No Dia de Adolescentes, é essencial reconhecer a importância da promoção da educação em nosso país

Por Marcos Furtado e Mônica Moreira, do Perifa Connection,  em parceria com Vinícius Vieira 

Hoje é celebrado no Brasil o “Dia de Adolescentes”, uma data instituída no país no ano de 1996.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui uma população de 211 milhões de pessoas, dos quais 69,8 milhões são crianças e adolescentes entre zero e 19 anos de idade, o que representa 33% da população total do país.

Mais da metade de todas as crianças e adolescentes brasileiros são afrodescendentes e um terço dos cerca de 820 mil indígenas do país é criança. A região onde se concentra a maior população nessa faixa etária é a Sudeste, com mais de 89 milhões de crianças e adolescentes.

Entretanto, mesmo com esse número elevado no país, há adolescentes vivendo em situação domiciliar de extrema pobreza. Um levantamento realizado pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), em 2019, relacionado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), mostra que 9,1 milhões de adolescentes vivem em lares com uma renda per capita mensal inferior ou igual a um quarto de salário mínimo.

Outro dado alarmante envolvendo os adolescentes, é relacionado ao aumento da taxa de homicídos entre adolescentes e jovens no país. Segundo os dados do Atlas da Violência 2020, feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), mostra que 30.873 jovens na faixa etária entre 15 e 29 anos foram mortos em 2018 no Brasil, quantidade que equivale a 53,3% dos registros da pesquisa.

Quando o assunto é educação, trazendo para o recorte racial, uma pesquisa do IBGE, de 2018, mostrou que um terço dos brasileiros entre 19 e 24 anos não havia conseguido concluir o ensino médio naquele ano. Entre os que não conluíram esta etapa, 44,2% são homens jovens negros. Muitos dos motivos que mostram a evasão escolar corresponde ao fato de o adolescente negro, com menos de 18 anos, ingressar mais cedo no mercado de trabalho.

Pensando nisso, que o Fundo Baobá para Equidade Racial lançou em 2020 o Programa Já É: Educação e Equidade Racial, em parceria com a Fundação Citi, com a premissa de potencializar a educação dos jovens negros de regiões vulneráveis, impulsionando para ajudá-los a ultrapassar o estreito gargalo que impede seu acesso a boas universidades e, posteriormente, a postos de trabalho mais altos na hierarquia das empresas.

Quem faz parte do Programa Já É é a adolescente Mayara Maria Malta, de 17 anos, moradora do bairro de Itaquera, na Zona Leste de São Paulo. Antes mesmo de ela terminar o ensino médio, ela ingressou em um curso técnico em administração. No entanto, após alguns cortes, a instituição em que a jovem estuda teve sua carga horária reduzida e concentrou as matérias da formação geral nos dois primeiros anos, deixando para o terceiro apenas a profissional. “A gente aprendeu tudo (do ensino médio) no primeiro e no segundo ano. Foi tudo muito rápido e puxado”, explica. 

Além das alterações na estrutura do ensino de sua escola, a vestibulanda também teve que lidar com os impactos do isolamento social que a pandemia da Covid-19 trouxe para o sistema de ensino. Com a mãe desempregada, o pai afastado do trabalho por questões de saúde, as irmãs com seus filhos em casa e a instabilidade do sinal da internet em alguns cômodos, a vestibulanda precisou se reinventar para estudar. “Eu cheguei a estudar na cozinha e é aquele vai e vem de criança correndo e gritando. Foi bem complicado”, conta.

Mayara Maria Malta, 17 anos

E mesmo diante de todas as adversidades, Mayara encontrou na produção de conteúdo para as redes sociais uma maneira de melhorar o seu estado de saúde emocional. “Eu consegui controlar toda essa ansiedade na internet. Acredito que muitos jovens entraram na internet por conta disso. Então eu consegui sair dessa situação não me distraindo, mas produzindo conteúdo para alcançar outras pessoas.” O que começou como uma forma de driblar toda a pressão dos estudos no ano pandêmico se converteu na identificação de uma carreira: o marketing digital. “No curso técnico de administração, eu tive contato com marketing. E sabe quando você se apaixona? E aí no ano passado eu fui buscar mais sobre isso. Foi quando eu comecei a falar sobre o assunto no meu perfil no Instagram.”

Caminhando para se tornar uma influenciadora digital, Mayara tem consciência da importância do que é produzido na internet. Tanto é que outras temáticas presentes em suas publicações são os cuidados com a aparência e autoestima. “Eu já me autosabotei muito, principalmente no mundo em que a estética é muito importante. Comecei a ir para frente nesse assunto quando comecei a me aceitar, a cuidar de mim e conhecer a Mayara de verdade”, conta.

Do outro lado da capital, mais precisamente em Interlagos, bairro localizado no extremo da zona sul da cidade de São Paulo, vive Luiz Felipe Motta da Silva, junto com os pais e seus quatro irmãos. Com 18 anos de idade, Luiz teve a experiência do ensino médio integrado ao técnico de nutrição, que foi importante para que o jovem descobrisse o gosto que tinha pela área da saúde. Mas, durante a pandemia, o amor pela Medicina falou mais alto e Luiz decidiu que não queria ser nutricionista. “Eu já pensei em vários cursos, Biomedicina, Enfermagem, Biologia. Mas aceitei que Medicina é algo que eu quero muito e estou disposto a tentar passar, mesmo que eu fique alguns anos tentando”.

Por amar praticar esportes, como vôlei, Felipe gostaria de seguir uma especialização que trabalhe diretamente com atletas. Porém, ele diz estar aberto a conhecer outras áreas da Medicina até definir o que seguir.

Luiz Felipe Motta da Silva, 18 anos

Luiz também conta que tinha o plano de fazer intercâmbio no exterior, mas por alguns problemas, não deu certo. Agora ele pretende realizar esse sonho antigo durante a faculdade. “Fico triste até hoje por não ter ido para os Estados Unidos, mas quero tentar fazer um semestre da faculdade fora do país. Eu quero muito viajar e conhecer outros lugares. Meu destino dos sonhos é ir pra Cidade do Cabo, na África do Sul, eu vi que eles falam vários dialetos e quero aprender mais inglês com eles”, afirma o jovem.

O Brasil ainda tem muito o que avançar na proteção dos adolescentes e na promoção dos seus direitos. Acompanhando a trajetória de adolescentes negros como a de Mayara e de Luiz Felipe, além dos outros 82 jovens selecionados no Programa Já É, fica evidente o quanto a educação é essencial para construção de uma sociedade equânime.

A pressão para decidir o que cursar na graduação

O processo para decidir qual carreira seguir e como ele afeta de diferentes formas os jovens vestibulandos.

Segundo dados divulgados  pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep), com base no Censo de Educação Superior 2,  cerca de 56% dos estudantes que acessaram a faculdade acabaram desistindo no decorrer ou trocaram de curso durante a graduação. Muitos deles em decorrência de uma escolha insatisfatória, que não lhes trouxe o retorno esperado. Tal situação deixa alguns jovens indecisos na hora de escolher por qual caminho seguir na universidade. Com a proximidade das provas de vestibulares, é aumentada a pressão interna e externa  para que essa escolha seja feita o quanto antes.

Por que é tão difícil decidir com certeza qual carreira seguir? Vinícius Ribeiro da Silva, de 23 anos e morador da comunidade de Paraisópolis em São Paulo, pretende ser a primeira pessoa de sua família a ingressar no ensino superior e quer tomar a decisão certa quando o fizer. Ele teme escolher uma área que lhe dê pouca satisfação e retorno no futuro, além disso, receia a falta de garantia de sucesso. “Eu vou fazer um curso, terminar e acabar trabalhando em outra área. Então, aquele tempo ali foi perdido”, comenta.

Além disso, a desigualdade social é um fator que potencializa a pressão interna. Jovens de baixa renda como Vinicius precisam se estabelecer financeiramente com mais urgência se comparados a outras classes sociais. Apesar do estudo trazer benefícios, quando ele não trás retorno financeiro pode se tornar uma frustração. “Então pensa, periferia, gastar maior tempão estudando pra depois não ter uma garantia? Pessoas da periferia não têm essa condição.”

“Meus pais sempre me apoiaram, claro, mas eu me cobro muito, sabe?” É o que diz Ana Maria Silva Oliveira, de 18 anos. Ela explica que a pressão para decidir o que cursar, vem muito mais de si mesma do que de sua família. Segundo a jovem, é muito angustiante não ter essa resposta tão importante. “É muito difícil escolher pelas matérias. Em quais áreas eu vou conseguir trabalhar? Mais especificamente, como é na prática? Porque na teoria, assim, está tudo na internet. Aí não sei se vou exercer essas atividades. Mas e na prática será que é assim mesmo? Igual? Então essa é a dúvida”, desabafa.

Ana Maria Silva Oliveira, 18 anos

Por outro lado, outros jovens passam por esse processo com mais leveza. Para alguns deles, o foco principal é estudar para tentar entrar na universidade, mas sem pensar tanto na questão da escolha. É a situação de Geovana de Carvalho Teles de Amorim, de 17 anos, que diz oscilar entre momentos de nervosismo e calmaria em relação a essa situação. Segundo a menina, seus pensamentos vagam entre saber que precisa parar de pensar no assunto e ao mesmo tempo tomar uma decisão de certa forma rápida.

Geovana de Carvalho Teles de Amorim, 17 anos

Para Geovana, um ponto que alivia essa pressão é o fato de o Programa Já É, do Fundo Baobá, oferecer orientações para os jovens. “Eu vou ter pessoas que vão me ajudar nesse caminho para a universidade, que vão me auxiliar, me dar apoio e instruções quando eu precisar. Então, eu fiquei tranquila e feliz”, disse ela.

Assim como Geovana, Vitória Nunes Martins, de 17 anos, apesar de se preocupar em decidir o que cursar na faculdade, prefere focar na experiência positiva do momento em que vive. Ela que não esperava passar no Programa Ja É e se sente aliviada com a segurança que o projeto oferece.

Em relação à pressão para tomar uma decisão, ela diz que não chega nem da parte de sua família e nem dela: “Nunca me pressionaram, mas eu também não me pressionei e eu espero achar a resposta nesse ano mesmo. Assim, eu vou estar estudando para fazer as provas e nesse meio tempo eu quero tá pesquisando o que isso mais se encaixa comigo, só que eu nunca decidi nada, nunca tive nada em mente, pois sempre fui deixando”. Ela destaca o fato de estar na universidade para expandir seus conhecimentos, aproveitar novas oportunidades e acredita que independente do curso que escolher, será um momento incrível.

Vitória Nunes Martins, 17 anos

Apesar da indecisão, das incertezas e das dúvidas, algo conforta esses jovens: a certeza de estarem no caminho certo. Através de iniciativas de Instituições como o Fundo Baobá, eles estarão no rumo para seus objetivos. Mesmo sem a incerteza do futuro, eles têm a consciência de que independentemente do curso escolhido, a educação cumprirá seu papel de potencializar suas trajetórias.

Presença de mulheres negras em cursos majoritariamente masculinos têm pouco avanço nas universidades

Raquel e Giovanna querem conquistar espaço nos cursos vistos como masculinos

Por Kátia Flora, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

 A proporção de pretos e pardos no ensino superior teve um aumento na última década. Um levantamento feito pela Quero Bolsa, plataforma de inclusão no ensino superior, a partir de dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), informa que entre os anos 2010-2019, cresceu quase 400% o número de estudantes negros nas instituições de ensino. Mas, em alguns cursos como engenharia, administração, nutrição, entre outros, o percentual é bem menor.

