Vozes que transformam

Fazer ecoar as falas das mulheres negras e dar representatividade para elas no ambiente político e em toda a sociedade. Esse é o foco  destas duas iniciativas empreendidas por organizações apoiadas pelo Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco, que é apoiado pelo Instituto Ibirapitanga, Fundação Ford, Open Society Foundations e Fundação Kellogg.

Por meio do Programa, o Fundo Baobá oferecerá apoio financeiro, técnico e institucional a organizações da sociedade civil, grupos e coletivos liderados por mulheres negras. Acompanhe essas trajetórias cheias de emoção.

Romper as fronteiras impostas 

O coletivo Mulheres Negras Decidem nasceu há quase dois anos, a partir do engajamento de cinco mulheres (Juliana Marques, Ana Carolina Lourenço, Diana Mendes, Lorena Pereira e Gabrieli Roza). A ideia era organizar um espaço em que pudessem expor suas ideias e construir um ambiente político menos hostil para a mulher negra. O passo inicial foi a participação no Programa Minas de Dados, realizado em 2018. A partir dessa experiência, perceberam qual deveria ser o real propósito do coletivo dali em diante: dar voz e representatividade política à mulher negra. 

O assassinato da vereadora Marielle Franco, em março do mesmo ano, reforçou esse objetivo. “Nossa missão é qualificar e promover a agenda política liderada por mulheres negras na política institucional”, afirma Juliana Marques. Com o seu trabalho, elas querem não apenas dar visibilidade, mas impulsionar a atuação no meio político – em que homens brancos ainda são a maioria esmagadora.

Mulheres Negras Decidem – Foto: Wendy Andrade

Foi a partir do amadurecimento do grupo e do desejo de expandir, que o coletivo se inscreveu no Programa Marielle Franco com a iniciativa: “Um novo projeto de democracia”. Quando começou, as articuladoras estavam concentradas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Agora, estão em mais 14 estados (AL, AM, BA, DF, ES, MA, MG, PB, PE, PI, PR, RO, SC e TO). 

Nestes 18 meses de existência, o coletivo já realizou ciclos de formação política, em 2018, nos quais foram discutidas regras do jogo eleitoral, e reconstruiu a participação de diversas mulheres negras na política, bem como os sistemas políticos que serviram de pano de fundo para as candidaturas. No ano passado, realizaram o Fórum Mulheres Negras Decidem para discutir a política brasileira sob um olhar antirracista e feminista.

“No contexto da pandemia, inspiradas pela intensa mobilização de mulheres negras para mitigar os impactos negativos em suas comunidades, realizamos também a pesquisa Para Onde Vamos?. Em parceria com o Instituto Marielle Franco, acessamos 245 mulheres negras de todo o território brasileiro e apresentamos um panorama do ativismo no Brasil”.  O apoio do Fundo Baobá permitiu ter condições materiais para fortalecer a capacidade de liderança com foco na governança e na sustentabilidade do coletivo. “Além disso, colaborou para nossa visibilidade dentro do movimento de mulheres negras e para a ampliação do alcance da nossa pauta.”

Espaços de troca, acolhimento e denúncia

O coletivo Marcha das Mulheres Negras de São Paulo foi criado a partir do processo de construção da Marcha Nacional das Mulheres Negras, que aconteceu em Brasília, em 18 de novembro de 2015. Desse processo, o núcleo que construiu a Marcha Nacional deu continuidade às ações e, em 2016, iniciou a Marcha em São Paulo. “Nosso objetivo é promover discussões sobre  a opressão e violência presentes nas estruturas políticas, sociais e econômicas do país  e, partir daí, traçar estratégias que, além de cobrar ações efetivas por parte do Estado, permitissem que a Marcha de Mulheres se consolidasse como canal de apoio a denúncias”, explica Andréia Alves.

A ideia é que, além de acolhidas, elas tenham formação política a partir de uma perspectiva negra, periférica e de mulheres. O coletivo faz questão de afirmar que o grupo é um espaço plural e diversificado, multirreligioso, não governamental e multipartidário, que articula, de forma descentralizada, e trabalha para o fortalecimento da democracia. “Buscamos, de forma permanente, estabelecer alianças e engajamento nas lutas sociais, fortalecendo a luta contra o racismo, o patriarcalismo, a lesbofobia, a bifobia, a transfobia, o classismo e todas as formas de preconceito e discriminação”, diz. O grupo é formado por mulheres negras  idosas, jovens, lésbicas, bissexuais, transexuais, com deficiência, das cidades e das periferias. “Mulheres múltiplas na existência e na resistência”, diz Andréia.

Marcha das Mulheres Negras de São Paulo

O coletivo viu no edital do Programa Marielle Franco a chance de capacitar essas militantes comunitárias, acadêmicas, independentes, estudantes e trabalhadoras de diversas áreas. “São mulheres brilhantes que, raramente, se enxergam como lideranças, embora sejam mais do que ninguém”, revela. A capacitação é o meio de romper com o racismo e o sexismo estruturais, que impedem a entrada e a permanência dessas mulheres em espaços de poder. “Quando detectamos a possibilidade de proporcionar formação política e técnica para mulheres negras, não perdemos tempo”, confirma.

O projeto inscrito –Aquilombar e Ampliar Universos – formação política para mulheres negras” – foi selecionado. Nestes seis meses iniciais de apoio, o grupo conseguiu não apenas a capacitar essas mulheres, mas estruturar a área de comunicação. Andréia destaca que o apoio do Fundo Baobá – da assessoria técnica qualificada ao suporte financeiro – permitiu colocar em prática ações planejadas, conhecer e criar redes com outros grupos, organizações e coletivos de mulheres negras em todo Brasil. Além disso, vai possibilitar colocar o site no ar e também criar conteúdos para  um canal no YouTube para divulgar, por exemplo, a primeira atividade de formação política.

Todos os anos, no dia 25 de Julho – Dia Internacional da Mulher Afro-latinoamericana e Caribenha e Dia Nacional de Teresa de Benguela – o grupo reúne milhares de pessoas nas ruas da capital paulista, em marcha contra o racismo, o machismo e a lesbotransfobia, entre outras formas de opressão. Este ano, por conta da pandemia, as atividades foram on-line, com ajuda das tecnologias digitais e da internet. “Nossa marcha on-line contou com uma programação ao vivo, além de transmissões de intervenções de rua, como faixas e videomap (projeção em edifícios). Os conteúdos gerados foram transmitidos em nossas redes sociais (youtube, facebook e instagram), em perfis de artistas e digital influencers que são parceiros”, relembra. Além de mais reportagens na mídia, aumentaram de 1700 para 4000 os seguidores no instagram.

Por ser on-line, a marcha teve a participação também de mulheres com deficiência. Segundo Andréia, elas contribuíram para melhorar a comunicação, incluindo as hashtags de acessibilidade  #paratodoslerem e #paracegoler e também a tradução em libras na maioria das lives. “Foi um processo ainda inicial, mas temos vontade e disposição para fazer e, mais do que isso, tomamos para nós a responsabilidade política de tornar a MNSP um espaço para todas as mulheres negras e suas especificidades”, afirma.

 

Vozes que transformam

Resgate da memória e o direito de ser quem você quiser: esse é o foco  destas duas iniciativas empreendidas por organizações apoiadas pelo Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco,  que é apoiado pelo Instituto Ibirapitanga, Fundação Ford, Open Society Foundations e Fundação Kellogg.

Por meio do Programa, o Fundo Baobá oferecerá apoio financeiro, técnico e institucional a organizações da sociedade civil, grupos e coletivos liderados por mulheres negras e lideranças femininas negras. 

Igualdade e respeito como princípios de vida

Grupo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais Maria Quitéria (Paraíba) começou seu trabalho em novembro de 2002, com o objetivo de combater a violência e o preconceito contra essas mulheres. Ancoradas no movimento gay, sentiam que suas pautas eram silenciadas e, para agravar a situação, sofriam violência por conta do machismo e da lesbofobia praticados ali. “Precisávamos de iniciativas que nos representassem além do HIV/Aids, resgatassem nossa cidadania e promovessem a autoestima dessas mulheres”, explica Cryss Pereira. O resultado foi a formação do coletivo.

Em 2019, quando foi aberto o edital para o Programa Marielle Franco, do Fundo Baobá,  o coletivo percebeu que era uma ótima oportunidade para se organizar e começar a expandir discussões e formações. O projeto inscrito –  “Equidade sim! Racismo não!” – foi um dos selecionados e permitiu dar mais visibilidade a elas, além de impulsionar e fortalecer as lideranças internas, especialmente nestes meses de pandemia, em que as atividades se concentraram no mundo virtual.

Antes da Covid-19, entre as ações que já desenvolveram, as que citam como mais relevantes são “Goleando contra LGBTfobia”, um torneio de futsal feminino no qual fortalecem as jovens para enfrentar a violência e o preconceito, e “Eu também sou cidadã”, projeto voltado para o empoderamento das mulheres privadas de liberdade.

Grupo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais Maria Quitéria (Paraíba)

Olhar para a questão da violência contra a mulher, aliás, é um tema urgente e sempre presente para elas – sobretudo em tempos de pandemia, com o aumento dos casos. “Mas visualizamos também um avanço na disseminação de informações on-line, um maior envolvimento quanto às denúncias e quanto à propagação de postagens encorajadoras e empoderadoras para as mulheres”, confirma Cryss Pereira.

Segundo ela, o apoio do Fundo Baobá permitiu aprofundar o conhecimento quanto à própria história dessas mulheres, além de dar condições de ocupar as mídias sociais de forma qualificada, garantindo espaços de discussão. “Ter a oportunidade de fortalecer ativistas financeiramente trouxe para o grupo duas designers gráficas, que estão encarregadas da produção das peças virtuais. Além disso, elas também são ativistas. Portanto, é um sonho ter pessoas qualificadas na nossa comunicação”, afirma. Foi justamente no meio virtual, com a profissionalização da comunicação institucional, que conseguiram seguir com as atividades. 

