos uma sociedade mais igualitária?

Givânia – Acho que deixarmos de pensar em uma possibilidade única de conhecimento e de modelo de vida, transformando essa visão em conhecimento que se complemente e não que divirja. É curioso como o Brasil se apropria tanto da cultura negra e não reconhece os donos da cultura.  Toma de assalto a cultura africana, mas não reconhece. Eu ficaria apenas com a música e culinária para não me estender a outros temas. Fala um português que não é de Portugal, mas a mistura do indígena, do negro e português. Mas só reconhece o português como sua legítima língua. Por isso, não falo mais que índios usam dialetos. Se a língua portuguesa é uma língua, as outras também são. Outra questão é que uma sociedade que se pauta e foi construída a partir de invasão de terra e estupro e acredita que o embranquecimento é um valor importante para desenvolvimento é difícil de se reconstruir. A escola continua silenciando esses povos e a gente não gosta do que não conhece. Continuo acreditando que a educação é o elo de transformação social e de mudança de perspectiva de vida. 

Boletim – De que forma? 

Givânia – Quando falo de educação, não me refiro ao sentido formal. As universidades e os centros de formulação do pensamento perdem pela falta de humildade em reconhecer que a academia não é o único lugar de formulação de conhecimento. Perdem de aprender e de recontar a história do Brasil de forma mais justa, pois a história que conhecemos hoje é a que foi contada pelos colonizadores. Em Conceição, construirmos nossa história a partir do quilombo. Esse território negro, quilombola, misturado com indígena e descendente de africanos me dá responsabilidade e traz os elementos que preciso buscar para debater essa história pela educação. 

Boletim – Qual a mensagem que você gostaria de deixar para reflexão das pessoas?

Givânia – Nós negros precisamos disputar espaços na universidade. Estou na universidade pelo único objetivo de disputar pensamento lá dentro. Mas é o lugar de estar presente. Começo o ano perguntando aos meus alunos o que sabem de autores negros e negras. Sabem pouco porque não tiveram essa oportunidade. Então, a mensagem que deixo aqui é para olharmos para nós mesmos e não nos contentarmos em ser apenas sensíveis ao racismo. A sociedade falhou. Todos falhamos, família, escola… A mensagem então é para olharmos para dentro de si e ver o tamanho do opressor. Somos todos frutos de uma sociedade racista.  Precisamos olhar para dentro e não calarmos mais. É hora de brancos e negros se unirem para não só combater, mas exterminar o racismo.