Há também a ausência de mulheres negras nos cursos ocupados majoritariamente por homens, por exemplo engenharia civil e administração de empresas. Por outro lado, a Lei de Cotas, criada em 2012 como forma de políticas públicas, têm ajudado muitos jovens a realizar o sonho de entrar numa universidade. Para chegar nesse patamar, o Programa Já É, curso preparatório para o vestibular do Fundo Baobá de equidade racial, têm atividades voltadas à ampliação de habilidades socioemocionais e vocacionais, incluindo programa de mentoria.

É o caso da Raquel Pinheiro de Carvalho, 18 anos, que está feliz pela oportunidade de fazer o curso do Fundo Baobá e ter um auxílio dos profissionais, para alcançar seu objetivo. Ela quer cursar engenharia civil, profissão que conheceu quando tinha apenas 10 anos, através da prima, que estava terminando a faculdade e mostrava os seus trabalhos e projetos. Na época, ficou fascinada com aqueles desenhos, apesar de não entender muito os significados. “Gosto da área de exatas me identifico desde o ensino fundamental”, afirma.

Raquel Pinheiro de Carvalho, 18 anos

Na fase adulta trabalhou como jovem aprendiz em uma empresa de engenharia na Avenida Luiz Carlos Berrini, Zona Sul de São Paulo, na área dos Recursos Humanos, Raquel conta  que a maioria dos funcionários era composta por homens. Havia  apenas uma mulher negra, na época, estagiária de engenharia civil. “Eram quarenta e dois homens brancos e uma mulher negra na mesma área.

Raquel quer ser engenheira civil e seu foco é entrar na Universidade de São Paulo. Sabe das barreiras que irá enfrentar, e que a situação que relatou sobre o antigo emprego pode se repetir, mas segue firme o seu lema: “nunca desista de estudar”.

Já a estudante Giovanna Vitória dos Santos Xavier, 18 anos, quer estudar em universidade pública na área de nutrição. Ela descobriu a profissão no curso técnico da ETEC Uirapuru, que está atualmente no último semestre. Ela conta que, na sua sala de aula, a maioria das estudantes são mulheres e que negros são a minoria, mas ela se inspira no professor e coordenador do curso, homem negro, que motiva os alunos a continuar nos estudos e fazer a diferença na sociedade. Giovanna conta também com o apoio da mãe, que terminou o ensino médio há pouco tempo e trabalha como Líder de limpeza. “Na minha família, nunca fiquei sabendo de ninguém que tenha chegado cursar uma instituição de ensino. Minha mãe se sente orgulhosa e estimulada pelo meu esforço”, ressalta.

Giovanna Vitória dos Santos Xavier, 18 anos

Giovana está radiante com o Programa Já É, e a oportunidade de ter auxílio dos professores no aprendizado. “É a primeira vez que vou fazer cursinho e ter mais chances de passar na Universidade pública”, afirma.

O papel de pais e responsáveis na escolha do curso superior

A escolha pela profissão também passa pelo que é vivido no seio familiar

Por Eduarda Nunes, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Fazer faculdade não é uma escolha simples e para muitos não é nem uma possibilidade. Um país que foi construído sobre o alicerce do racismo e de outras mazelas sociais renega pessoas negras, mulheres e pessoas com deficiência ao Ensino Superior. Desfazer essa condição exige que sejam elaboradas e postas em práticas políticas públicas de reparação como a Lei de Cotas (2012) e os programas de auxílio estudantil .

Um levantamento feito pelo site Quero Bolsa, a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) verificou que entre 2010 e 2019 houve um aumento de 400% de estudantes negros nas graduações (de 38,15% a 56%). Entretanto, esses alunos não chegam a 30% em cursos como Medicina, Publicidade, Relações Internacionais e outros de prestígio social. Isso exemplifica que, embora o acesso da população negra à universidade tenha melhorado, ainda não deixou de ser uma questão que precisa ser amplamente debatida. Iniciativas como a do Fundo Baobá servem tanto para prover oportunidades, como para dar suporte às políticas públicas conquistadas pelo Movimento Negro.

No meio desses desafios há outro que persegue muitos estudantes: escolher o curso da faculdade. Afinal, como saber o que vai fazer, possivelmente, pelo resto da vida aos 17 anos? Esse é um momento importante e exige bastante não só do vestibulando, como também de quem está ao redor dele.

Na maioria das famílias negras brasileiras, as profissões estão sempre ligadas à servidão: trabalho doméstico, vigilância, serviços terceirizados. O programa Já É propõe uma transformação desse quadro, oferecendo suporte para muitos jovens se tornarem os primeiros da família a entrar na faculdade.

É esse o caso de Ângela Ferreira da Silva, jovem de 18 anos que pretende cursar Direito na Universidade de São Paulo (USP). Estudante esforçada, ela está sempre motivada a aprender. Na pandemia, com a instabilidade que foi estabelecida, ela começou a fazer curso de Inglês, Francês e História da Arte para não ficar parada. Segundo ela, essa vontade de conhecimento também faz parte da personalidade de seu pai, seu José Carlos, com quem mora. Embora nem ele nem sua mãe, dona Janaína, tenham cursado ensino superior, eles são essenciais na escolha de Ângela. “Eu sempre busquei as coisas de forma muito individual, quem sempre correu atrás de algum cursinho ou alguma vaga em alguma escola, ou tentar bolsa em escola particular foi sempre eu. Só que os meus familiares sempre me apoiaram nisso. Então eu chegava e mostrava uma oportunidade boa e eles me apoiavam e iam nos processos seletivos”, conta. A jovem mostra que ter apoio e estrutura é tão importante quanto o próprio ato de estudar.

Ângela Ferreira da Silva, 18 anos

O caso de Thauany Christina Gabriel Aniceto de Souza (25)  é um pouco diferente. Sua irmã, Ana Lúcia, foi a primeira a fazer faculdade e na família gerou-se uma expectativa de que ela seguiria os mesmos passos. Mas enquanto a mais velha foi para área de Recursos Humanos, Thauany quer mesmo é ser enfermeira. Os familiares, por um bom tempo, foram contra essa decisão. “Eles sempre disseram que a questão da enfermagem é ser um profissional que não tem vida”, conta ela, que também afirma não se importar de abdicar de seu tempo pessoal para poder ajudar nos cuidados de quem precisa. No início, ela nem queria faculdade mesmo. Aos 16 anos ela pensava em fazer curso técnico ou auxiliar porque queria mesmo era “pôr a mão na massa”, como ela mesma diz. Com o passar do tempo ela conheceu e se encantou pela área de obstetrícia. “Não tem como eu ser técnica e obstetra, eu teria que ser enfermeira obstetra e eu decidi fazer a faculdade de enfermagem para depois fazer a pós-graduação em obstetrícia”, relata. Todo esse processo interno aconteceu em paralelo ao convencimento da família de que essa era uma boa escolha.

Thauany Christina Gabriel Aniceto de Souza, 25 anos

Já com Vanessa da Silva Souza (24), a história é outra. Filha de trabalhadora doméstica, ela, que sempre teve uma relação muito afetiva com a comida, deu muitas voltas para decidir com o que iria trabalhar e acabou parando na área da cozinha. Ela cresceu vendo sua mãe, dona Maria José, cozinhando e fazendo disso uma forma de sustento para a família. Quando terminou o Ensino Médio, participou do projeto Chef Aprendiz e, através dele, conseguiu trabalhar num restaurante de comida saudável no centro de São Paulo. Ela passou de auxiliar de cozinha a cozinheira em pouco mais de dois anos. Foi tanto orgulho e realização pessoal que, juntas, Vanessa e dona Maria José passaram a nutrir o sonho de abrir um restaurante – que agora precisa ser tocado sem uma das partes, por conta de um câncer que acometeu dona Maria José e lhe tirou a vida em 2020.

Vanessa da Silva Souza, 24 anos

Os incentivos vêm de muitos lugares, principalmente do ambiente familiar. As memórias afetivas tem impacto em quem as pessoas são ou querem ser. Nem sempre é preciso ter cursado uma universidade para encorajar alguém a fazer uma. A contribuição para esse desejo acontece de muitas formas, como Ângela, Thauany e Vanessa acabaram de demonstrar.

 

Educar como forma de resistir

Diferentes histórias, um sentimento em comum: o amor pela educação. Em um momento frágil para a educação brasileira, jovens selecionados pelo Programa Já É mostram que o amor pelo ensino resiste

Segundo uma pesquisa realizada em 35 países pela organização educacional Varkey Foundation, o Brasil é o país com menor índice de  valorização dos professores. Além disso, o sistema de ensino público do país convive com a baixa remuneração, a falta de incentivo e de planos de carreira bem definidos – fatores que muitas vezes minam a motivação.

Estes são apenas alguns dos diversos problemas que atingem os profissionais de educação brasileiros. Ainda sim, em meio a um cenário profissional turbulento e uma classe desprestigiada, alguns jovens estudam com afinco para se tornarem professores.

Quando questionada sobre qual o seu maior sonho, Laysa Stefani, 18 anos, responde instintivamente: “tentar marcar vidas. Assim como a minha professora marcou a minha vida. Eu quero fazer isso com outras crianças, marcar a vida delas.”

O profissional da pedagogia, por estar em uma área direcionada à atuação com crianças, participa de fases importantes do desenvolvimento. Esses profissionais acabam se tornando grandes referências na vida de seus alunos.

Laysa Stefani, 18 anos

Foi a  observação da relação entre aluno e professor que fez Laysa optar pelo curso. “Quando as minhas irmãzinhas iam para escolinha, porque o pai delas tinha que trabalhar, eu via o jeito que elas chegavam felizes para estudar. Eu via a admiração que elas tinham pela professora da escolinha e eu percebi que era aquilo que eu queria pra mim quando tivesse que pensar numa profissão, uma coisa que eu queria fazer pra minha vida”, conta.

Apesar da beleza da profissão, o desprestígio dos professores é cada vez maior, assim como os artistas. É nesse cenário adverso que João Gabriel Ribeiro, um cearense de 20 anos, que partiu do seu estado natal para São Paulo em busca do seu objetivo de viver da música, estuda para cursar licenciatura na área.

Ele, que vivia com a sua mãe em uma cidade há cerca de 300 km de Fortaleza, chamada Milhã,  não tinha muitas oportunidades para explorar seu dom e realizar seus sonhos no município onde vivia. É quando ele decide buscar sua felicidade na Grande São Paulo onde, segundo ele, é mais fácil encontrar projetos sociais que o levem a realizar seus sonhos, como o Fundo Baobá.

Quando questionado sobre as motivações para se tornar professor de música, o artista diz querer “levar o ensino da música a mais pessoas que não tiveram, ou que não têm, as mesmas oportunidades que eu tive.”

João Gabriel Ribeiro, 20 anos
João Gabriel Ribeiro, 20 anos

Além disso, o jovem reconhece que, como professor, ele pode ajudar outras pessoas a explorar os seus talentos. “Muitas pessoas não têm a oportunidade de conhecer novos horizontes, alguns têm muito talento e não conseguem desenvolvê-lo e acabam se perdendo e indo para outros caminhos.”