Uma das mais recentes foi a live-show da cantora Bia Ferreira, em comemoração ao 29 de agosto, Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. A artista possui forte atuação por meio da sua música contra o racismo e a favor dos direitos LGBT. O show,  uma construção coletiva, em parceria com a Secretaria da Mulher e Diversidade Humana e a Fundação Espaço Cultural (Funesc), ambas da Paraíba, foi ao ar no instagram do Maria Quitéria. 

Da moda para o jornalismo pela causa

O portal Blogueiras Negras se materializa a partir da Blogagem Coletiva Mulher Negra, em 2013. Na época, um grupo de mulheres negras organizadas em diferentes espaços on-line resolveu se reunir para escrever sobre a intersecção racismo e feminismo. “Compreendemos que era um território que esse grupo poderia explorar coletivamente”, relembra Larissa Santiago. A pergunta que deu início a esse processo foi: “onde estão as blogueiras negras de moda?”, publicada no blog Tempo Fashion. Provocadas, resolveram reunir demandas, temas e denúncias no endereço blogueirasnegras.wordpress.com e, mais tarde, no blogueirasnegras.org.  

O início foi difícil e elas quase desistiram, depois de ficar três meses fora do ar, em 2019. Mas foi aí que surgiu a possibilidade de fazer a inscrição no Programa Marielle Franco. “Foi um momento crucial. Resolvemos planejar como manter a memória. Assim, nos inscrevemos no edital na esperança de consolidar o sonho de gerir e manter a comunicação como o legado das mulheres negras”, revela Larissa Santiago.

O projeto inscrito – “Autonomia e Memória, consolidando o legado da comunicação no movimento de mulheres negras no Brasil” – foi selecionado e ajudou a fortalecer a capacidade interna de organização e sua gestão, consolidando o protagonismo do coletivo na comunicação do movimento de mulheres negras. Parte desse trabalho consiste na manutenção de uma plataforma com mais de 1300 textos, a maioria inédita e assinada por 400 autores. 

Da esquerda para a direita: Larissa Santiago, Charô Nunes (ao centro) e Viviane Gomes, na primeira vez em que se encontraram para dar início ao projeto Blogueiras Negras

Nesse processo e respondendo às demandas que surgiram, criaram um podcast para dar mais visibilidade aos efeitos da Covid-19 nas periferias. “Nossos posts sobre a infeliz morte de crianças negras aumentou significativamente nossa visibilidade.  Temos feito lives, inclusive internacionais, sobre cuidados digitais e outras áreas programáticas. Vale  acrescentar que reforçamos a comunicação com as profissionais de redes sociais com objetivo de  ampliar nossa presença e levar nossa experiência a um número maior de pessoas”, completa Charô Nunes, também do coletivo. 

Nestes anos de existência, o Blogueiras Negras desenvolveu várias trocas e aprendizados. Por conta disso, reconhecem que houve avanços para a mulher negra, mas ainda falta muito para equiparar condições de vida, empregos, saúde. “É notório perceber alguns avanços, apesar do contexto atual, mas esses números ainda são insuficientes. Precisamos de moradia, comida e estarmos nos espaços em que poderemos de fato tomar decisões para garantir, minimamente, o que está na constituição”, finaliza Viviane Gomes.

O apoio do Fundo Baobá permitiu dedicar tempo não apenas para pensar expansão, mas perceber potencialidades e desafios, além de incrementar áreas, como a comunicação nas redes sociais, o podcast e novas parcerias – especialmente em tempos de pandemia, em que, respeitando o distanciamento, elas tiveram que suspender as atividades presenciais. E, ainda assim, “propagar vozes das diferentes mulheres negras militantes”, como diz Charô Nunes.

Agosto negro e o cuidado com a saúde mental

No mês passado, foi celebrado o “Agosto Negro”. Sua origem foi a luta do movimento negro nos Estados Unidos, na década de 1970, após a prisão e morte de George Lester Jackson, em 21 de agosto de 1971, na prisão de San Quentin, na Califórnia.  Ele foi preso e condenado à prisão perpétua depois de ter roubado 70 dólares em um posto de gasolina. 

Durante o tempo em que permaneceu preso, estudou economia política e, ao mesmo tempo, se destacou como líder da resistência negra – o que levou ao seu assassinato por um agente penitenciário. Sua morte fez com que milhares de pessoas fossem às ruas, clamando pelo fim do racismo e do extermínio da população negra. Quatro décadas depois, o povo negro continua nas ruas, mesmo diante de uma pandemia mundial,  afirmando que vidas negras importam, sim!

A luta antirracista requer resistência, é verdade, mas também demanda da sociedade uma análise aprofundada dos impactos do racismo em todas as fases da vida de suas vítimas,  que sofrem com o preconceito, a discriminação e desenvolvem uma série de traumas. Discutir o racismo e as suas consequências, além de frisar a importância dos cuidados com a saúde mental, é de extrema importância para a promoção da equidade racial. Iniciativas como a da Articulação de Psicólogos Negros, que dedica um mês à saúde mental e à luta antirracista, são fundamentais.

Apoiado pelo Fundo Baobá para Equidade Racial no edital de doações emergenciais no combate ao Coronavírus, o psicanalista, doutorando da PUC-SP e membro do Coletivo Margens Clínicas, Kwame Yonatan Poli dos Santos, organizou a cartilha “Saúde mental, relações raciais e Covid-19”, em parceria com a psicanalista Laura Lanari. A cartilha contém cinco textos que pretende dialogar com a população negra sobre os problemas relacionados à vivência do racismo. Confira sua entrevista: 

De qual forma o racismo impacta a saúde mental das pessoas negras?
Os efeitos das práticas do racismo na subjetividade devem sempre ser escutados na sua singularidade ou podemos incorrer no erro de universalizar que toda população negra se afeta, e responde da mesma maneira, com as práticas de racismo. Nossa aposta deve ser a construção de saídas singulares, coletivas ou individuais. No entanto,  se entendermos que o racismo é um dado estruturante das relações,  compreenderemos que é um sistema que estrutura o laço social, assim sendo,  temos que pensar como esse sistema atua em nós e como respondemos a ele. Isso significa que algumas pessoas e grupos construirão saídas mais ou menos a reexistir, ou seja,  afirmar a sua existência na sua diferença diante dessa ferida colonial que sangra. É importante mencionar que o racismo estrutura o campo das relações. E subjetiva tanto as pessoas negras quanto as brancas, pois não é possível silenciar, discriminar, humilhar, violentar, matar sem se tornar monstruoso, isto é,  desumanizar-se também nesse processo. Por fim,  possuímos indicadores no âmbito da saúde mental de que o racismo produz um sofrimento psíquico intenso em uma grande parcela da população negra, produzindo efeitos no horizonte do desejo. Cito o exemplo  dos dados de 2016 do Ministério da Saúde que mostram uma prevalência do aumento do suicídio em jovens negros, isso nos mostra uma face do genocídio .

Kwame Yonatan Poli dos Santos

O racismo sofrido durante a infância e adolescência interfere na vida adulta e nas relações pessoais do negro?
Como disse anteriormente,  o racismo é um dado estruturante das relações e pode deixar marcas no campo do desejo de modo a violentar, desde muito, a infância a população negra. Portanto, escuto muitas mulheres negras  e homens negros na clínica relatarem vivências violentíssimas na escola  e até mesmo na família, que deixaram sequelas profundas na forma de se posicionar diante do mundo até a vida adulta, chegando a internalizar como mecanismo de sobrevivência,  por exemplo:  adaptar-se o tempo todo para  ser aceito e/ou reconhecido por pessoas brancas. Como diz a psicanalista Neusa Santos Sousa, autora da obra Tornar-se Negro (1983), ser negro é estar submetido a uma dupla injunção: de odiar sua negritude (cabelo, história etc) e almejar os ideais da branquitude. Logo, é  preciso ressignificar constantemente a vivência da negritude de maneira a produzir linhas de singularização, da experiência de enegre-ser produzindo outros sentidos para além da captura binária resistência/sofrimento.

Como é falar da importância da saúde mental, sem demagogia, considerando as desigualdades sociais, o genocídio dos jovens negros, o encarceramento em massa da população negra, entre outros problemas?
É preciso compreender o genocídio de maneira ampla, isto é, para além daquele policial que atira ou do que enfia a faca. Existem os amoladores de faca (ideia do professor da UFRJ Luís Antônio Baptista) – ‘antes do punhal ser cravado nas costas do mestre Moa do Katende (capoeirista, compositor, percussionista, artesão e educador, assassinado em outubro de 2018)  existiram aqueles que amolaram o punhal, prepararam o terreno, autorizando a morte, enfraquecendo a vítima antes do golpe mortal. Nessa perspectiva, antes de o jovem negro ser preso, assassinado ou morrer de frio na rua, existe uma série de pessoas e instituições que amolaram o punhal. Logo, o genocídio é uma trama de poder que mata aos poucos. O genocídio também se refere aquilo que nos mata aos poucos  ao sequestrar o futuro daqueles que ainda nem viraram adultos. Quando apontamos os dados sobre prevalência do suicídio dos jovens negros,  essa é a ponta do iceberg, a parte imersa conta processos de subjetivação coloniais que sequestram a potência,  aniquilam as perspectivas de sonhar um futuro. Uma das piores formas de miséria humana é a de não poder sonhar mais. O cuidado em saúde mental deve produzir sonhos, isto é, por meio dele deve-se investir em estratégias de produção de energia vital,  revitalizando esse sujeito para que possa protagonizar sua vida.

Em junho de 2020, com o apoio do edital de doações emergenciais do Fundo Baobá para Equidade Racial, e em parceria com o coletivo Margens Clínicas, você, ao lado da Laura Lanari, organizou a cartilha “Saúde Mental, Relações Raciais e Covid-19”, fale sobre esse trabalho.
A cartilha é fruto de muitas mãos. Ela nasce em 2016 com um convite para realizar oficinas de relações raciais e saúde mental em um Centro de Atenção Psicossocial (Caps) da zona sul de São Paulo. À medida que ia passando por outros Caps ia percebendo a dimensão racial como uma chave de análise da instituição. Então, por exemplo, lembro de uma equipe, majoritariamente branca, que não se sentia à vontade em fazer roda com os usuários e, consequentemente,  tinha várias dificuldades de se enxergar racializada. Com a pandemia temos a descaracterização dos serviços, mas também um ‘relançar dos dados’, a oportunidade dos Caps se reinventarem e fazerem a rede a partir da transversalização da temática racial. A cartilha traz a proposta do Aquilombamento da Rede Sul, em São Paulo (SP), que se reformulou com a pandemia para o formato on-line. Nessa perspectiva, o quilombo é um mundo sem os muros da colonialidade. Aquilombamento é a construção do comum que toca o plano singular, uma reorientação vital,  a partir da perspectiva  interseccional de uma analítica das relações de poder e seus efeitos no corpo. A cartilha tem cinco textos que versam sobre saúde mental, Covid-19, relações raciais,  psicanálise e saúde pública.

Cartilha Saúde Mental, Relações Raciais e Covid-19

Leia a cartilha “Saúde Mental, Relações Raciais e Covid-19” aqui

Fundo Baobá na imprensa em agosto

Durante o Agosto Negro, o Fundo Baobá para Equidade Racial divulgou dois editais na imprensa. O Já É: Educação para Equidade Racial foi destaque no Minuto Futura, do Canal Futura, em portais de mídia negra, como Mundo Negro, e também no site da Escola Aberta do Terceiro Setor.

O edital de chamada para artigos sobre promoção da equidade racial no Brasil no contexto pós-pandemia, lançado no dia 6 de agosto, foi citado na Revista Afirmativa, e nos sites de mídia negra Notícia Preta e Alma Preta.

A diretora de programa do Fundo Baobá, Fernanda Lopes, concedeu entrevista ao jornal O Globo, para uma reportagem intitulada “Filantropia negra se volta para a inclusão social contra o racismo persistente e estrutural”. Na ocasião, Fernanda relembrou o edital de doações emergenciais no combate ao coronavírus que, em apenas 12 dias, recebeu mais de mil propostas. “A pandemia trouxe uma vivência exacerbada das desigualdades históricas e do racismo estrutural. Atuar captando fundos contra o racismo, num país que tem dificuldade em reconhecê-lo como operante na definição de todo o tecido social, é desafiador. Mas a população negra é uma potência e preservar suas vidas é preservar um ativo de transformação”, disse.

No dia 18 de agosto, o Jornal Nacional exibiu reportagem na qual citava as dificuldades dos empreendedores negros durante a quarentena. Segundo dados do Sebrae, 46% estão com dívidas em atraso, enquanto 61% dos que buscaram empréstimo não conseguiram. Na mesma abordagem foi apresentado o trabalho da Coalizão Editodos que, em parceria com o Fundo Baobá, vai apoiar até 500 empreendedores no âmbito do programa Emergências Econômicas. 

Veja aqui

Fundo Baobá participa de lives sobre filantropia colaborativa, igualdade racial e fortalecimento do empreendedor negro 

Selma Moreira, diretora-executiva do Fundo Baobá, participou em 4 de agosto do segundo dia do “3º Fórum Negócios de Impacto da Periferia”, organizado pela Articuladora de Negócios de Impacto da Periferia (ANIP). 

Na companhia de Adriana Barbosa (fundadora da Feira Preta) e Jéssica Rios (Vox Capital), com a mediação de Fabiana Ivo (Articuladora de Negócios de Impacto da Periferia/ ANIP), Selma falou sobre como fortalecer investimentos e prover apoio ao empreendedor negro no campo de negócios de impacto, na perspectiva da equidade.

A diretora-executiva também foi uma das convidadas do ConCEJ 2020 (Congresso Catarinense de Empresários Juniores 2020), que ocorreu em 22 de agosto. Ela participou do debate “Combatendo Desigualdades”, que teve como cerne a igualdade racial, de gênero e para a comunidade LGBT QI+. A mesa virtual também contou com Yuri Trigo, vice-presidente de negócios da Brasil Júnior, e Letícia Medeiros, cofundadora da ONG Elas no Poder.

Por fim, no dia 27, aconteceu o 11º Congresso GIFE/Fronteiras da Ação Coletiva, com o tema Filantropia Colaborativa, e quem representou a organização foi o presidente do conselho deliberativo do Fundo Baobá, Giovanni Harvey. Participaram também Denis Minze (Diretor Executivo da Fundação Lemann) e Peggy Saïller (Diretora Executiva da NEF – Network of European Foundation). O evento foi transmitido via Zoom e aprofundou os diferentes formatos de filantropia colaborativa, além de discutir e apontar caminhos e desafios em busca de formas mais articuladas e colaborativas para a mobilização, gestão e alocação de recursos privados para fins públicos.

Confira todas as reportagens de agosto sobre o Fundo Baobá:

Escola Aberta do Terceiro Setor – 04/08

NGOSource – 05/08

Notícia Preta – 15/08

Revista Afirmativa – 15/08

Alma Preta – 17/08

CEERT – 18/08

Jornal Nacional – 18/08

Mundo Negro – 18/08

Canal Futura – 25/08

O Globo – 26/08

Prosas – Edital Chamada para Artigos 

Prosas – Edital Já É 

Baobá na imprensa em julho

Julho foi um mês repleto de atividades no Fundo Baobá para Equidade Racial que repercutiram na imprensa. No dia 6, tivemos o lançamento do Edital Para Primeira Infância no Contexto da Covid-19, e na semana seguinte, no dia 10, foi a vez do Programa Já É: Educação para Equidade Racial, e ambos ganharam espaço na mídia. Enquanto o Primeira Infância foi destaque no Minuto Futura do Canal Futura, na Revista Afirmativa e no Portal Mundo Negro. Já É foi mencionado na entrevista da diretora-executiva Selma Moreira no portal Setor3 do Senac. 

O caso George Floyd, ocorrido em maio deste ano, nos Estados Unidos, que deflagrou protestos antirracistas em todas as partes do mundo, ainda foi pautado pela mídia em julho, quando Selma Moreira participou da reportagem do UOL “Empresas contra o racismo”, que trouxe o questionamento de como uma empresa pode ser antirracista. Em sua fala, Selma disse. “Contratar é importante, mas a inclusão é fundamental. Portanto, tanto a equipe de seleção como a que for receber os colaboradores negros precisarão de preparo para que sejam sensíveis às questões raciais e saibam lidar com as situações.” 

Em virtude do dia 25 de julho, no qual se celebra o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e também, no Brasil, é comemorado o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, em honra a escrava que virou rainha e liderou o Quilombo do Quariterê no Século 18, o mês é conhecido como o Julho das Pretas. No próprio dia 25 de julho, o portal Exame fez uma matéria com cinco mulheres negras empreendedoras, entre elas, a diretora-executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira. “Promover o protagonismo da mulher negra, contribui para reduzir desigualdades de salário, de educação e de representatividade. É um desafio urgente e prioritário para termos um país menos desigual”, disse.

As mulheres apoiadas pelo Fundo Baobá também foram destaque na imprensa. A campanha “Negras Que Movem”, formada por mulheres selecionadas pelo Programa de Aceleração e Desenvolvimento de Lideranças Negras: Marielle Franco, iniciativa do Fundo Baobá em parceria com Instituto Ibirapitanga, Fundação Ford, Open Society Foundations e Fundação Kellogg, foi destaque no Portal Geledés, na Carta Capital, na Revista Afirmativa, na Folha de Pernambuco e no Bahia Notícias. A premissa do movimento é divulgar projetos para promover e dar visibilidade a iniciativas de mulheres negras em diferentes setores. Outras apoiadas pelo Fundo Baobá também tiveram destaque na mídia: a cantora e percucionista brasiliense Nãnan Matos foi matéria no Correio Braziliense. A terceira edição do “Uyelê das Pretas”, ação organizada pelo Grupo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais Maria Quitéria em parceria com o Slam das Minas da Paraíba, foi destaque no Paraíba Já. O Coletivo Mulheres da Parada, de São Gonçalo (RJ), selecionado no edital Doações Emergenciais no Combate à Covid-19, foi entrevistado em uma matéria especial no portal Yahoo. E a coletiva Abayomi Juristas Negras, de Pernambuco, ganhou matéria na Folha de Pernambuco.