Percebe-se que os jovens que estudam para atuar na área da educação estão buscando repetir padrões positivos da vida deles. Seja um professor exemplar, ou a experiência em si de ser aluno, eles querem reproduzir o que um dia a educação os causou. “O papel da educação na minha vida foi me ensinar a ver o mundo”, afirma João.

Os caminhos que levam os estudantes até a universidade

Da zona leste à Região Metropolitana de São Paulo, o sonho de ingressar no Ensino Superior.

A pluralidade  brasileira, com diversas realidades distintas coexistindo em um mesmo espaço, permite que os caminhos que levam até à universidade sejam incontáveis. Se a entrada no ensino superior fosse um destino pré-definido em um itinerário, a viagem passaria desde a inspiração herdada pelos familiares e amigos à superação de quem nunca se viu representado no universo acadêmico. Nos contrastes destes horizontes, sonhos e metas de estudantes são formados.

É nestes bastidores da vida que os objetivos de Gustavo Jesus Soares, de 17 anos, morador da Vila Yolanda II, na zona leste de São Paulo, foram moldados. Apresentando um olhar calmo e atencioso enquanto arruma o cabelo no formato Black Power, o jovem destaca que uma das suas principais características está na forma como enxerga o mundo: de uma maneira simples onde a sua força de vontade te leva longe.

Com a determinação de quem acredita que somente com os estudos as suas metas serão alcançadas, Gustavo atravessa a zona leste de São Paulo a caminho do trabalho com livros, cadernos e canetas, porém esses objetos não são suas ferramentas de trabalhos — já que atua no ramo de pinturas de bonecos –, mas sim, companheiras diárias da sua busca por conhecimento.

Gustavo Jesus Soares, 17 anos

“Para chegar até onde trabalho, preciso sair de casa muito cedo por causa do trânsito e demora para realizar o trajeto. É mais ou menos uma hora e trinta minutos de deslocamento [de acordo com o Ibope, um paulistano passa cerca de um mês e meio parado no trânsito]. Porém, mesmo com essa demanda, eu encontrei um jeito de estudar e não perder o foco dos meus objetivos. Durante o trajeto do ônibus, eu coloco a leitura de temas importantes em dia”, afirma.

Dividindo o ambiente familiar com os seus pais, o jovem destaca que o incentivo diário de ambos é o que auxilia na concentração dos seus objetivos. O pai do estudante atua no ramo de almoxarifado enquanto a mãe, formada em pedagogia, é professora de educação infantil.

É com esse apoio incondicional que a jornada até a universidade ganhou propósito. Segundo Gustavo, o sonho de viver bem, com a mente tranquila, em paz com o mundo e sem se “matar” por dinheiro é o que dá sentido ao esforço diário que encara no transporte público. Para transformar esses e outros sonhos em realidade, ele pretende cursar administração com foco em Finanças Pessoais.

“Eu busco liberdade de expressão e financeira. Para isso, preciso compreender como administrar os meus gastos e administrar a minha vida como se fosse uma empresa real. Onde eu sou o dono, o funcionário e tudo”, define.

Do outro lado de São Paulo, mais especificamente em Franco Rocha, na Região Metropolitana da cidade, os caminhos até a universidade passam pela inquietação de quem pretende conhecer e conquistar cada detalhe possível de ser desbravado neste mundo. É com curiosidade presente nas personalidades das pessoas jovens, que possuem uma sede natural por descobertas pessoais, que Giovanna Oliveira Correia da Silva expõe em metas os seus desejos: estudar de tudo um pouco.

Convivendo em um ambiente tranquilo, como ela mesmo define, a jovem divide o lar com os seus pais. Ao lado deles, a estudante possui a oportunidade de realizar uma agenda de estudos saudável, com cerca de três horas de dedicação diária. Através das suas lentes de óculos, os olhos castanhos escuros de Giovanna demonstram a vontade de explorar o novo.

“Eu sei que sou muito nova, mas pretendo estudar muitas áreas ainda! Eu quero cursar Publicidade e Propaganda, depois Letras e me aperfeiçoar em inglês. Acredito que são cursos e profissões que exploram o que tem de melhor no mundo”, exalta.

A estudante revela que suas expectativas com o Programa Já É, do Fundo Baobá. Para ela, a iniciativa representa a possibilidade de tornar os seus objetivos em realidade, já que será a primeira vez que fará a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – contará com acompanhamento profissional. Além deste passo importante, Giovanna acredita que é uma oportunidade incrível de conhecer e conectar-se com outros jovens que possuem a mesma determinação de ingressar no ensino superior.

‘Já É’ tem jovens LGBTQIA+ com bolsa para curso de pré-vestibular

Jovens homossexuais e transexuais falam da importância do programa para inclusão de gênero e de sexualidade nas universidades

Por Marcos Furtado, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

O que uma mulher trans, um homem trans e um homossexual que moram em São Paulo têm em comum? Eles estão entre os 100 contemplados pela bolsa do programa ‘Já É: Educação e Equidade Racial’ para fazer um cursinho pré-vestibular. Lucca Catherine, Breno Ribeiro e Victor Passos terão apoio educacional, psicossocial e vocacional durante a preparação para a seleção do ingresso ao ensino superior. No entanto, ainda existem muitos jovens LGBTQIA+ que nem ao menos se imaginam estudando. Afinal, qual a importância de iniciativas que incentivam a diversidade e a inclusão de gênero e de sexualidade nas universidades?

Para a vestibulanda, que se identifica como mulher trans, Lucca Catherine, de 22 anos, “estar em uma universidade mostrando que a gente (pessoas trans) não é só estereótipos. Somos inteligência, conhecimento e capazes de mais. E provar esse tipo de força de não ser cis no mundo cis faz a gente adquirir experiências, como quando nos tratam com o nome errado, nos expulsam do banheiro e nos agridem na rua. Então a gente pode levar para a universidade essa interseccionalidade que as pessoas ainda não entendem”, pontua.

Lucca, que mora em Americanópolis, na Zona Sul de São Paulo, deseja cursar ciências sociais para ensinar outras pessoas sobre questões que envolvem a luta contra a LGBTfobia. O desejo da jovem torna-se ainda mais importante quando se olha para as estatísticas.

Lucca Catherine, 22 anos

Dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) apontam que, em 2020, o Brasil, infelizmente, foi o país que mais matou pessoas transexuais do mundo. Com 175 mortes, o ano passado foi o 12º consecutivo em que o país apareceu no topo da lista.

Com a bolsa do ‘Já É’, Lucca considera que terá um importante apoio para atingir os seus objetivos. “Quando recebi a notícia que tinha sido aprovada, eu fiquei muito feliz”, lembra. “Quero poder ajudar a expandir o conhecimento das pessoas sobre questões sociais da melhor forma possível.”

Da mesma maneira, Victor Passos, de 23 anos, percebe a importância da inclusão e representatividade de pessoas LGBTQIA+ na produção de conhecimento acadêmico. “Eu sempre achei necessário que esses corpos ocupem esses espaços para que a gente possa humanizar pessoas que a sociedade lida como anormais”, afirma.

Com o sonho de fazer a graduação de artes cênicas, o jovem, que vive em Taboão da Serra, município da região metropolitana de São Paulo, sonha em trabalhar com televisão. “Acho muito importante a gente ter uma série, como ‘Pose’, trazendo pessoas transexuais e travestis como personagens principais.”

Victor Passos, 23 anos

Breno Ribeiro, de 17 anos, passou por algumas dificuldades dentro de casa, no bairro de Jardim Aracati, em São Paulo, para que alguns membros de sua família o tratassem com os pronomes adequados a um homem trans, sua identidade de gênero. A mudança veio com o tempo e os próprios parentes do rapaz perceberam o quanto isso foi positivo.

O bolsista do ‘Já É’ tem a intenção de cursar física e sonha em algum dia trabalhar com astronomia. Ciente da baixa presença e permanência de pessoas LGBTQIA+ nas universidades, Breno, morador do Jardim Aracati, na Zona Sul de São Paulo, acredita que programas como o do Fundo Baobá agregam para os alunos, que têm a oportunidade de se desenvolverem, e para as instituições, que aprendem quais maneiras de incluir e aumentar o bem-estar dessas pessoas.

Breno Ribeiro, 17 anos

Ter contato com diversidade, seja sexual, de raça, de lugares, de culturas e de pessoas com deficiência na universidade é muito importante para conhecer novos olhares sobre a vida”, avalia. “É ruim viver numa bolha que só tem gente igual. As pessoas são diferentes e a gente precisa ter contato com essas diferenças.”

Lucca, Victor e Breno são três dos 100 jovens que representam a diversidade de gênero, sexualidade, raça, local de moradia e de pessoas com deficiência que o Fundo Baobá quer ver se desenvolver no mercado de trabalho. O programa ‘Já É’ é o primeiro passo desse processo que, dentre tantas bandeiras, tem a causa LBGTQIA+ como uma de suas prioridades.

Enfermeiros e médicos inspiram jovem ao cuidarem de sua avó

A avó de Barbara Oliveira sofria de esclerose lateral amiotrófica, uma doença rara e degenerativa

Barbara Oliveira Guimarães, de 23 anos, mora no bairro de Cachoeirinha (Zona Norte de São Paulo) e sempre admirou os profissionais da saúde. Isso porque durante um período de sua vida, Guimarães passou a receber médicos e enfermeiros em sua residência. O motivo era a condição rara e degenerativa de sua avó, portadora de esclerose lateral amiotrófica.

Ao ver o afeto e dedicação dos profissionais, ela decidiu cursar Enfermagem. “Todo aquele cuidado foi essencial na minha vida, fez toda a diferença. Entendi que era isso que eu queria: ajudar as pessoas através da minha profissão”, conta. Guimarães acredita que, mesmo morando em um país tão corrupto e desigual, ainda assim ela vê potencial em si mesma.

Barbara Oliveira Guimarães, 23 anos

A jovem, que atualmente mora com sua mãe, irmã e sobrinha recém-nascida, deseja conquistar seu espaço na sociedade, e estuda em casa para alcançar seu objetivo de se tornar enfermeira. Apesar do seu foco, a estudante enfrenta alguns problemas estruturais, pois a falta de privacidade em uma casa pequena com muitas pessoas e pouco silêncio, dificulta sua rotina de estudos. “Eu também tenho dificuldade em aprender algumas coisas sozinha, então fica bem complicado”, diz.

Foi através do Fundo Baobá que Guimarães se sentiu mais próxima do seu objetivo. Ela conheceu o projeto através do grupo Fórum da Consciência Negra, do qual participa. O link chegou em meio aos posts, e a estudante se interessou. “Confesso que no começo fui pessimista, achei que não passaria, mas fiquei surpreendida com a notícia boa”, diz. “Eu sinceramente não consigo me ver fazendo outra coisa. Já pensei em mudar para outras profissões, mas nada me chama atenção. Acredito que estou no caminho certo”, conclui.

Vestibulandos de primeira viagem se sentem prejudicados pelo ensino na pandemia

Quatro estudantes da cidade de São Paulo falam das dificuldades que enfrentaram com o ensino à distância

Por Pedro Ribeiro, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá pela Igualdade Racial

A pandemia do novo coronavírus trouxe grandes problemas para os estudantes em 2020, especialmente os mais pobres. Quatro jovens que estão se preparando para encarar os vestibulares após o ensino médio contaram um pouco das dificuldades que enfrentam.

Sem a possibilidade de acontecer aulas presenciais por risco de transmissão da Covid-19, alunos de todo o estado de São Paulo passaram a ter aulas em casa. Falta de estrutura, internet e qualidade do ensino em formato EaD (Ensino à Distância) são motivos de queixa dos vestibulandos.

Gabriel Lima Viana Silva, de 19 anos, mora no Capão Redondo, bairro da Zona Sul de São Paulo. Ele terminou o ensino médio no ano passado e pretende cursar ciências sociais. O jovem chegou a prestar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2020, mas diz que foi mediano. Ele atribui o desempenho pouco satisfatório ao conteúdo do terceiro ano.

Gabriel Lima Viana Silva, 19 anos

“Toda vez que a gente pensa em alguma coisa relacionada à internet, imaginamos algo utópico, fora de padrão, só que na prática não é assim. A acessibilidade de quem mora na periferia é bem difícil. Por mais que nós tenhamos internet fixa dentro de casa, muitas vezes ela é instável. Então não é toda vez que conseguimos ter acesso às aulas e ao material do curso”, explica.

Gabriel espera que o Programa Já É, do Fundo Baobá, o ajude a alcançar uma colocação melhor nos próximos vestibulares e até uma vaga na universidade pública por meio do Sisu (Sistema de Seleção Unificada). “Espero estar cada vez mais preparado. Essa é a meta”.

Esperança de volta às aulas

Naomi Brito tem 17 anos e mora no bairro do Jaraguá, na Zona Norte da cidade. Ela está cursando o terceiro ano do ensino médio, o segundo dela durante a pandemia. A experiência de aprender longe das salas de aula não foi nada agradável para ela.

“Foi difícil e triste. No primeiro ano eu amadureci muito e tenho certeza de que se tivesse estudado presencialmente  no ano passado teria amadurecido muito mais. 2020 foi um ano perdido. Espero que até a metade deste ano a gente consiga se reunir na escola de novo”, diz.

Naomi Brito, 17 anos

A adolescente sonha em cursar gastronomia desde os oito anos e está focada em estudar na Universidade Federal da Bahia. Ela nunca prestou nenhum vestibular e espera cruzar um caminho difícil até o diploma. Mas, por se identificar com o curso, acha que o esforço valerá a pena.

“Em casa eu estudo pela manhã e à tarde eu preciso fazer comida, limpar a casa e cuidar dos bichos. Quando chega à noite, eu também estudo e termino algumas lições. É difícil me concentrar estudando aqui, eu gosto de estar na sala de aula. Para mim, o EaD nunca vai ser igual ao presencial”, lamenta Naomi.

Aulas e cursinhos presenciais interrompidos

A estudante Natália dos Anjos de Oliveira, de 18 anos, mora com os pais no bairro de São Mateus, na Zona Leste de São Paulo. Com uma bolsa de estudos, ela estudou em colégio particular durante todo o ensino fundamental, mas por falta de recursos se transferiu para uma escola estadual.

Para tentar compensar as diferenças do conteúdo das escolas, Natália fez alguns cursos extracurriculares. Nesse período, ela teve que encarar a pandemia durante o terceiro ano do ensino médio e diz que a experiência foi chocante.

Natália dos Anjos de Oliveira, 18 anos

“Quando eu recebi a notícia de que a gente não ia mais sair de casa eu estava fazendo um cursinho promovido pelos professores da escola para ajudar a gente no vestibular. Foi um baque na hora. Todo mundo aqui em casa ficou assustado. Demorou dois meses para as aulas voltarem”, diz a estudante.

Por causa disso, ela diz que foi impossível estudar para encarar um vestibular em 2020. Ainda assim, como aluna do último ano, ela decidiu fazer o Enem. “A prova de humanas eu consegui ir bem, pois já tinha feito simulações. A de exatas foi a que me deixou mais cansada. Mas acho que fui bem para a primeira experiência”.

Esperança com o cursinho

O Programa Já É vai oferecer aulas híbridas, o que resolve parte do problema dos alunos com as aulas EaD. Além disso, os contemplados pelo edital terão consultorias de carreira e orientação psicopedagógica para encarar os vestibulares com força total.

Negros são a maioria entre os trabalhadores informais no país

Informativo do IBGE aponta que 47,4% dos trabalhadores negros do Brasil estão inseridos na informalidade

Por Mônica Moreira, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram que, em 2019, a taxa de trabalhadores sem carteira assinada no país ficou em 41,6%, o que corresponde a 39,3 milhões de pessoas nessa situação.

Foi apontado neste mesmo estudo que a população preta ou parda (47,4%) estava mais inserida em ocupações informais em comparação à população branca (34,5%).

Esse grupo de pessoas classificadas como informais inclui trabalhadores empregados no setor privado e empregados domésticos sem carteira assinada, empregador e trabalhador por conta própria sem registro com CNPJ e trabalhador familiar auxiliar.

Kerollyn Silva Alves, de 24 anos, trabalhou informalmente na área privada como puxadora na rua 25 de Março, em São Paulo, função que consiste em atrair potenciais compradores para a loja. “Quando eu estava na informalidade era muito ruim, não tinha direito nenhum. O trabalho autônomo é bom quando se trabalha apenas para você e sabe que está investindo no seu próprio futuro”, aponta.

Kerollyn Silva Alves, 24 anos

Com a pandemia, a loja em que a jovem trabalhava fechou as portas. “Nós trabalhávamos com fluxo de pessoas e no começo da quarentena todo mundo estava respeitando mais as regras de isolamento. Então, a minha antiga chefe me dispensou por não conseguir arcar com os prejuízos”, conta.

Atualmente, a jovem trabalha com registro CLT como operadora de telemarketing. Com o apoio do  Programa Já É e a preparação para os vestibulares, pretende ingressar na universidade e, futuramente, abrir o próprio negócio para oferecer mais opções de emprego a pessoas pretas e LGBTQIA+.

 

Necessidade de mercado

Izabel dos Santos Neimeir, de 23 anos, foi demitida e, para arcar com as despesas da casa, recorreu ao trabalho informal.

“Eu tive meu contrato encerrado numa ONG, onde trabalhava com cuidados de crianças e adultos com deficiência. Em janeiro, eu estava desempregada e com a minha casa em reforma, precisava de um emprego, só com o salário do meu marido não dava para manter a construção. Consegui um emprego perto da minha casa e hoje cuido do Sr. Valdivino, de 86 anos”, comenta.

Izabel dos Santos Neimeir, 23 anos

De acordo com a jovem, a adaptação para o trabalho sem carteira assinada foi fácil, mas trouxe outras responsabilidades que não tinha quando era CLT. “Quando eu estava na casa de repouso, ganhava muito menos e trabalhava bem mais. Mas antes eu tinha mais segurança em relação aos benefícios, como o INSS, por exemplo. Eu sei que tenho a opção de pagar como autônoma, mas não lembro de fazer isso todos os meses e quando era registrada, o valor era descontado automaticamente do meu salário”, relata.

Com o apoio do Fundo Baobá, a jovem quer ingressar no ensino superior para exercer a profissão de professora e enxerga nisso uma oportunidade para sair do mercado informal, ter mais segurança e uma vida mais estável.

Taluma Gabriely Sousa Ferreira, de 21 anos, viu na chegada da pandemia a oportunidade de recomeçar em uma nova área. A jovem passou a fazer unhas em casa após ser demitida do antigo estágio por trancar a faculdade, e, com o fechamento das escolas, não tinha com quem deixar a filha Valentina, de 5 anos.

“Ser autônoma é novo, porque eu nunca fiz unhas na minha vida, mas surgiu essa ideia de fazer algo que me desse suporte. Criei uma página no Instagram, Espaço Luma Ferreira, comecei a divulgar para as minhas amigas e meus parentes, e montei um cômodo da minha casa para fazer os atendimentos. As primeiras unhas que fiz foram da minha mãe, tia e primas. Por enquanto não está da forma que eu gostaria, com muitos clientes e a agenda cheia, mas é só começo”, diz.

Taluma Gabriely Sousa Ferreira, 21 anos

 

Mais flexibilidade

Um dos principais pontos positivos para as jovens em serem autônomas é o fato de poder definir o próprio horário de atividades. Isso possibilita, inclusive, uma melhor adaptação da rotina pessoal com Programa “Já é”, do Fundo Baobá para Equidade Racial.

“Eu trabalho até às 11h da manhã, tenho o dia inteiro para resolver as minhas coisas. O Sr. Valdivino é muito tranquilo, se ele dorme e fica sem febre ou mal-estar, consigo descansar também. […] Quando preciso resolver pendências no período da manhã, tenho a possibilidade de trocar meu horário com a filha dele. No CLT você precisa pedir atestado e nem sempre é condizente com o tempo que você passou fora”, relata Isabel.

A manicure, Taluma, também concorda com este aspecto. “Eu consigo me organizar melhor para atender as clientes de acordo com os meus compromissos pessoais. Ainda mais por não atender no salão em que eu preciso estar lá o dia todo, sem saber quem vai chegar”, explica a jovem.

As barreiras que quatro jovens negras enfrentam para ingressar nos cursos mais concorridos da universidade pública

As estudantes Luiza, Emily, Isabella e Clarissa sonham em estudar na universidade mais cobiçada do país, a USP

Por Kátia Flora, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

A escolha de um curso superior para jovens que terminam o ensino médio não é uma tarefa fácil. A maioria sai de escolas públicas sem perspectivas, por falta de um ensino de qualidade e que dê suporte ao estudante para ingressar numa universidade. Por isso, o auxílio de políticas públicas têm reforçado o incentivo para esses candidatos, como a Lei 12.711, conhecida como a Lei de Cotas, que serviu para a diminuição desse cenário desigual na educação.

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados no estudo  Desigualdade Sociais por Cor ou Raça Brasil (2019),  mostram  que pretos e pardos representam 50,3% do número de estudantes no ensino superior vindo da rede pública. Apesar desse avanço, de acordo com a Quero Bolsa, plataforma de inclusão no ensino superior, a taxa de estudantes negros para medicina é menor que 30%.Os cursos de psicologia e biologia seguem na mesma proporção.

Iniciativas como o Programa Já É, do Fundo Baobá, tendem a melhorar esse panorama na sociedade e viabilizar a entrada dos estudantes negros nas universidades.

É o caso da Luiza Firmino Gabriel, 18 anos, uma das jovens selecionadas que pretende fazer medicina. O seu sonho é entrar na Universidade de São Paulo (USP) e para isso tem o apoio da mãe Cíntia Firmino Gabriel, 52 anos, professora do ensino fundamental que incentiva a filha a focar nos livros de literatura para os vestibulares. Luiza promete se dedicar aos estudos e fica entusiasmada com a oportunidade que está recebendo. “Será uma conquista para uma jovem negra ser médica pediatra”, diz.

Luiza Firmino Gabriel, 18 anos

A estudante, moradora do bairro Vila Porto, em Barueri, região metropolitana de São Paulo, afirma que na área de medicina não tem referência de profissionais por ter poucos médicos negros. Mas, ela quer fazer a diferença e inspirar jovens a seguir seu caminho. “Tenho vontade de fazer engajamento social como médica e incentivar outras adolescentes negras com o meu trabalho”.

Emily Tauany Souza Andrade Pereira, 19 anos, também quer exercer medicina e conta que a vontade surgiu quando estava no ensino fundamental, nas aulas de biologia e ciências. “Me apaixonei pela profissão que estuda o corpo humano, é fascinante”, diz entusiasmada.