Confira os destaques:

Primeira Infância

Revista Afirmativa – 06/07
https://revistaafirmativa.com.br/fundo-baoba-lanca-edital-para-primeira-infancia-no-contexto-da-pandemia-da-covid-1/

Revista Amazônia – 07/07  https://revistaamazonia.com.br/equidade-racial-fundo-baoba-lanca-edital-para-primeira-infancia-no-contexto-da-pandemia-da-covid-19/

Tribuna do Recôncavo – 07/07
https://tribunadoreconcavo.com/fundo-baoba-lanca-edital-para-primeira-infancia-no-contexto-da-pandemia-da-covid-19/

Setor3 – 10/07

http://setor3.com.br/edital-beneficia-iniciativas-que-apoiam-familias/

Minuto Futura (TV futura) – 14/07

https://www.youtube.com/watch?v=F8DBU3TjWWw&feature=youtu.be

Mundo Negro – 15/07

https://mundonegro.inf.br/fundo-baoba-ajudara-projetos-que-aborda-familias-com-criancas-em-vulnerabilidade-social/

Julho das Pretas

Folha de Pernambuco – 09/07

https://www.folhape.com.br/noticias/juristas-negras-e-a-luta-por-espacos-no-mundo-do-direito/146536/

Paraíba Já – 13/07

https://paraibaja.com.br/terceira-edicao-do-uyele-das-pretas-acontece-de-20-a-25-de-julho-na-pb/

Yahoo – 15/07

https://br.noticias.yahoo.com/mulheres-criam-mercado-solidario-para-familias-afetadas-pela-pandemia-133042887.html

Correio Braziliense – 16/07

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2020/07/16/interna_diversao_arte,872830/nanan-matos-compartilha-conhecimento-musical-e-ancestral-com-a-comunid.shtml

Bahia Notícias – 19/07

https://www.bahianoticias.com.br/noticia/250872-campanha-que-divulga-profissionais-negras-de-todo-o-brasil-tem-baiana-na-coordenacao.html

Revista Afirmativa – 21/07

https://revistaafirmativa.com.br/campanha-inspirada-em-tais-araujo/

Folha de Pernambuco – 22/07

https://www.folhape.com.br/cultura/campanha-inspirada-em-tais-araujo-une-mulheres-negras-ao-redor-do-pais/148086/

Entrevista Selma Moreira

Revista Alliance – 10/07

https://www.alliancemagazine.org/blog/follow-kelloggs-foundations-lead-by-backing-racial-justice-brazil/

Setor3 – 23/07

http://setor3.com.br/diretora-executiva-do-fundo-baoba-enfatiza-recursos-para-iniciativas-da-populacao-negra/

Exame – 25/07

https://exame.com/negocios/essas-5-mulheres-comandam-negocios-que-voce-deveria-conhecer/

UOL – 26/07

https://economia.uol.com.br/reportagens-especiais/como-empresas-podem-ser-antirracistas/?aff_source=56d95533a8284936a374e3a6da3d7996

Diretoras do Fundo Baobá são destaque em lives sobre racismo e captação de recursos

O Fundo Baobá participou de quatro lives no mês de junho, reforçando a sua trajetória e a importância do seu trabalho na promoção da equidade racial no país.

No dia 4, Fernanda Lopes, diretora de programa, participou do bate-papo “Precisamos Falar Sobre Antirracismo”, organizado pelo Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICOM Floripa), que também contou com a presença da doutoranda e mestra em Antropologia Social, Cauane Maia. Mediada por Mariana Assis, guardiã de relacionamento com a sociedade civil organizada do ICOM, a live foi transmitida no perfil da organização. Fundo Baobá e o ICOM fazem parte da Rede de Filantropia para a Justiça Social, que é um espaço que reúne fundos, fundações comunitárias e organizações doadoras (grantmakers) que apoiam diversas iniciativas nas áreas de justiça social, direitos humanos e cidadania.

Em sua fala, Fernanda Lopes pontuou que o trabalho do Fundo Baobá pode ser considerado antirracista, desde a sua constituição, dado que o Baobá existe como um legado da Fundação Kellogg, em resposta à demanda de lideranças negras, para apoiar exclusivamente iniciativas negras. “Quando o Fundo Baobá investe e faz doações, prioritariamente por meio de editais, pensamos primeiro como apoiar as demandas de transformação e mudança que a sociedade civil negra se propõe a fazer. Mas a gente olha também para as capacidades que precisam estar instaladas ou ampliadas nas organizações, caso contrário sempre estarão na dependência, sempre estarão em desvantagem frente às demais. Nós apoiamos organizações negras e essas são as que menos detêm recursos de doações”, disse. 

Levantamento feito em 2018 sob a coordenação do professor Amílcar Pereira, e apoio do Fundo Baobá, envolvendo cerca de 300 lideranças de organizações, grupos e coletivos negros, mostrou que mais da metade dos ouvidos atuava apenas com o recurso dos próprios membros, não havia outros recursos. “Portanto, é preciso investir no desenvolvimento e na ampliação de capacidade dessas organizações e isso é ser antirracista, é trabalhar pela justiça social”. A live completa pode ser assistida diretamente no IGTV do ICOM através desse link.

No dia 9, foi a vez de Selma Moreira, diretora-executiva da organização, participar da live “Doações e Causas: Entendendo o Momento Atual”, organizada pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) e transmitida ao vivo no canal do YouTube da associação. O bate-papo, que foi mediado pela conselheira da ABCR, Andrea Peçanha, também contou com a participação da psicóloga e gerente-geral do Instituto Ronald McDonald, Helen Pedroso.

Selma Moreira utilizou o contexto atual da pandemia do coronavírus para falar dos desafios e aprendizados do Fundo Baobá neste período. “O coronavírus é algo absolutamente novo pra todo mundo e nos fez revisitar o nosso plano e o orçamento. E, sendo uma organização de sociedade civil, a gente conta com um corpo de governança que é bastante rígido, mas que é formado majoritariamente por ativistas e acadêmicos, isso facilita”, explicou. 

Segundo ela, o primeiro aprendizado foi o de envolver todo mundo necessário num cenário como o atual. “Feito isso, a primeira pergunta foi: ‘Qual é o impacto da Covid-19 para a população negra?’, para que nós, como equipe executiva, pudéssemos pensar em quais movimentos deveríamos fazer e onde seria talvez mais estratégico fazer alguma movimentação no nosso orçamento e no nosso plano”.
O vídeo completo pode ser assistido abaixo:

Selma Moreira ainda participou de outra live da ABCR, no dia 30, com o tema “Filantropia Comunitária em Tempos de Covid-19”, o bate-papo fez parte da programação do Festival da ABCR.

No dia 26, Fernanda Lopes foi uma das convidadas da “Webinar Vidas Negras Importam”, realizada pelo Cursinho da Poli em parceria com Fundação Polisaber, que ainda contou com a participação do professor Billy Malachias e mediada pelo professor Giba Alvarez. 

Em sua fala de abertura, ao ser questionada se todas as vidas importam, não só apenas as negras, que tem sido uma pergunta feita à exaustão nas redes sociais, Fernanda respondeu: “Essa frase tem sido muito comum, em especial nos últimos dias, e é muito importante reiterar que, sim, todas as vidas importam, mas quando nós falamos que as vidas negras importam, nós falamos pra reiterar a presença e a operação do racismo entre nós”. Além disso, trouxe vários exemplos de iniciativas e manifestações negras contra o racismo, em defesa das vidas e da dignidade negra, as irmandades negras, as marchas ocorridas nos anos de 1973, 1986, 1995 e 2015. Destacou que esta história sempre deve ser contada porque em todos os momentos do passado, eram poucos os aliados e que as vidas negras só importavam para os próprios negros.

O vídeo completo pode ser assistido aqui:

Baobá na imprensa em junho

O assassinato do norte-americano George Floyd, em Minneapolis, e a grande onda de protestos contra o racismo, em diversas partes do mundo,  pautou a imprensa no mês de junho e trouxe para o centro da discussão a luta antirracista e as inúmeras formas de promover a equidade racial no país.

A diretora-executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira, concedeu uma entrevista à coluna da jornalista Patrícia Lobaccaro, no portal UOL, afirmando que o momento atual será um ponto de virada na história e na luta contra o racismo. “O pedido de ajuda de George Floyd – eu não consigo respirar – é o pedido de ajuda de todos nós, que há séculos não conseguimos respirar por conta do racismo estrutural que subtrai nossos direitos, nossa qualidade de vida e até mesmo nossas vidas. Já passou da hora de toda sociedade olhar para essa questão com seriedade.”

Selma também deu entrevista para revista Capital Aberto, falando da importância da participação do negro em espaços de tomadas de decisão e o papel das empresas na luta contra o racismo. Além disso, a diretora-executiva participou do podcast do Observatório do Terceiro Setor e escreveu um artigo em inglês, em parceria com a diretora de programa, Fernanda Lopes, para publicação britânica Alliance.

O trabalho do Fundo Baobá foi destaque na matéria do portal GQ Brasil da Globo, que trazia um guia prático de entidades e organizações filantrópicas que trabalham diretamente com a população negra em condições de vulnerabilidade, promovendo a igualdade racial.

Confira os destaques:

01/06 – Emerge MagCriatividade para conscientizar e combater o coronavírus nas quebradas

02/06 – AlliancePhilanthropy, yes, but philanthropy for racial equity?

07/06 – Revista Capital AbertoComo os mercados podem contribuir com a luta contra o racismo

12/06 – GQComo apoiar o movimento Vidas Negras Importam

14/06 –  UOLQual o Reflexo da Filantropia na Equidade Racial?

16/06 – Observatório do Terceiro Setor – Racismo naturalizado na sociedade

16/06 – Rede de Filantropia para Justiça SocialConheça uma das muita histórias de transformação promovidas pelo Baobá

Saiba quem foi Marcus Garvey

No dia 10 de junho de 1940, morria em Londres o ativista jamaicano, comunicador e empresário Marcus Garvey.

Conhecido como o grande idealizador do movimento “Volta Para a África”, em 1914, Marcus iniciou essa campanha de profunda inspiração para que os negros tivessem o conhecimento da sua origem e ancestralidade, que lhe foram retiradas com a expansão da escravidão no mundo, além de exigir que as potências coloniais européias desocupassem o continente africano.

Marcus Mosiah Garvey nasceu no dia 17 de agosto de 1887 em Saint Ann’s Bay na Jamaica, sendo o mais novo de 11 filhos, dos quais nove morreram ainda na infância.

Já adulto e morando na capital jamaicana de Kingston, teve a sua primeira experiência sindical, quando trabalhava na P.A. Benjamin Limited, e com o apoio do sindicato dos tipógrafos, encabeçou uma greve por melhores salários. Posteriormente, Marcus Garvey conseguiu, uma vaga na imprensa do governo, iniciando a sua carreira como comunicador e jornalista político.

Como ativista, Marcus iniciou expedições pela américa do sul e central em 1910, denunciando as condições precárias de trabalho que estavam sujeitas a população negra. Passando por Costa Rica, Guatemala, Panamá, Nicarágua, Equador, Peru e Chile, em alguns dos países visitados, Garvey publicava pequenos jornais contendo suas impressões sobre a realidade local. No Panamá ele publicou o La Prensa e na Costa Rica ele publicou o La Nacíonale, esse último incomodou as autoridade locais, que chegaram a bani-lo do país.

Em 1912, Marcus Garvey foi para Londres viver com a sua irmã. A experiência em território europeu foi muito importante para Garvey, tanto no sentido de entender o funcionamento de uma democracia quanto pelo fato de poder entrar em contato com vários africanos que, nascidos em outras colônias britânicas, iam estudar na Inglaterra.

Em 1914, Marcus retorna a jamaica e funda a Associação Universal para o Progresso Negro (AUPN), também conhecido popularmente como o movimento “Volta Para a África”. Os principais objetivos da AUPN era: Protestar contra o preconceito e a perda dos valores africanos. Estabelecer instituições de ensino para negros, onde se ensinasse a cultura africana. O desenvolvimento da África, livrando-a do domínio colonial e transformando-a numa potência. E auxiliar as pessoas vulneráveis em todo o mundo. 

Marcus Garvey, inclusive, foi eleito presidente provisório da África durante a convenção organizada pela AUPN em 18 de agosto de 1920.

Com a saúde debilitada, Marcus Garvey teve dois derrames em junho de 1940, morrendo no dia 10 daquele mês, sendo enterrado em Londres, sua moradia na época. Em 1964, os seus restos mortais foram enviados para a Jamaica, sendo proclamado o primeiro herói do país.

Que a trajetória heróica de Marcus Garvey nos inspire diariamente.

Filantropia e Equidade Racial no Brasil

*Artigo publicado originalmente na revista Alliance (Inglaterra)

A relação entre a população negra e a filantropia é antiga sendo a maior expressão as Irmandades Negras. Criadas durante o período colonial, estas estruturas organizativas possibilitavam aos negros ocupar e definir formas de atuação social, custear despesas para um padrão mínimo de dignidade, funerais, por exemplo. Eram espaços de resistência e solidariedade frente à hostilidade imposta pelo escravismo.


Atualmente dos 207,8 milhões que residem no Brasil, 46,5% se declararam pardos, 9,3% pretos e 43,1% brancos. Ademais o contingente populacional seja significativo, o acumulo histórico de renda e desigualdade de oportunidades resultou em um abismo econômico e sociorracial entre negros e indígenas e os demais. Indicadores sociais de escolaridade, condições de habitação, participação política, emprego e renda, todos, sem exceção expressam a desigualdade na distribuição do poder e evidenciam o papel estruturante do racismo na organização econômica, política e simbólica da sociedade.


As ações filantrópicas empreendidas por organizações não negras da sociedade civil brasileira, até pouco tempo atrás, buscavam minorar as condições adversas da vida dos que necessitavam comer, ter uma roupa, um abrigo, e também ter um conforto espiritual, restringiam-se ao assistencialismo e manutenção do status quo dos beneficiados. Não por acaso a relação entre população negra e filantropia mainstreaming ocupa um espaço caracterizado por múltiplos e diferenciados níveis de complexidade, uma vez que co-existe com o racismo estrutural.


No início da década de 90, organizações de mulheres negras brasileiras estabeleceram parcerias com fundações filantrópicas internacionais que atuavam no campo da igualdade de gênero financiando ações focadas no reconhecimento e garantia dos direitos humanos das mulheres.


Os anos 2000 instalam novos cenários para a filantropia nacional, neste período constituem-se os primeiros fundos filantrópicos para justiça social. E ao final da primeira década ganhar força um novo jeito de fazer filantropia caracterizado pelo repasse voluntário de recursos privados de forma planejada, monitorada e sistemática, para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público. Este conceito intitulado investimento social privado, incorpora uma estratégia voltada para resultados sustentáveis de impacto e transformação social e prima pelo envolvimento da comunidade no desenvolvimento da ação. Os doadores se veem e são vistos, como investidores, não em sentido econômico, mas social: a sociedade deve mudar e lucrar em termos de benefícios.


Em paralelo, no cenário internacional, deflagra-se um processo de avaliação do impacto da filantropia para amenizar e erradicar os efeitos das desigualdades sociais e conclui-se que, embora muitas mudanças tenham sido alcançadas, havia grupos que, de modo sistemático, seguiam destituídos de poder e oportunidades reais para desenvolver seu pleno potencial em função de sua origem étnica, racial ou cultural. Na liderança deste movimento esteve a Fundação Kellogg que, no Brasil, após diferentes processos de escuta ativa de lideranças do movimento negro brasileiro e pesquisadores, se comprometeu em apoiar a criação do primeiro fundo dedicado exclusivamente à promoção da equidade racial para a população negra no Brasil, cujo patrimônio próprio, quando constituído, fosse o maior fora dos Estados Unidos.

O Fundo Baobá nasce para captar recursos e investir no fortalecimento de pessoas e organizações negras, focadas na promoção da equidade racial, bem como, constituir seu endowment, alimentado pelo match fund. Atualmente a Fundação Kellogg aporta 3 vezes o valor captado no Brasil e duas vezes o valor capitado em outro país. De 2014 a 2019, o Fundo Baobá já investiu cerca de 10,2 milhões de reais em iniciativas e impactou cerca de 100 mil vidas em todo o território nacional.

Nos últimos anos o setor privado, têm investido na promoção da diversidade mas não necessariamente contribuído para a promoção da equidade. Neste sentido, construir a cultura de doação para a causa de equidade racial no Brasil é um desafio assumido pelo Fundo Baobá que irá incidir no ecossistema da filantropia buscando mobilizar e engajar diferentes atores dispostos a reduzir os efeitos das desigualdades e intervir nas causas buscando soluções e estratégias para alcançar equidade.

*Escrito pela diretora executiva da organização, Selma Moreira e pela Diretora de Programa, Fernanda Lopes

Mães que choram

Hipertensão, infarto e depressão são algumas das doenças que atingem as mulheres que perdem os filhos para a violência

Maio é considerado simbolicamente o “mês das mães”, em virtude da festividade celebrada na segunda semana. Entretanto, no Brasil, nem todas as mães têm motivos para comemorar. A morte do jovem João Pedro Mattos Pinto, no dia 18 de maio de 2020, enquanto brincava dentro de sua casa no bairro de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, é apenas mais um caso de um fenômeno que já começa a ser estudado: as maternidades interrompidas pela violência. 

Jornalista e mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília (UnB), Maíra Brito lançou em 2018 o livro “Não. Ele Não Está” (Appris Editora), que denuncia justamente o extermínio da juventude negra no Brasil. “Este livro nasce da angústia e da indignação. Em 2015, 31.264 jovens entre 15 e 29 anos foram vítimas de homicídios no Brasil. Se contabilizarmos o número de mortos entre 2005 e 2015, encontramos o assustador dado de 318 mil jovens assassinados. Os números ficam ainda mais preocupantes quando desagregados por sexo, idade e  raça. Em 2015, 47,8% dos mortos foram homens jovens e, em um intervalo de 10 anos, a taxa de homicídio de negros (pretos e pardos) cresceu 18,2%, enquanto a taxa entre não negros caiu 12,2%.” 

Maíra Brito, Jornalista e mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília

Todos esses números apresentados por Maíra são do Mapa da Violência. Porém, o livro traz a sensibilidade de apresentar esses dados e contar essas histórias sob a ótica de quem ficou. “Interessa saber quem são as mães que estão vendo as vidas de seus filhos abreviadas precocemente e de maneira tão violenta, e quais são as percepções delas sobre a influência da raça, do gênero e da classe nessas mortes”. O título do livro, “Não. Ele Não Está”, segundo a autora, “é uma nítida referência à ausência desses jovens em casa, em suas famílias, em suas redes de amigos, no mercado de trabalho e na produção de cultura e de conhecimento.”

Para produzir o livro, Maíra deixou Brasília, sua cidade, rumo ao Rio de Janeiro para encontrá-las. “O primeiro contato com as mães entrevistadas aconteceu por meio da internet. Eu expliquei a pesquisa, elas toparam falar”. A autora também afirma a importância de ouvir essas mulheres, dentro desse contexto. “Acho importante destacar que essas mães aceitaram falar comigo porque acreditaram que meu trabalho seria uma espécie de alto-falante para a luta delas por memória e justiça. Em nenhum momento, eu ‘dou voz’ a essas mulheres. Minha dissertação e meu livro propagam o que elas estão dizendo, mas que nem sempre chega a todos ambientes, como o mundo acadêmico.”

Outra obra que relata o sofrimento das mães que perderam os seus filhos jovens é o documentário “Nossos Mortos Têm Voz”, com a direção de Fernando Souza e Gabriel Barbosa. Lançado em 2018, o filme traz o cotidiano e a luta de mães da Baixada Fluminense (RJ), que sentem saudades dos filhos que foram precocemente arrancados de seus braços. É o caso de Luciene Silva, que teve o seu filho Rafael Silva assassinado na chacina na Baixada Fluminense, ocorrida em 2005, vitimando 29 pessoas. 