Atualmente, ela trabalha como jovem aprendiz em uma instituição bancária, seis horas por dia. O contrato será encerrado no mês de março deste ano, e assim a estudante vai ter mais tempo para se empenhar no curso pré-vestibular. Emily, moradora do Parque Fernanda, região do Capão Redondo, Zona Sul de São Paulo, tem o apoio dos dois irmãos e da mãe, Marinalva Juvina de Souza, 52 anos, para alcançar o seu sonho.

Emily Tauany Souza Andrade Pereira, 19 anos

O desejo da futura médica pela área de saúde é tão intenso que ela já sabe em qual área pretende seguir: ser cirurgiã torácica. “Nesta especialidade que quero trabalhar vejo muitos homens brancos, não tem referência de negros. Infelizmente a medicina é muito elitista”, enfatiza.

O caso de Isabella Alcântara dos Santos, 17 anos, é um pouco diferente. Antes o seu sonho era cursar medicina, assim como Emily. No entanto, a jovem passou a buscar mais informações sobre a área e percebeu, no primeiro ano do ensino médio, que tem mais afinidade com a área da psicologia. Dedicada aos estudos, a moradora da Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, no ano passado, durante a pandemia, reservava parte do dia para pesquisa dos trabalhos e cursos online.

Isabellla está muito feliz por ser a primeira da família a fazer um curso pré-vestibular e quer estimular o irmão a seguir o mesmo caminho.”Vejo como uma coisa muito boa, no intuito de realizar meu sonho, entrar na USP. Para quem mora na periferia, as dificuldades são muitas, mas não olho pra isso e sim pra onde quero chegar. Penso em abrir meu consultório e atender adolescentes que sofrem com depressão, ansiedade. Eles precisam de cuidado e atenção”.

Isabella Alcântara dos Santos, 17 anos

Com as notícias sobre a pandemia, os insumos e a eficácia das vacinas, despertaram ainda mais o desejo da estudante Clarissa Beatriz da Costa Bulling, 18 anos, em cursar Biologia .”É isso que eu quero seguir no futuro, fazer parte desse meio cientifico”, diz orgulhosa.

A vontade de se aperfeiçoar nesta área surgiu no início de 2020, quando foi com a mãe e o irmão viajar para Manaus. Ao conhecer a cidade, ela se encantou com as florestas, rios e plantas do local.

Clarissa Beatriz da Costa Bulling, 18 anos

Clarissa mora com a mãe e o irmão mais novo. Residem numa casa de cinco cômodos alugada, ela divide o quarto com o irmão, e tem um espaço para guardar os livros e estudar. Com o apoio da família, que mora no bairro Monte Azul, na Zona Sul de São Paulo, e da bolsa de estudos do Programa Já É, a jovem planeja conquistar seus objetivos. Neste ano pretende se compenetrar nos estudos e entrar na USP para cursar biologia. “Quero conviver com a natureza, isso é tudo pra mim”.

Essas jovens têm sonhos e metas, querem vencer obstáculos, mesmo com toda adversidade e barreiras. As famílias são a base para que elas alcancem seus propósitos e as estudantes veem, na iniciativa do  Fundo Baobá, a possibilidade de estimular outros jovens pretos e pardos.

Jovens artistas negros em busca do diploma

Conheça alguns dos selecionados do programa Já É que se dedicam, por meio do estudo, ao enfrentamento da invisibilização dos artistas negros nos meios artísticos

Por Eduarda Nunes, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Em um país que esconde a cor de Machado de Assis, um dos escritores mais notáveis da Literatura, estimular e visibilizar artistas negros é essencial. Eles demonstram e denunciam cotidianamente o racismo e sexismo ainda presentes na área através de muito Artivismo, movimento que, segundo a pesquisadora Wynne Borges Carneiro, foi iniciado pelos artistas visuais.

A possibilidade de assistir atores e atrizes negras nos filmes, novelas e teatros, fazendo outros papéis que não os de servidão, é uma reivindicação externa às estruturas hegemônicas que legitimam o que é Arte. Ainda nesse sentido, se hoje é possível entender que ser artista não está ligado aos estudos formais e acadêmicos, mas à capacidade de reflexão e criação, essa também é uma conquista dos artivistas. Dentre os selecionados do Programa Já É contamos com alguns jovens artistas que buscam dar continuidade às suas criações a partir do conhecimento que a universidade tem a lhes oferecer.

Luiz Oliveira, de 18 anos, é artista e costureiro, mantém sozinho um atêlie com produções que aquecem a arte Drag de Mogi das Cruzes. Ele vê na iniciativa do Fundo Baobá uma oportunidade de acessar o conhecimento teórico disponível no ensino superior para profissionalizar ainda mais a sua arte. “Por eu já ter essa identificação dentro da arte e por grande parte da minha família fazer um trabalho com arte afrodescendente, eu acho que Artes Visuais seria um engajamento pra tudo”, conta o jovem artista.

Crescido em meio à cultura afro-brasileira fervente, cultivada por seus familiares, a arte Drag chegou à vida do jovem ao entender-se homossexual. Suas principais referências são seu pai e homens gays negros da cena Drag Queen, como Márcia Pantera e Jorge Lafond.

Luiz Benedito Ferreira de Oliveira, 18 anos

A arte que já vivia presente no seu dia a dia, o ajudou a lidar com a depressão e a consolidar seu lugar no meio artístico. Como desde sempre lidou com culturas que são socialmente marginalizadas pelo Estado e pelas pessoas, Luiz sente que é preciso ainda mais união do povo negro para que as manifestações culturais afrobrasileiras continuem vivas e contando as histórias de quem até hoje reinvindica reparaçõa histórica.

Flávia Martins tem 25 anos e é violinista. Ela conta que a rigidez da cena musical erudita impossibilita a inserção de pessoas negras nessa arte. Os entraves desse meio impedem que ela se torne a violonista concertista que gostaria de ser.

“Eles colocam limites em tudo para que você não consiga entrar se não for do jeito deles. Que criança negra tem a oportunidade de tocar violino antes dos 10 anos? Isso não é o tipo de coisa que as crianças geralmente falam para os seus pais. Independente de serem brancas, negras ou indígenas”, comenta. Flávia trabalha para que sua o universo violinista não seja tão “engessado” com regras e preconceitos. Atualmente a jovem trabalha numa organização filantrópica dando aula de violino para pessoas com deficiência.

Flávia Martins de Santana, 25 anos

Flávia também comenta sobre os preconceitos no ramo. “No meio erudito eles não tem medo de serem racistas. As pessoas têm o racismo velado nos espaços, mas no meio erudito, não. Um cara vira pra você e fala ‘uma macaca não vai tocar na minha orquestra’  e pronto. O racismo é liberado nessa área. A misoginia é liberada. Tudo isso é estruturado há muitos anos”, conta ela.

Outra participante do Já É, que tem sua carreira artística iniciada na área da dramaturgia é a Jakeline Souza, de 21 anos. Atriz há quase 3 anos, Jake, como gosta de ser chamada, deseja se formar em Artes Cênicas, no entanto, os anos de experiência na área não impedem que ela sofra com as incertezas que permeiam a escolha da profissão. “Por mais que eu trabalhe na área, ainda é uma coisa muito insegura. É difícil se imaginar bem-sucedida trabalhando com arte na periferia. Não parece que vai ser uma coisa que vai me dar uma estabilidade [financeira]”, confessa.

Por mais que já esteja se preparando para ingressar neste curso na universidade, a jovem vê Artes Cênicas como um campo muito cruel para as pessoas negras. Segundo Jake, o que entra em jogo não é só a capacidade técnica e desenvolvimento de atuação, mas também a estética. Mesmo assim, ela não abandona o sonho de ser uma atriz negra e periférica reconhecida, assim como as suas referências Naruna Costa e Gal Costa, diretoras da Companhia Sansacroma.

Jakeline Souza Lima, 21 anos

“Você precisa ter muito suporte psicológico para estar ali, porque desde o momento que você pisa num teste só pra ser avaliada já é uma questão muito grande. São olhares de pessoas que têm uma realidade totalmente diferente da sua. Pessoas que fazem arte e que estão nesse meio desde criança”, conta a atriz.

Jake, Flávia e Luiz são jovens artistas que nem entraram na faculdade e já abordam diversos pontos sobre a presença e permanência de pessoas negras no mundo das artes. A invisibilidade e imposição de dificuldades sempre aconteceu, mas tem muita gente como eles fazendo os enfrentamentos necessários para que essa deixe de ser uma realidade.

A ancestralidade que acompanha cada passo dos estudantes

A tarefa de ser o primeiro integrante da família no Ensino Superior

Por Ariel Freitas, do Perifaconnection, em colaboração com Fundo Baobá para Equidade Racial

Das filosofias que ligam a vida ao cotidiano real, há um conceito africano que define a importância da vitória coletiva para o povo negro: “Ubuntu – Eu sou porque nós somos”. É nos princípios dessa ideologia que a real dimensão de ser o primeiro integrante da família a ingressar no Ensino Superior é revelada. Na presença desse pensamento e na forma de levar a vida, Alan David Vieira, de 20 anos e morador da Vila Perus – um distrito localizado na Zona Noroeste de São Paulo que abriga 45 bairros e vilas no seu território -, compreende que cada passo seu a universidade representa a vitória dos ancestrais que o acompanham no trajeto.

Alan David Vieira, 20 anos

Amante do gênero rap e apreciador da cultura Hip-Hop, Alan demonstra um olhar atento e curioso sobre as questões humanitárias e sociais, temáticas que explora no seu talento com a área da arte gráfica. Antes de cultivar o desejo de estudar Design Gráfico e, possivelmente, Publicidade e Propaganda, o jovem se dedicou à sua paixão pelo quarto elemento da cultura de rua: o grafite. Das latinhas de tintas e dos sprays nas mãos para a criação de cards, layouts e artes através de softwares de design e fotos.

“Os meus pais só estudaram até o Ensino Fundamental. Então essa oportunidade que tenho agora é muito especial. Quero estudar Design Gráfico para aperfeiçoar a área que já atuo, que é criação de arte. Eu descobri que essa é uma forma de ser e viver livre, confiante e ainda descobrir quem sou. Eu, que não tenho emprego fixo, costumo dizer que meus trabalhos sempre serão mais do que apenas artes”, explica.

De outro lado do mapa, mais especificamente no bairro Ponte Rosa, Zona Leste de São Paulo, Caroline Cristina Santos, de 22 anos, enfrenta as adversidades impostas pela desigualdade racial nas questões que envolvem os índices de educação no Brasil. A jovem fez parte das estatísticas que revelam que 71,7% (IBGE) dos jovens que abandonam os estudos são pessoas negras: a estudante permaneceu na evasão escolar por dois anos.

“Chegou um momento da minha vida que eu perdi totalmente a vontade de estudar. Não tinha ânimo nenhum de ir à escola e isso me fez parar por dois anos. Fiquei em casa cuidando da minha sobrinha e conciliando a rotina com o expediente de trabalho, mas percebi que retornar aos estudos me auxiliaria em serviços melhores e salários mais adequados”, desabafa.

Após esse período longe da escola, Caroline, que trabalha em uma fábrica de costuras, compreendeu que precisava retornar aos estudos para tecer os sonhos em realidade. A partir dessa iniciativa, a estudante definiu que gostaria de ser a primeira da sua família a ingressar no Ensino Superior.