Cena do Filme “Os Nossos Mortos Têm Voz” (2018)

“Quando eu enterrei o Rafael, eu fiz a promessa pra ele que eu nunca iria deixar que ninguém esquecesse o que tinha acontecido naquele dia”. A fala de Luciene demonstra nitidamente a sede de justiça e o sentimento de indignação que move essas mulheres. É também o caso de Nívia do Carmo Raposo, outra entrevistada do filme, que teve o filho morto com um tiro nas costas em Nova Iguaçu. “As pessoas acham que eu sou forte, é horrível o que eu vou dizer, mas tem dias que o ódio é mais forte que a minha dor.”

Mortes pelo país Em São Paulo, a letalidade de jovens negros assusta. Segundos dados do portal Dados do Portal da Transparência da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP), referente ao ano de 2018, a cada 10 pessoas mortas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo, seis eram negras (pretas ou pardas). No ano de 2017, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou um estudo referente a idade dos mortos pela PM em São Paulo e concluiu que pessoas com faixa etária entre 19 e 24 anos representavam a maioria das mortes com 40,3%, seguido de jovens entre 14 a 18 anos com 24,9%. 

As mortes surpreendem também em outras áreas do país, como nas regiões Norte e Nordeste. O estudo feito pelo Atlas da Violência, em 2019, mostra que entre 2016 e 2017 a taxa de homicídio de negros tinha aumentado 333% no estado do Rio Grande do Norte e 277% no Acre. Entretanto, o recorde de desigualdade fica para o estado de Alagoas, local que outrora foi fundado o Quilombo de Palmares, no período da escravidão. Lá a taxa de homicídio de negros é mais de 18 vezes maior que a de não negros. O tema violência contra juventude negra, integra o eixo Viver com Dignidade, uma das prioridades de investimento para o Fundo Baobá.

Mais do que números, essas mortes têm reflexo direto nas mães desses jovens, segundo explica Clélia Prestes, doutora em Psicologia Social, integrante do Instituto AMMA Psique e Negritude, de São Paulo. “Quando não são diretamente atingidas pelas estratégias de extermínio que alcançam homens negros e jovens negros, além de mulheres negligenciadas pelo Estado – elas têm sequelas”, afirma. “Mesmo quando sobrevive, a mãe de um jovem negro assassinado pode chegar a óbito por pressão alta, infarto e depressão”, diz. É a possibilidade de uma morte em vida, que ocorre “quando a possibilidade de viver e viver dignamente é atingida.” 

Clélia Prestes, Psicóloga doutora em Psicologia Social, integrante do Instituto AMMA Psique e Negritude, de São Paulo


Pele alva e pele alvo: porque jovens negros continuam sendo vítimas preferenciais da violência

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicados em 2019, mostram que houve um aumento de 19% de mortes por agentes policiais, em relação ao ano anterior da pesquisa, sendo que desse montante 99% são homens. O viés racial é evidente: 75% são negros e, entre eles, 78% são jovens e filhos. Esta reportagem é uma reflexão sobre a alta letalidade de jovens negros por causas violentas justamente, um dos temas priorizados pelo Fundo Baobá no eixo Viver com Dignidade. 

“Com a experiência escravista, naturalizamos o controle físico sobre os negros e negras em nossa sociedade, de modo que é trivial que um jovem negro seja enquadrado na esquina de sua casa ou mesmo que seja morto barbaramente sem que haja qualquer tipo de consequência política ou social”, destaca Felipe Freitas, doutor em Direito e Sociedade, Conflito e Movimentos Sociais, pela Universidade de Brasília (UnB), e membro do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá.

Dois dias depois do caso João Pedro, foi a vez de João Vitor Rocha, de 18 anos de idade, ser baleado durante um tiroteio na Cidade de Deus (RJ), enquanto ocorria uma ação solidária de distribuição de cestas básicas. As mortes parecidas, em um curto intervalo de tempo explicitam a teoria de Felipe Freitas, que também analisa o papel da mídia diante disso. 

Felipe Freitas, Doutor em Direito e Sociedade, Conflito e Movimentos Sociais, pela Universidade de Brasília e membro do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá

A violência não poupou nem Bianca Regina de Oliveira, 22 anos, que dormia quando foi atingida por um tiro na cabeça, no dia 25 de maio. Ela reside na localidade do Brejo, área mais carente da mesma Cidade de Deus, e permanece internada. “A naturalidade com que se noticiam os casos de chacinas nos territórios negros ou a recorrência com que são relatados episódios diários de violência e discriminação racial explicitam essa indiferença cruel.”  

Para compreender essa visão que a sociedade tem do jovem negro como inimigo a ser exterminado, a jornalista Maíra Brito recorre ao historiador Luiz Antonio Simas, que explica a razão da polícia assassinar pessoas civis. “Ele disse que a função original da polícia era defender a propriedade de terras e seus donos – algo que acontece ainda no século 21. Ou seja, o problema das polícias não é ter dado errado e sim certo, até hoje.” 

Maíra Brito, Jornalista e mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade de Brasília

O racismo e a polícia

A tese de doutorado de Felipe Freitas, intitulada “Polícia e Racismo: uma discussão sobre mandato policial”, aprofunda a questão do racismo estrutural em nossa sociedade e a forma como ele opera dentro da instituição policial. “Estudei como o tema do racismo vem sendo tratado no âmbito dos estudos policiais no Brasil tentando propor um modelo teórico que busque compreender o peso do racismo e das desigualdades raciais nas práticas e modos de funcionamento e representação social das polícias”. Ou seja, o estudo procura saber se há diferenças no tratamento e na abordagem de pessoas negras pela polícia. “Procurei entender como as hierarquias raciais brasileiras estão relacionadas com o modo de organização, legitimação e funcionamento das polícias no país e como esse fluxo produz mais vulnerabilidade para o conjunto da população negra.” 

A pesquisa realizada por Felipe abordou três décadas de estudos de criminologia para compreender a principal causa do racismo policial. “Na pesquisa, analisei os estudos das ciências sociais e da criminologia de direito, realizados entre 1987 e 2017, tentando entender quais as principais formas de compreender o conceito de mandato policial e quais as suas interfaces com o tema do racismo. Pude constatar que a raça funciona no âmbito das interações e dinâmicas policiais como um lastro que organiza o sentido efetivo das leis, orienta a interpretação das práticas e dos códigos de conduta, informa sobre como, quando e por quê realizar ou não realizar procedimentos e operações. Ou seja, um dos pontos de chegada do trabalho é a constatação de que a raça dá conteúdo subjetivo, sentido social e justificação política ao exercício da ação policial que se desenvolve a partir de valores sociais organizados pelo racismo.”  

Até quando a juventude negra vai morrer?

Para Maíra Brito, a principal solução para reduzir o número de jovens negros mortos no país é reconhecendo que há uma política de extermínio. “Há uma política da morte, que determina quem tem importância e quem não tem, além de definir quais territórios e populações são vistas como ameaça.” 

Felipe Freitas também defende a mesma linha. “É preciso reconhecer o enfrentamento à violência contra a juventude negra como um desafio ético, político e jurídico de todas e todos nós. E revisar modos de representar as pessoas negras no espaço público, desnaturalizando a violência racial e, assim, colocar o tema da violência policial num outro patamar do debate público no país.” 

Além da violência e extermínio, Felipe levanta outra questão de suma importância: o encarceramento em massa da população negra. Dados do Departamento Penitenciário Nacional mostram que o Brasil é hoje um dos países que mais  prende em todo o mundo. A população carcerária brasileira é de mais de 700 mil pessoas, sendo que nesse contingente mais de 40% são presos provisórios, ou seja, não foram condenados pelo  Poder Judiciário, e 300 mil ultrapassam a capacidade de vagas das prisões. “Prende-se muito e prende-se mal em nosso país. Na prática, o sistema de justiça criminal mais contribui para aumentar a vulnerabilidade da juventude negra à violência letal do que ajuda a enfrentá-la. Portanto, alterar as práticas do sistema de justiça criminal é decisivo para produzir outros resultados no campo da segurança pública e na defesa da vida da população”, completa Freitas.

Qual seria a solução ideal para erradicar a violência contra os jovens negros no nosso país? Maíra Brito acredita que só haverá redução de mortes se houver um trabalho de promoção da equidade racial. “É urgente que sejam aplicadas políticas públicas eficientes, capazes de proporcionar ambientes para o desenvolvimento de atividades educacionais e culturais para essas pessoas”. Felipe Freitas concorda. “É óbvio que o jovem negro exposto a violência letal não deixará de ser discriminado ou morto à  medida que alcançar políticas de inclusão. Porém, o aspecto da inclusão e do combate à desigualdade contribui para viabilizar outras narrativas no seio da comunidade o que, sem dúvida repercute positivamente em termos de produção de empoderamento e de prevenção à violência.”

Baobá na imprensa em maio

Em maio a diretora Selma Moreira concedeu entrevista à Ponte Jornalismo. Nessa oportunidade, ela destacou os critérios de seleção dos projetos de prevenção à contaminação pelo coronavírus objeto do edital de doações emergenciais do Fundo  e a necessidade de mais ações que beneficiem as populações vulneráveis. O edital do Fundo Baobá com o Desabafo Social estendido para todo o Brasil também repercutiu na mídia do Nordeste. Confira os destaques:

Ponte Jornalismo – 01 de maio de 2020 – Fundo Baobá financia projetos de combate à Covid-19 para negros, pobres e indígenas

Cidade Satélite  – 08 de maio de 2020 – Fundo Baobá e Desabafo Social apoiam ações comunitárias contra o coronavírus

Blog do Patrício Nunes – 07 de maio de 2020 – Fundo Baobá e Desabafo Social apoiam ações comunitárias contra o coronavírus

As listas de projetos também foram divulgadas pela imprensa:

Geledés – 01 de maio de 2002 – Fundo Baobá divulga segunda lista de projetos selecionados pelo edital de apoio emergencial contra o Coronavírus

Geledés – 16 de maio de 2020 – Fundo Baobá divulga terceira lista de projetos selecionados pelo edital de apoio emergencial contra o Coronavírus

Leia aqui

Alguns projetos apoiados pelo edital também divulgaram pela imprensa as ações realizadas:

IFB – 06 de maio de 2020 – Campus Riacho amplia campanha solidária

Mercadizar – 12 de maio de 2020 – Famílias da periferia de Belém recebem cesta básica do projeto Telas em Movimento

OBIND – 18 de maio de 2020 – CIR: Em isolamento, comunidade Canauanim recebe alimentos e orientações para se proteger da Covid-19

A presença do Fundo Baobá na página ParaQuemDoar também gerou menção em matérias sobre solidariedade às populações carentes

Anped – 11 de maio de 2020 – Apoio da SBPC e de sociedades científicas a comunidades pobres e favelas

Abeco – 12 de maio de 2020 – Apoio da SBPC, ABECO e de outras sociedades científicas a comunidades pobres e favelas

SBM – 14 de maio de 2020 – SBPC, instituições e sociedades científicas pedem solidariedade às populações vulneráveis

FUNDO BAOBÁ DIVULGA SEGUNDA LISTA DE PROJETOS SELECIONADOS PELO EDITAL DE APOIO EMERGENCIAL CONTRA O CORONAVÍRUS

O Fundo Baobá para Equidade Racial divulga hoje (30 de abril) a segunda lista de iniciativas de combate à infecção pelo coronavírus em comunidades vulneráveis que foram selecionados pelo edital de doações emergenciais.  São projetos de 70 indivíduos e 50 organizações que receberão repasses de R$ 2,5 mil em até cinco dias úteis.

Em apenas doze dias, o edital do Fundo Baobá recebeu 1037 solicitações de apoio a projetos de combate ao coronavírus em comunidades vulneráveis. Desse total, 387 são de organizações e 650 de indivíduos. Ao todo, foram selecionados 220 projetos – sendo 130 pessoas e 90 organizações. Lançado em 5 de abril, o edital (relembre aqui) visa apoiar um amplo espectro de populações em situação de risco.

O total de projetos recebidos até agora superou nossas expectativas. Para dar conta de avaliar e acompanhar os projetos selecionados, suspenderemos temporariamente este edital. Sua reabertura será comunicada por meio de nossas redes sociais.

Conheça a seguir os selecionados da segunda lista:


Nome da pessoa proponenteCidade/MunicípioEstadoOnde as ações serão realizadas – Cidade, Bairro, Comunidade/Território e UF
1 – Adaildo CaetanoTururuCEComunidade Rural de Remanescentes de Quilombolas Conceição dos Caetanos
2 – Ana Claudia dos Santos LimaSantarémPASantarém e Quilombo de Saracura
3 – Anna Paula de Albuquerque SalesItaguaíRJComunidade do Engenho e do Carvão 
4 – Antonia Aparecida RosaUberlândiaMGResidencial Pequis  
5 – Antônia Marta de SouzaSenador PompeuCEComunidades Rurais de Patu e Lima dos Marcelinos  
6 – Antonio Cláudio Martins GuterresGuimarãesMAQuilombo Cumum 
7 – Bartolina Ramalho CatananteCampo GrandeMSDiferentes bairros 
8 – Carlos Alberto Ferreira GuimarãesItaboraíRJAlcantara, Mutondo e Praça Zé Garoto (São Gonçalo)
9 – Cláudio Pascoal Macario de OliveiraNatalRNPajuçara
10 – Cris MedeirosPorto AlegreRSBairro Bom Jesus (Vila Pinto e Vila Nossa Senhora de Fátima), Bairro Morro Santana (Vila Laranjeiras, Vila Pedreira e Vila da Nova Chocolatão), Bairro Jardim Carvalho (Vila Ipê 2, Vila da Colina e Vila Joana D’Arc)
11 – Diego Fabio Santos de jesusDuque de CaxiasRJFavela da Magueirinha 
12 – Diene Carvalho SilvaRio de JaneiroRJComplexo do Chapadão
13 – Eliane Silva LimaSalvadorBABairro 2 de Julho, Comunidade da Preguiça.
14 – Elisângela Maranhão dos SantosOlindaPEPeixinho, Alto Sol Nascente, Salgadinho, Alto da Conquista, Rio Doce e Passarinho.
15 – Fabiana da SilvaDuque de CaxiasRJFavela Parque das Missões 
16 – Fatima Aparecida BarbosaVotuporangaSPRegião Periférica
17 – Francilene do Carmo CardosoSão LuísMABairros do Novo Angelim e Vila Embratel
18 – Francisca Luciene da SilvaNatalRNBairro Nossa Senhora da Apresentação, Loteamento Jardim Progresso
19 – Francisca Regilma de Santana SantosImperatrizMANa associação Mãos que cuidam (doação das mascaras e estes farão as entregas às familias de acordo com a demanda que já possuem); Na sede da Ascamari (onde a diretoria fará as entregas as catadoras e catadores); Na casa do MST (será o preparo da alimentação) e a distribuição no calçadão da cidade onde concentra maior numero de pessoas em situação de rua;
20 – Franklin Douglas FerreiraSão LuísMAVila Embratel, área Itaqui-Bacanga
21 – Genilda Maria da PenhaNiteróiRJFavelas da Coreia, Brasília, Vila Ipiranga, Santo Cristo, Coronel Leôncio e Otto
22 – Gerlan Pereira de MeloPeixoto de AzevedoMTBairro Mãe de Deus
23 – Gisele Alves dos SantosSobradinhoDFSobradinho I e II DF
24 – Gláucio Pereira de LimaJõao PessoaPBNas comunidades de João Pessoa
25 – Guilherme da Costa MacielDuque de CaxiasRJDuque de Caxias
26 – Maria Rosilene Silva SantanaFortalezaCEBarra do Ceara, Pirambu. Comunidade Campos Novos, Goiabeiras, Jardim Iracema e Planalto Pici
27 – Iane Gonzaga dos SantosSalvadorBAComunidade da Portelinha
28 – Jamile da Silva NovaesCachoeiraBABairro Cucuí de Caboclo
29 – Janete Lainha CoelhoIlhéusBAComunidade dos Indígenas Tupinambás, Olivença 
30 – Jardson Gregorio SilvaJaboatão dos GuararapesPEFavela Bola de Ouro
31 – Jenifer de Paula FerreiraSanto AndréSPRecreio da Borda do Campo e Grande Vila Luzita em Santo André
32 – Jessicalen conceição de oliveiraCampina GrandePBFavela do Pedregal
33 – Jirlania dos Santos AlmeidaÁgua FriaBAComunidade Remanescente Quilombola Curral de Fora, Territorio Portal do Sertão 
34 – José Paulo RibeiroNova LimaMGFavela do Moro do Papagoio, Zona Sul de Belo Horizonte e adjacênciaas
35 – Juliana Bueno de MoraesPorto AlegreRSComunidade da Serraria 
36 – Karina LopesVenâncio AiresRSMunicípio de Venâncio Aires
37 – Kelly Oliveira de JesusSalvadorBAPeriperi
38 – Kwame Yonatan Poli dos SantosSão PauloSPZona Sul, São Paulo -SP
39 – Laura Ferreira da SilvaNossa Senhora do LivramentoMTMutuca e outras comunidades quilombolas dos Municípios de Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Barra do Bugre, Chapada dos Guimarães, Cáceres, Porto Estrela, Várzea Grande, Santo Antônio, Vila Bela da Santíssima Trindade.
40 – Lia Maria Marcello da MottaDuque de CaxiasRJJardim Gramacho
41 – Livia Lopes CorreaCampo GrandeMSFavelas Cidade de Deus, José Teruel Filho, Só Por Deus, Homex, Samambaia e Morro do Mandela 
42 – Maria Aparecida de MatosArraiasTOAlgumas Comunidade Quilombolas do Tocantins
43 – Maria Carmencita Pinto AlmeidaManausAM Comunidade dos Buritis
44 – Maria Clareth Gonçalves ReisCampos dos GoytacazesRJComunidade Donana 
45 – Maria das Graças Barbosa MouraMacaíbaRNComunidade de Quilombola de Capoeiras
46 – Maria Eduarda Correia de SantanaDuque de CaxiasRJNas favelas de Duque de Caxias
47 – Maria Rosilda Pereira de Azevedo MoreiraRio de JaneiroRJComunidade de Praia da Rosa, Ilha do Governador
48 – Maricéia Meirelles GuedesPorto SeguroBAComunidade Indígena Pataxó Aldeia Velha 
49 – Monique Barbosa da SilvaLaranjal do JariAPAgreste
50 – Nádia Batista da SilvaIlhéusBA Aldeia Tukum – Território Indígena Tupinambá de Olivença
51 – Natan Carlos Raposo DuarteSalvadorBABairro Baixa do Fiscal
52 – Natercia Wellen Ramos NaveganteManausAMManaus, Centro Histórico, Nossa Senhora dos Remédios/ Amazonas
53 – Patricia Borges da SilvaSão PauloSPRegião Central de São Paulo
54 – Patricia lopes de limaSão João de MeritiRJPontos de atuação das profissionais do sexo e locais onde se abrigam pessoas em situação de rua
55 – Prof. Roberto Carlos de OliveiraGovernador ValadaresMGTerra Indígena Maxakali: municípios de Bertópolis e Santa Helena de Minas
56 – Rafael Cícero de OliveiraItapecerica da SerraSPJd Jacira (Paróquia Santíssima Trindade)
 Jd. Ângela
Jd Sonia Regina –
Jd Vera Cruz /CEU Vila do Sol
Vila Gilda/Cidade Ipava
Jardim Ângela – São Paulo
57 – Rafaela Sousa do Nascimento AffonsoMagéRJBairro Maria Conga
58 – Raiana Venâncio de SouzaSobralCEBairros Terrenos Novos, Vila União e Residencial Nova Caiçara 
59 – Raimundo Muniz CarvalhoSanta RitaMAComunidades quilombolas Nossa Senhora da Conceição, Recurso e Fogoso
60 – Roberto de Jesus dos SantosSalvadorBABairros: Pituaçu/Boca do Rio nas comunidades do Baite Facho, Alto do São João, Jardim Imperial, Recanto dos Coqueiros e Barreiro 
61 – Romário Bezerra DionísioBoa VistaRRComunidades  indígenas da Região Murupu :Morcego, Serra da moça, Truaru da cabeceira , Truaru da serra e anzol  e  da Região Tabaio: Barata , Boqueirão , Sucuba, Raimundão um e dois , Mangueira,  Pium.
62 – Rosana do Socorro Pimentel de FreitasRio de JaneiroRJComunidade do Itacolomi- Vila Juaniza
63 – Samilly Valadares SoaresAnanindeuaPAComunidade Remanescente de Quilombo Oxalá de Jacunday localizada no Território Quilombola de Jambuaçu, Zona Rural, Moju
64 – Senhorinha Joana Alves da SilvaRecifePEPeixinhos (Olinda) e Brasília Teimosa (Recife).
65 – Sheila Castro QueirozBelo HorizonteMGBairro Paulo VI, e Ribeiro de Abreu
66 – Tânia Marisa da Silva VitolaPorto AlegreRSSanta Tereza
67 – Valeria Gercina das Neves CarvalhoCratoCESetor Boa Vista (Zona Rural) e  Comunidade de Refugiados Venezuelanos (Zona Urbana)
68 – Wendell Marcelino de limaSão FranciscoMGComunidade Quilombolas Buriti do Meio, Porto Velho.
69 – William Alexandre Toledo PintoRio de JaneiroRJTerritório do Cocobongo, Praça Vila Rangel – Irajá
70 – Yashodhan Abya YalaCachoeiraBAÁrea central