“Eu estou me descobrindo, querendo sair da bolha. A minha família ficou muito feliz com a decisão e me apoia muito todos os dias. Depois de ingressar em uma faculdade, eu busco realizar um intercâmbio em outro país”, complementa.

Fora da Capital de São Paulo, mas dentro dos valores representados pela filosofia de Ubuntu, Geovana da Silva Melo, de 22 anos e moradora de Osasco, detalha que a coragem é essencial para trilhar o caminho de ser a primeira representante da sua família no Ensino Superior. Da Região Metropolitana do estado, a jovem explica que a sua maior determinação é a possibilidade de reverter o quadro taxado para estudantes negros: a de não estarem aptos para cursar uma faculdade.

“É muito difícil ser taxado como alguém que não conseguirá entrar em uma universidade. E esta realidade está sendo redobrada com as mudanças nos Exames Nacionais de Ensino Médio (ENEM). O conteúdo da prova deste ano foi mais elitizado do que de outras edições. Existem mais oportunidades para as pessoas brancas, que estão mais conceituadas nas classes econômicas do Brasil”, aponta.

Geovana da Silva Melo, 22 anos

Na busca do seu sonho, Geovana comenta que estuda em cursinhos populares e presta as provas do ENEM há bastante tempo. A jovem possui a meta de estudar administração, com ênfase em gestão de pessoas. No início deste ano, ela foi aprovada com bolsa integral de estudos do Prouni, mas viu o sentimento de felicidade ser transformado em um momento de frustração, pois, de acordo com ela, os documentos não foram aceitos. Apesar deste contratempo na sua trajetória acadêmica, a estudante destaca que possui certeza que, em breve, o seu ingresso no Ensino Superior será concretizado.

Trabalho tecnológico e trajetória ativista definem a missão da Amadi Technology, apoiador do Programa Já É

O nome Amadi significa alegria e harmonia, ele veio de um ritual conhecido como Ikomojade, que dá nome ao recém nascido dentro da tradição Yorubá. “Há um ano e meio nossa filha nasceu e recebeu esse nome na comunidade tradicional de terreiro, o Ilê Alaketu Ifá Omo Oyá, da qual fazemos parte”, diz Agnes Karoline, CEO da Amadi Technology, empresa que leva o mesmo nome de sua filha com o esposo e sócio Renato Racin.

A trajetória da Amadi Technology começou com Renato Racin. Trabalhando há 15 anos com informática, iniciou os seus trabalhos com o setor privado, depois contribuiu para ativistas de direitos humanos e ativistas políticos, além da comunidade de software livre. Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Renato lutou por melhores condições de acesso e permanência na universidade.  

Com o aumento das demandas por trabalhos de TI com as organizações do terceiro setor, principalmente organizações que lutam pela defesa dos direitos humanos, houve a necessidade de aumentar o nível de profissionalização no atendimento dessas demandas e por uma gestão mais eficiente: “Foi então que constituímos uma sociedade, com a atual diretora-executiva Agnes Karoline”, revela Renato. Graduada em Ciências Sociais também pela UNIFESP, Agnes também possui cursos na área de gestão pública (ETEC CEPAM USP) e gestão e elaboração de projetos sociais (PUC).

Renato Racin, filosofo e sócio da Amadi Technology

Hoje, a Amadi Technology, conta com a colaboração de pessoas que constituem uma Equipe Executiva (Diretora Executiva, Coordenadora Administrativa e Financeira e Diretor de Tecnologia) e a Equipe de Tecnologia, que conta com um analista de suporte nível 1, que realiza seleção, implantação e manutenção de hardwares e software básico e de apoio, um analista de suporte pleno, responsável pelo atendimento de nível 2 e um parceiro de infraestrutura e prestação de serviços na área de elétrica, cabeamento estruturado e Circuito Fechado de TV (CFTV). “Recentemente, também passamos a contar com duas consultorias, responsáveis pelo processo de institucionalização da nossa comunicação e apoio jurídico”, conta Agnes Caroline.

Para Renato, o grande diferencial do trabalho oferecido pela Amadi Technology é a unidade da tecnologia com questões humanas: “Juntamos o trabalho tecnológico com a nossa trajetória ativista e também a experiência com a ancestralidade para dar sentido à empresa e para a missão que temos”.

A missão da Amadi Technology consiste em: 

– Oferecer recursos tecnológicos personalizados para melhorar processos internos de empresas e organizações, agregando maior produtividade por meio de uma gestão inteligente, responsável e confiável em Tecnologia da Informação e Informática. 

– Democratizar o uso das tecnologias da informação e informática, tanto em sua dimensão técnica como de apropriação digital, apresentando suas inúmeras possibilidades de uso criativo e adequado para todos os gêneros, etnias ou raças, modos de existências, lutas ou resistências e para todas as gerações.

“Tudo isso impulsionou nossa profissionalização no campo de direitos humanos e segurança da informação para o terceiro setor”, revela Agnes.

Agnes Karoline, CEO da Amadi Technology e graduada em Ciências Sociais

E foi com essa vontade de mudar o mundo, oferecendo um bom serviço tecnológico, que os caminhos da Amadi Technology e do Fundo Baobá para Equidade Racial se cruzaram em 2019, conforme relembra Renato: “A diretora-executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira, entrou em contato comigo para realizar a prestação de um serviço pontual de organização do parque de TI do escritório. Na oportunidade, foi possível identificar alguns recursos de produtividade que poderiam ser implantados na organização”. Hoje a parceria entre Amadi e Baobá segue forte: “Após a realização desse serviço inicial, iniciou-se uma parceria que hoje conta com um atendimento personalizado para Suporte e Gestão de TI, além de Compliance na área de proteção de dados pessoais”.

E a parceria entre Fundo Baobá e Amadi Technology se intensificou ainda mais durante a execução do “Já É: Educação e Equidade Racial”. Lançado em 2020, o Programa tem a premissa de apoiar jovens negros entre 17 e 25 anos para o acesso à universidade. As e os jovens selecionados são de regiões periféricas da cidade de São Paulo e da Grande São Paulo e receberam bolsa de estudos para frequentar aulas em um cursinho pré vestibular. O Programa conta com o apoio da Citi Brasil, Demarest Advogados e também da Amadi Technology, que foi fundamental considerando que as aulas iniciaram de forma remota, devido a Covid-19: “Após receber uma demanda operacional, para o levantamento orçamentário para a compra de notebooks e preparação dos mesmos para uso, percebemos a grandeza do Programa Já É e uma oportunidade de exercer nossa missão de facilitar os processos de democratização dos usos de tecnologias digitais”, diz Agnes. 

A Amadi Technology facilita a informatização dos alunos durante as aulas virtuais do Programa Já É: “Inicialmente realizamos uma pesquisa de equipamentos apropriados para contemplar as necessidades dos(as) estudantes do programa. Essa pesquisa inicial contou também com um estudo orçamentário e dos pré-requisitos da plataforma de estudos do cursinho..

Sugerimos também a instalação de um Sistema Operacional Livre (GNU/Linux) em todos os computadores, por conta de questões de segurança e estabilidade dos equipamentos, além de toda a economia com licenças proprietárias de software”. Afirma Renato.

O apoio ao Programa Já É do Fundo Baobá, não é a primeira e nem única incursão da Amadi Technology na esfera da equidade racial, o grupo de desenvolve o tema não apenas em outras parcerias mas dentro da própria empresa: “Apoiamos projetos em nosso território que fazem formação com mulheres na perspectiva interseccional, que é o curso das promotoras legais populares e também realizam atendimento para mulheres vítimas de violência doméstica, onde grande parte destas mulheres são periféricas e negras”, diz Agnes Karoline. “Os critérios de seleção para funcionários têm alta prioridade mulheres negras ou de comunidades tradicionais. Nossas parcerias estratégicas também contam com a sensibilidade para os debates dos direitos humanos”, reforça, acreditando que essa deve ser uma responsabilidade de todo o setor privado: “Em nossa opinião, o setor privado tem que ter responsabilidade social. Entender sua responsabilidade enquanto ator de impacto em questões de ordem econômica, política, social e cultural”.

Agnes Karoline durante a aula inaugural do “Programa Já É: Educação e Equidade Racial”

Agnes Caroline avalia de forma positiva o resultado da parceria da Amadi Technology no Programa Já É: “Conseguimos neste momento já ter entregado os computadores para os estudantes que é um recurso básico para acessar as aulas. E também ficamos disponíveis para eles dando suporte remoto às dificuldades com o hardware ou com o sistema operacional. Em breve faremos uma interação com as aulas para trazer o debate da tecnologia e segurança da informação e tecnopolítica”, que deixa também uma mensagem para todos(as) os(as) jovens participantes do Programa: “Você não está sozinho(a), a luta dos nossos ancestrais vem de muito tempo para chegarmos até aqui. Acredite em você. Todos os lugares são também pra vocês e não acredite naqueles que digam ao contrário ou menos que isso”.

‘Já É’ seleciona bolsistas com dificuldades para estudar dentro de casa

Dentre as principais questões enfrentadas pelas estudantes estão casas lotadas, conciliar o aprendizado com o trabalho e pressões para mudar a condição financeira

Por Marcos Furtado, do Perifaconnection, em colaboração com Fundo Baobá para Equidade Racial

Desde que foi determinado o isolamento social, em março de 2020, devido à pandemia do novo coronavírus, milhões de jovens viram as suas rotinas de estudo mudarem radicalmente. Para os vestibulandos, que estavam se preparando para as provas de ingresso às universidades, o impacto foi ainda maior. No caso dos estudantes periféricos, as dificuldades para manter a qualidade dos estudos são mais específicas: casas lotadas, conciliar o aprendizado com o trabalho e pressões para mudar a condição financeira. Com o objetivo de oferecer assistência para estudantes nessas situações, o programa ‘Já É: Educação e Equidade Racial’ selecionou 100 jovens negros e periféricos com bolsas para fazer um cursinho pré-vestibular. Conhecer quem são alguns deles e os obstáculos que precisaram enfrentar até aqui ajuda a entender a importância dessa iniciativa.

Na casa do tio, em Taboão da Serra, município da região metropolitana de São Paulo, de Vitória de Jesus Damasceno, de 18 anos, há sete pessoas dividindo apenas dois quartos. A falta de privacidade e o constante barulho são situações que atrapalham a rotina de estudos da vestibulanda.

“Eu moro com o meu tio, que é o único trabalhando no momento, a minha tia, a minha prima mais velha, a caçula, um primo e a minha avó. Como aqui são dois quartos, dorme os meus tios em um e o resto da família no outro”, explica. “A condição de estudos não é aquela coisa de concentração ‘master’, que geralmente a gente tem na escola, mas quando quero estudar eu sento na cama, coloco o fone e me isolo.”

Vitória de Jesus Damasceno, 18 anos

A jovem, que pretende estudar Direito, tentou se preparar para o Enem, em 2020, enquanto buscava soluções para dar conta das aulas virtuais do terceiro ano do ensino médio. Mesmo com as dificuldades, Vitória realizou o exame do Inep. Ciente de que certamente não teria um bom desempenho, a jovem se inscreveu e foi selecionada pelo programa ‘Já É’. Com o suporte oferecido pela iniciativa, ela está mais calma e se programa para ter o máximo de aproveitamento possível durante o preparatório. “Eu penso em fazer o cursinho e me doar 100%. Dar o melhor de mim”, afirma.