Nome da Organização ProponenteCidade/MunicípioEstadoOnde as ações serão realizadas – Cidade, Bairro, Comunidade/Território e UF
1 – Ass. de Agricultores Familiares Remanescente de Quilombo da Lagoa de Melquíedes e AmâncioVitória da ConquistaBAQuilombo da Lagoa de Melquiades e Amancio, Distrito de Veredinha
2 – Assoc dos Amigos dos Portadores do Doencas Graves e Crianças em Vulnerabilidade Social–Casa da VidaRio de JaneiroRJBenfica, Manguinhos, Mandela
3 – Associação Agentes da Cidadania – Mulheres da LuzSão PauloSPBom Retiro
4 – Associação Artístico-Cultural OdeartSalvadorBAEstrada das Barreiras, Engomadeira, Beiru, Arenoso
5 – Associação Beneficente, Cultural e Religiosa do Terreiro de LembáCamaçariBAParque Real Serra Verde , Terreiro de Lembá, Região Metropolitana, Bahia , Brasil.
6 – Associação das Mulheres PintadensesPintadasBABacia do Jacuipe
7 – Associação de Afro Envolvimento Casa PretaBelémPASão João do Outeiro, Ilha de Caratateua
8 – Associação de Apoio Social de CamaçariCamaçariBAComunidade do Bairro Jaragua (Lama Preta)
9 – Associação dos Moradores do Parque dos Coqueiros I e IIFeira de SantanaBAAsa Branca, Residencial Parque dos Coqueiros I e II, Bahia
10 – Associação dos Produtores Rurais de Picada-Aspi Ouriçangas BA Territorio Quilombolas
11 – Associação dos Remanescentes de Quilombo Vila GuaxinimCruz das AlmasBAComunidade Quilombola Vila Guaxinim
12 – Associação Educadores Populares do CearáTabuleiro do NorteCEComunidades Rurais (que serão acessadas de forma remota).
13 – Associação em Prol da Cidadania e dos Direitos Sexuais – Estrela GuiaFlorianópolisSCVila do Arvoredo; Ingleses; Comunidade do Siri; Vila União; Centro
14 – Associação Engenheiros sem Fronteiras Brasil (ESF-BRASIL)ViçosaMG
15 – Associação Espirita Lar Maria de LourdesCampo VerdeMTBairro Jupiara e arredores, cidade de Campo Verde – MT
16 – Associação Luz da FraternidadeBelémPACabanagem
17 – Associação Quilombola de Conceição das CrioulasSalgueiroPEQuilombo de Conceição das Crioulas
18 – Associação Rural Comunitária Quilombola de Gavião e AdjacênciasAntônio CardosoBAComunidade Quilombola de Gavião
19 – Associação SEDUP Serviço de Educação PopularGuarabiraPBBairros: Mutirão, Rosário, Nordeste e Nossa Senhora Aparecida.
20 – Associação União Quilombola Araça CariacaBom Jesus da LapaBAQuilombo Cariaca
21 – Casa Azul Felipe Augusto Samambaia SulDFSamambaia Expansão
22 – Centro Cultural Lá da FavelinhaBelo HorizonteMGAglomerado da Serra. Bairro Novo São Lucas.
23 – Centro de Convivência é de LeiSão PauloSPBairro: Campos Elíseos, Território – Cracolandia
24 – Centro de Defesa dos Direitos Humanos Antonio ConselheiroSenador PompeuCESenador Pompeu
25 – Centro Projeto Axé de Defesa e Proteção à Criança e ao AdolescenteSalvadorBACentro Histório e da Cidade Baixa; Bonfim, Ribeira, Boa Viagem, Calçada, Caminho de Areia, Lobato, Mangueira, Mares, Massaranduba, Roma, Santa Luzia, Uruguai, Vila Ruy Barbosa/Jardim Cruzeiro, Cabula, Beiru/Tancredo Neves, Sussuarana, Saramandaia, São Gonçalo, Pernambués, Mata Escura, Narandiba, Doron, Arenoso, Calabetão.
26 – Colônia de Pescadores Z-25 JaboatãoJaboatão dos GuararapesPEPiedade
27 – Comunidade Kolping Serra do EvaristoBaturitéCEComunidade Quilombola Serra do Evaristo
28 – Confrem BrasilSão Pedro da AldeiaRJReservas Extrativistas, APAS e territórios no estados do Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Paraíba, Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
29 – Cooperativa Múltipla Fontes de EngomadeiraSalvadorBAEngomadeira
30 – Elas Existem Mulheres EncarceradasRio de JaneiroRJDegase (Ilha do Governador) e diversos pontos da cidade onde residem as famílias
31 – Essor BrasilJoão PessoaPBBairro do Pedregal
32 – GOLD – Grupo Orgulho Liberdade e DignidadeVitóriaESSerra e a Cariacica
33 – Grupo Airmativo de Mulheres Iindependentes do RN – GAMINatalRNRedinha
34 – Grupo Conexão G de Cidadania LGBT de FavelasRio de JaneiroRJComplexo de Favelas da Maré
35 – Grupo de Apoio às Comunidades CarentesFortalezaCEConjunto João Paulo II/Barroso, Conjunto Jardim União/Passaré, Antônio Bezerra.
36 – Imagem da VidaSão PauloSPTerritorio virtual (whatsapp) dirigio à população Guarani e Kaiowa do Mato Grosso do Sul
37 – Instituto BezalelRio de JaneiroRJComunidades do Vilar Carioca e Casinhas 1 e 2
38 – Instituto CTE CapoeiragemSalvadorBAEm Salvador: Pituaçu, Boca do Rio, Nazaré e em algumas outras comunidades que moram os mestres antigos. Em Camaçar: PHOC III
39 – Instituto de Desenvolvimento Afro Norte Noroeste Fluminense – IDANNFCampos dos GoytacazesRJComunidade Quilombola de Aleluia, Batatal e Cambucá – Na associação de ABC- Município Campos dos Goytacazes , Estrada Principal s/n, Fazenda Novo Horizonte . Território
40 – Instituto Nova Amazonia- INÃBragançaPAAlto Paraíso.
41 – Instituto RaízesVitóriaESMorros da Piedade, Fonte Grande, Capixaba e Moscoso
42 – Instituto ViverdeItabunaBAJardim Grapiúna e Jaçanã
43 – Instituto Espírita Allan Kardec e Lar Ceci Costa – IEAKLCCOlindaPESalgadinho
44 – Irmandade Nossa Senhora do Rosário da Comunidade Quilombola dos Arturos de ContagemContagemMGComunidade Quilombola dos Arturos
45 – Movimento de Inclusão Social Novo HorizonteRio de JaneiroRJFavelas do Morro do Borel e Formiga.
46 – Organização do Povo Indígena Parintintin do AmazonasHumaitaAMAldeias Traíra e Pupunha – TI Nove de Janeiro e Aldeia Canavial – TI Ipixuna
47 – Projeto Resgate Coração SolidárioRio de Janeiro/ Rio de JaneiroRJJacarepaguá, Campo Grande, Centro da Cidade, Baixada Fluminense, Sul Fluminense, Niterói, Cidade de Deus, Covanca, Rio das Pedras, Comunidade Santa Margarida
48 – Rede de Apoio Humanitário das e nas PeriferiasSão PauloSPJova Rural, Filhos da Terra, Jardim Hebrom, Vila Nova Galvão e Jardim Felicidade
49 – Sociedade Recreativa e Cultural Afoxé Filhas de GandhySalvadorBACentro Histórico
50 – Tecendo CidadaniaPalmaresPECidade de Palmares