Para Melissa de Jesus Calixto Costa, de 21 anos, moradora de em Butantã, na Zona Oeste de São Paulo, a maior dificuldade enfrentada nesta pandemia foi manter o trabalho como jovem aprendiz na área da saúde junto com os estudos. Assim como Vitória, ela também tem interesse pelo curso de direito. Selecionada para receber uma das 100 bolsas de estudos do ‘Já É’, a jovem acredita que terá oportunidade de recuperar os conteúdos que não absorveu na correria do supletivo.

Melissa de Jesus Calixto Costa, 21 anos

“Além do conhecimento que perdi na escola, o ‘Já É’ vai me ajudar no autoconhecimento. Ter esse momento para mim, pois sinto que essa parte (a escola) da minha vida foi perdida. Todo mundo precisa desse momento de estudar. A minha expectativa é que quando terminar esse cursinho eu seja uma pessoa melhor”, afirma.

Depois de ficar desempregada no meio da pandemia, Melissa sabe bem a importância de manter o trabalho e só conseguiu participar da iniciativa do Fundo Baobá graças a possibilidade de escolher o melhor horário para fazer o preparatório – neste caso sendo o turno da noite.

Outro tipo de pressão é a que acontece com Tallita Soares de Andrade, de 19 anos, que mora em Diadema, município da região metropolitana de São Paulo. Ela deseja mudar de vida e fazer o curso de economia. Com o total apoio da mãe, que lutou muito para se tornar enfermeira, a vestibulanda tem lidado com uma enorme pressão, especialmente tendo que estudar em casa.

“Vem da sociedade uma pressão de que ‘ah! Você vai fazer 20 anos e não está na faculdade ainda’. Tem a comparação com seus amigos, colegas e outras pessoas”, afirma em meio a um choro de desabafo.

Tallita Soares de Andrade, 19 anos

Com a bolsa para fazer o curso preparatório oferecida pelo Fundo Baobá, a vestibulanda considera que terá um suporte para driblar esses obstáculos. “Eu acho que vai ser muito mais produtivo e encorajador”, avalia. “Por projetos como o do Baobá que se consegue nivelar algumas questões e transformar aspectos da realidade.”

Jovens vêem cursinhos populares como oportunidades para diminuir desigualdade entre ensino público e privado

Para diversos alunos provenientes de escolas públicas, o cursinho popular é a possibilidade de aumentar as chances de cursar uma graduação

Por Tâmara Regina, do Perifaconnection, em colaboração com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Quando se fala em cursos pré-vestibulares não é difícil ouvir relatos como: “aprendi mais em um ano, do que em 11” ou “foi a partir dele que eu me senti preparado para prestar o vestibular”. Os conhecimentos cobrados em provas de universidades deveriam ser adquiridos ano após ano, durante toda a vida escolar do aluno. Porém, muitas vezes, a expectativa está longe da realidade, principalmente por parte dos alunos que são provenientes do ensino público.

Em 2017, após a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), apenas 650 escolas ficaram na categoria “melhor nota, com a média de 712,91,”. O que representa, 10% do total das escolas. Deste total de “melhor nota”, 82% são privadas e 18% são públicas. Sendo que as escolas públicas desse grupo são formadas por escolas federais ou estaduais de ensino técnico. Esses dados são de um levantamento da Folha de S. Paulo baseado em dados do Ministério da Educação e Cultura (MEC).

Este é o caso de Taynara Santos, 21, e de Ketlen Carvalho, 24, que buscam melhorar o conhecimento adquirido na escola para chegar bem preparadas para o vestibular. “Minha expectativa é conseguir uma nota boa no Enem para ganhar uma bolsa de estudos e aprender também”, afirma Ketlen, que estudou a vida toda em escola pública e que já teve a oportunidade de iniciar a faculdade através de uma bolsa de estudos.

Ketlen Leandra Carvalho, 24 anos

A jovem cursou Administração, mas teve que trancar por conta do valor da rematrícula. Ela relata ter abandonado um curso pré-vestibular para começar o curso de administração: “Eu fiz dois meses de curso pré-vestibular e quando eu peguei o material de estudos percebi que tinha muito conteúdo que eu nunca tinha visto”, explica.

Já a Taynara, destaca que um dos diferenciais de fazer curso pré-vestibular é estar com o conteúdo fresco na cabeça: “Quando estava no segundo ano, eu fiz o Enem pela primeira vez, como a minha mente estava fresca, eu fui bem. Se comparar aos outros anos que eu fiz, depois de terminar o ensino médio, fui bem melhor lá atrás”, conta a jovem.

Taynara Silva Santos, 21 anos

Para os adolescentes Rayane Santos, Eduardo de Souza e Nicholas Gonçalves, ambos de 17 anos, que atualmente estão no terceiro ano do ensino médio, o cursinho irá compensar o déficit do ano letivo de 2020/2021, agravado pelas dificuldades do ensino à distância. Em comum, vêem na possibilidade de fazer um curso pré-vestibular a oportunidade de suprir o que faltou no fundamental e no médio.

Correndo atrás do prejuízo

O terceiro ano será um desafio para esses jovens, que a princípio terão aulas híbridas – metade on-line e metade presencial.  Para Rayane, estudar em casa foi muito difícil porque a escola não chegou a ter aula remota. “Foi só conteúdo e apostila. [Em casa] era o pessoal falando alto e eu tentando me concentrar. Foi uma bagunça, muito difícil mesmo”, afirma a adolescente, que considera que de tudo que só conseguiu absorver 50% do conteúdo aprendido no ano passado.

Rayane Jesus Santos, 17 anos

Já o Eduardo relata que não conseguia reter todos os conteúdos das aulas. “Não conseguia aprender com as aulas on-line, mas quando era para fazer as atividades, eu estudava e conseguia entender as matérias”, explica. No entanto, ele pondera: “Foi melhor do que eu esperava”.

Eduardo Silva de Souza, 17 anos

Com Nicholas não foi diferente. Ele conta que, mesmo tendo estudado em colégio particular até a sexta série, a escola pública não foi ruim. Ainda assim, não é possível falar de bom aproveitamento. “Eu não estava esperando, mas o meu rendimento caiu no ensino médio. No primeiro ano não fui bem, no segundo foi difícil por conta da Covid-19 e agora temos o terceiro que está por vir”, explica o adolescente que acredita que de todo o conteúdo que deve levar para realizar uma prova de vestibular aprendeu cerca de  60%. Os motivos são distintos, mas todos os cinco jovens vão tentar compensar em um ano tudo que deveriam ter aprendido em mais de três.

Nicholas Welington Crisologo Gonçalves, 17 anos

Estudantes que possuem apenas celular encontram dificuldades para estudar na pandemia

Sem acesso à computadores ou tablets, estudantes focam estudos nas pequenas telas do celular

Por Pedro Ribeiro, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá pela Igualdade Racial

Com a pandemia, estudantes do estado de São Paulo se viram obrigados a aprender a estudar em casa. Sem as telas de computadores, notebooks ou tablets, esse aprendizado pode ser desconfortável.

No Brasil, apenas 39% dos domicílios possuem computador, como aponta a pesquisa TIC Domicílios de 2019. Ainda segundo o levantamento, 99% da população possui aparelho celular e 58% acessa a internet somente por ele (85% das pessoas de classe D e E).

A pesquisa mostra ainda que as pessoas da classe D e E que têm somente o aparelho móvel para se conectar têm cor. Indígenas, pretos e pardos lideram o recorte de raça quando o assunto é uso apenas do celular.

Dos que possuem computador (de mesa, notebook ou tablete), a classe social também revela uma discrepância na inclusão digital brasileira. Nas classes D e E, somente 14% dos domicílios possuem computador; na classe C, 44%; enquanto na classe B esse índice é de 85% e, na A, 95%.

Trabalho e maternidade

Laiza Catarine Ferreira Diniz tem 25 anos, é mãe e mora com os pais no bairro do Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. Ela está em dúvida sobre cursar administração ou recursos humanos, mas gostaria de trabalhar como recrutadora de diversidade.

Para conquistar esse sonho, Laiza estuda em casa, usando apenas o celular. Ela diz que conversa com conhecidos para tirar dúvidas e usa um aplicativo que a ajuda nos estudos. A irmã dela possui um notebook, mas por estar trabalhando com ele em casa, Laiza não consegue usá-lo para estudar. Além disso, ela diz que consegue se concentrar nos estudos sem muitos problemas, mas muitas vezes o obstáculo é a falta de tempo que o trabalho, cuidados com a filha e a casa demandam.

Laiza Catarine Ferreira Diniz, 25 anos

A jovem chegou a iniciar a graduação no curso de hotelaria, mas trancou por questões financeiras e não conseguiu retomar os estudos. Hoje, ela entende que essa não era a melhor carreira para ela e por isso optou por uma área que a interessa mais.

“Às vezes a gente escolhe uma coisa, mas a vida vai levando a gente para outro lugar. Eu também era muito nova quando comecei nessa parte de hotelaria e de turismo. Aí eu acabei entrando nisso e me deixei levar”, explica a jovem que acumulou dívidas com o financiamento do antigo curso.

Por esses motivos, ela buscou a bolsa do Programa Já É, oferecida pelo Fundo Baobá. O objetivo dela é ser aprovada em uma universidade pública para não precisar se preocupar com as mensalidades. “Eu ainda tenho valores do Fies da outra faculdade para pagar, não tenho como arcar com uma nova”.

Muitos cursos, pouco tempo

Leandro Gomes de Oliveira, de 18 anos, sonha em se tornar cantor profissional e pretende se estabilizar na carreira de recursos humanos para bancar os estudos na música. Leandro mora com sua mãe adotiva no Jardim Guarani, na Zona Leste de São Paulo, e vai ser o primeiro entre os seus amigos a ingressar no ensino superior.

A lista de cursos que ele pretende fazer é bem longa. Leandro quer cursar primeiro Rh, depois administração ou produção musical e por fim psicologia. “Eu vou fazer Rh primeiro porque é a faculdade base para a gente entrar no mercado de trabalho. Em seguida, eu quero fazer música, mas eu acho que vou fazer administração primeiro. Se tiver como fazer as duas ao mesmo tempo, farei”, explica o jovem.

Leandro é ajudante de envidraçamento e passa boa parte do dia instalando placas de vidro em sacadas. Além do pouco tempo para os estudos, o jovem conta que concluiu o ensino médio em 2020, durante a pandemia. Estudante do período noturno, ele diz que teve pouquíssimo conteúdo e não precisou estudar para provas, o que prejudicou seu ingresso imediato no ensino superior.

Leandro Gomes de Oliveira, 18 anos

Juntos a esses problemas está a falta de estrutura para um aprendizado mais eficiente. O notebook que ele possui em casa está com defeito e ele tem somente o celular para estudar no pouco tempo que lhe sobra.

Celular virou rotina

Maria Eduarda da Silva Souza, de 20 anos, mora com os pais e a irmã no bairro do Jaraguá, na Zona Norte da cidade de São Paulo. Ela quer cursar relações públicas para ajudar ainda mais um coletivo pan-africanista do qual faz parte.

A ligação da jovem com o movimento é forte até mesmo na hora dos estudos. Maria Eduarda explica que o coletivo pan-africanista possui redes sociais e promove grupos de estudos frequentemente, por isso ela sempre está estudando matérias de ciências humanas como história e geografia. Tudo pelo celular.

“Meu notebook infelizmente queimou na pandemia. Eu estava utilizando o computador da empresa enquanto estava em home office, mas por enquanto é só o celular mesmo”, conta Maria.

Maria Eduarda da Silva Souza, 20 anos

Entretanto, o uso contínuo do celular fez com que ela se habituasse cada vez mais ao aparelho. “Tudo o que eu faço é pelo celular. Trabalho, coletivo, comunicação com as pessoas… Então eu sou bem tranquila em relação a isso. Só que eu pretendo arrumar o meu notebook, pois para estudo eu acho bem melhor”.

Por causa disso, a jovem tem grandes expectativas para a bolsa do Programa Já É, pois, além das aulas híbridas, ela terá mais acompanhamentos em matérias de ciências exatas, nas quais diz ter dificuldades.

Número de brasileiros que moram sozinhos cresce no país

Muitos deles são jovens que precisam conciliar os cuidados com a casa e os estudos

Por Mônica Moreira do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Em 2019, cerca de 11,7 milhões de pessoas viviam sozinhas no país, o que corresponde a 16,2% dos lares brasileiros, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua) mostram o maior número de domicílios com apenas um morador desde 2016.

Ingressante do curso pré-vestibular Já É, do Fundo Baobá, Antônio Gustavo Ribeiro da Silva, de 19 anos, mora sozinho desde que saiu da cidade natal, Mombaça, no interior do Ceará, para morar na capital de São Paulo. “Fui criado pelos meus avós, depois que perdi eles, me mudei para São Paulo e comecei a morar com a minha mãe. Não deu muito certo, então passei a morar sozinho”, comenta.

Natalini conta que a experiência de morar só foi fundamental para que ela se conhecesse, tivesse mais segurança e adquirisse mais maturidade. “Você percebe que não precisa de mais ninguém, só você. Já passei por muitas coisas, então agora ficar sozinha é melhor. […] Fui me conhecendo, sabendo até onde posso ir, as inseguranças e me sentir mais forte. Tudo isso se aprende morando sozinho”, conta.

Responsabilidades da casa e estudos

A rotina de quem vive sozinho exige disciplina e organização, mas se torna um desafio ainda maior ao conciliar as responsabilidades de casa e os estudos pré-vestibular do programa Já É.

Para isso, Natalini Santos de Jesus, de 23 anos, conta com ajuda da irmã mais nova, Janaína, de 14 anos. “Minha irmã me ajuda bastante quando preciso trabalhar ou sair para resolver alguma coisa, ela é a minha principal rede de apoio. […] Ela também vai me auxiliar quando começar os estudos do curso do Fundo Baobá”, relata.

Já Antônio, que tem se preparado desde muito cedo para os vestibulares, desenvolveu uma rotina para que conseguisse ter um tempo dedicado aos estudos e também aos cuidados da casa.

“Normalmente acordo, faço algumas coisas da casa e começo a estudar. Paro no horário do almoço para conseguir fazer minha comida, descanso e depois volto para os estudos. O período da tarde é o momento que mais estudo, costumo parar só no início da noite. Depois disso volto a fazer o serviço de casa, lavo roupa ou coloco comida para o cachorro. Apesar disso, eu considero uma rotina bem tranquila e gosto bastante”, conclui.

Driblando a solidão

Como uma forma de não se sentir tão sozinho, Antônio Gustavo adotou um animal de estimação para lhe fazer companhia no dia a dia. “Eu tenho o Luís Eduardo, o apelido dele é Dudu, meu cachorro de estimação que me faz companhia nas horas que me sinto sozinho, é ele quem traz alegria para casa. Sinto que minha família é eu e ele”, diz.

Natalini Santos, também considera a solidão com um aspecto negativo de estar sozinha, mas não se vê morando com outra pessoa no futuro, além dos dois filhos, Arthur, de 7 anos, e Ezequiel, de 11 meses. “Quando eu morava com meus pais achava que seria muito bom não dar satisfação para ninguém, mas agora é muito ruim. Porém, já me acostumei e só quero ficar morando com os meus filhos mesmo”, brinca.

As culturas no cenário dos exames seletivos

Para se sair bem em um exame vestibular é importante entender que os conteúdos importantes também estão fora dos livros

Por Eduarda Nunes, do Perifaconnection, em parceria com o Fundo Baobá para Equidade Racial

Dentre as dicas implacáveis para fazer uma boa prova de vestibular essa está sempre lá: ler muito, e sobre tudo. Em se tratando do Brasil, um país que tem perdido leitores e que tem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como principal processo seletivo de ingresso nas  universidades públicas e privadas, esse não poderia ser um conselho melhor.

Segundo a pesquisa Retratos do Brasil, a única que faz uma avaliação à nível nacional dos hábitos de leituras dos brasileiros, entre 2015 e 2019 o País perdeu 4,6 milhões de leitores, ou seja,  pessoas que não conseguiram terminar de ler um livro por ano. A cultura da leitura tem sido enfraquecida, e por mais que ela seja uma peça chave para obtenção de um bom resultado nos exames, existem outras culturas que também preparam o vestibulando para a prova.

Sociologicamente, o conceito de cultura é muito amplo. É o que determinados grupos vão comer, vestir, criar e consumir. “A cultura é tudo”, como afirma Lívia Estanislau, uma das selecionadas do “Já É”.

Por meio dela são tecidos padrões comportamentais e imaginários sociais diversos. E é baseado em muitas das culturas existentes que é elaborada uma prova como o Enem. As 90 questões objetivas são embaladas em contextos às vezes inimagináveis.

Como em 2018, quando fez brilhar em uma das questões o Pajubá. A linguagem desenvolvida e utilizada pela população LGBTQIA+ foi apresentada a milhões de jovens que ainda não faziam ideia da  existência do dialeto. O Enem é uma prova que demonstra o quanto é importante estar atento também ao que está fora dos livros didáticos.

Lívia Estanislau, 19 anos

A escolha de Lívia pelo curso da faculdade, por exemplo, não veio dos assuntos tratados na escola, mas do que aprendeu e viveu dentro de casa. A jovem vem de uma família que tem elo no cuidado e na proteção uns com os outros.

Foi assim que surgiu seu interesse por estudar a mente humana. Desde criança ela convive com a mãe e o irmão que lidam com a depressão. Psicologia é sua primeira opção.

Erick dos Santos, de 18 anos, que cresceu bebendo da cultura do hip-hop através de sua mãe – uma artista da cena -, além de estar dando início à sua jornada de artista, também integra conquistas coletivas que levaram ao seus objetivos de vida.

“As culturas em que a gente cresce que faz a gente se interessar por determinadas coisas sim e outras não”, conta o jovem.

Tanto Lívia quanto Érick são estudantes que não tiveram grandes entraves nos estudos. São alunos medianos, que cultivaram boas relações com os professores e outros alunos durante toda a trajetória escolar.

Erick dos Santos, 18 anos

E mesmo assim, algumas das principais escolhas que estão prestes a fazer tiveram as suas bases criadas quase que independente desse contexto, dentro de museus e outros eventos culturais. Também devido ao contexto familiar em que os jovens estão inseridos. É importante estar atento à bagagem cultural para compreender quais são os caminhos, decisões e interpretações que ela pode induzir.

 

Desemprego, informalidade, estudos e pandemia

Como os jovens fizeram para driblar o atípico ano de 2020 para alcançar suas metas

Uma geração que cresceu incentivada a ter carteira de trabalho muito jovem vem enfrentando desde 2015 uma profunda crise em suas rendas, mas viu em 2020 o cenário se agravar pela crise sanitária. São Paulo, cidade que é referência nacional em empregos, têm seus jovens empurrados para o desemprego ou informalidade. Com a pandemia da Covid-19 e o fechamento de escolas e cursos, os estudos também ficaram comprometidos.

O coronavírus chegou de forma avassaladora e fez com que milhões de pessoas perdessem os seus empregos. Esse foi o caso de Karine Lopes dos Santos, 21, e moradora da Vila Brasilina, que até o início de 2020 trabalhava na empresa Clearsale Antifraude e se viu na busca por emprego em um dos piores momentos do mercado nos últimos anos. “Foi bastante complicado, porque as empresas estavam demitindo mais que contratando. A gente manda e-mail e não tem resposta, fazia entrevista e não tinha resposta”, desabafa.

Os jovens são os mais afetados pela crise. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada pelo IBGE pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD, no terceiro trimestre de 2020 a taxa de desemprego no país era de 14%, mas entre os jovens de 18 a 24 anos esse número mais que dobrou, chegando a 31%. Essa é a maior taxa de desemprego desde que os indicadores começaram a ser medidos em 2012.

O desemprego é historicamente maior entre os jovens, e muitos já vinham enfrentando dificuldades para conseguir entrar no mercado de trabalho. Além dessa dificuldade, outro fato que os jovens observam são os setores que contratam. Segundo a moradora da Vila das Belezas, Ana Julia Melo de Lucas, 18, o mercado de telemarketing segue como um dos poucos que contrata jovens com pouca ou nenhuma experiência.

“Estou em busca do primeiro emprego, o que mais me desanimou nessa busca são os empregos oferecidos para primeira oportunidade. Só oferecem cargos de telemarketing. Isso é muito errado, não deve ser o único setor que abre portas. Tantas vagas deveriam ser abertas para essa primeira oportunidade em outros setores. Ninguém nasce sabendo, precisamos de oportunidade para ter experiência”, diz

Ana Julia Melo de Lucas, 18 anos

Julia também observa que, por conta da pandemia, viu ainda o mercado de telemarketing se inchar de pessoas com experiências anteriores e que perderam seus empregos e cita como problema a questão salarial da função: “Também é muito ruim a pessoa trabalhar o dia inteiro para ganhar mil e pouco, um salário.” O setor de telemarketing cresceu 67% em 2020, segundo relatório do Linkedin.

Todos esses jovens mantinham a rotina de busca de emprego e estudos, mas Joyce Cristina Nogueira, 20, fez um movimento contrário. Após algum tempo fora do mercado, trabalhou como personal shopper na empresa de delivery Rappi, porém decidiu pedir demissão para  focar apenas nos estudos. “Antes eu trabalhava e estudava, mas tinha problema em focar nos estudos, cansaço por conta do trabalho  não conseguia me dedicar a nenhum”, relata.

Joyce Cristina Nogueira, 20 anos

João Pedro Araújo da Silva, 23, mora no Grajaú, onde de vez em quando trabalha com a sua mãe, Margarida Araújo, no brechó que ela tem na comunidade. Por conta da pandemia, o jovem passou a buscar emprego apenas de forma online. “Eu tenho buscado emprego, mas a pandemia dificultou demais e entreguei muito currículo pela internet. Tem uns sites muito bons, tipo o infojob, vagas, linkedin, mas ainda não rolou.”

João Pedro Araújo da Silva, 23 anos

Além das dificuldades na busca por emprego, Karine, Julia, Joyce e João também enfrentaram problemas com os estudos. Em uma realidade em que muitos cursos foram interrompidos e as aulas remotas apresentaram problemas.

Surgiu então para os esses jovens o edital Já É do Fundo Baobá como um grande impulsionador rumo ao sonho da graduação. “Depois que eu vi o meu nome na lista de selecionados no Baobá eu fiquei bem esperançosa e feliz”, comenta Karine.

O Programa Já É dará uma bolsa de estudos em um curso pré-vestibular e custeará as despesas dos jovens contemplados, além de oferecer outras atividades psicossociais e de mentoria com uma pegada antirracista. Um grande passo para ajudar na formação desses jovens e assim ampliar as suas chances no mercado de trabalho.